MALDITO VENENO – EPISÓDIO 10

WDWD

CENA 01. HOTEL. QUARTO DE LUCAS. INT – NOITE

Os policias invadem o hotel, o porteiro estranha. Eles sobem até o quarto de Lucas.

Policial:- Perdeu meliante! (arrombando a porta)

O porteiro se aproxima do Policial.

Porteiro:- Não há ninguém aqui.  O moço que estava hospedado ai, saiu há pouco tempo.

Roger:- Merda! (bravo)

CENA 02. ESTRADA

Anoitece e José e Thiago estavam com sono após, andar tanto de carro.

José:- Está com sono Thiago?

Thiago:- Não amor. Pode deixar eu continuo na direção.

Dez minutos depois… Thiago havia adormecido José também. O carro estava sem controle, saiu de sua mão, e deu de cara com uma carreta.

José:- Thiago! (grita)

CENA 03. PENHASCO/ESTRADA

O carro começa a capotar, José é jogado pra fora do carro.

CENA 04. PENHASCO

José já não sabia mais o que fazer. Com as mãos na cabeça, ele gritava desesperadamente:

José: – Thiago! Thiago meu amor! Thiago!

Muitos carros que ali passavam, reduziam a velocidade para ver o acidente. Enfim, o socorro chega. Os enfermeiros saem da ambulância, colocam Thiago na maca. José entra junto, e o veículo parte com a sirene ligada em alta velocidade.

CENA 05. HOTEL. PORTARIA

Todos já estavam indo embora, quando Ingrid resolve conversar com o porteiro.

Ingrid:- Você não viu nada!

O porteiro fica constrangido e Ingrid parte junto com os outros.

CENA 07. CEMITÉRIO

Mais uma vez, o bairro entrara em luto. Thiago era enterrado. Cantavam as pessoas na curta caminhada até o túmulo:

“Segura na mão de Deus e vai […]”.

Cacá estava em prantos, e era consolada por Dalila.

Cacá: – Meu filho… Meu rico filho!

Dalila, que segurava um lenço branco e uma rosa, enxugou as lágrimas da amiga.

Dalila: – Calma amiga, vamos ter muita força.

José também estava muito triste e desamparado.

José: – Não se vá meu amor, não se vá…

CENA 08. CASA DE JOSÉ. SALA

Após chegar e casa do velório, José senta no sofá. Ele olha para o aparador, e vê um porta-retratos com um foto deles. Ele fica analisando a fotografia por um pequeno instante, e aperta ela contra o peito.

João: – Eu nunca vou me esquecer de você! Nunca! (VOICE OVER)

CENA 09. EMPRESAS MATTOS. SALA DE GABRIELA

Gabriela chega para o eu primeiro dia no trabalho, e é surpreendida com a festa que os funcionários armaram pra ela.

Gabriela:- Não precisava.

Bianca:- Precisava Sim! Eu sei as batalhas que você enfrentou em sua vida, então achei que isso era o mínimo que eu podia fazer.

Gabriela se emociona e abraça Bianca.

– Ela merece! Ela merece! (todos)

A cena congela.

CENA 10. HOTEL. QUARTO DE LUCAS

Lucas estava deitado na cama, assistindo TV. De repente, ouve um barulho muito alto de sirenes. Ele se assusta.

Lucas: – Meu Deus, o que é isso?

Ele vai em direção a varanda, e olha para baixo discretamente. É a polícia.

Lucas: – Droga, e agora! Eu preciso dar um jeito de sumir daqui.

Ele vai até o outro lado do quarto, onde tem apenas uma janela, e uma grande arvore.

Lucas: – Ou vai, ou racha!

Ele sobre no parapeito da janela, e começa a se pendurar nos galhos. Aos poucos, ele ia descendo. Lucas consegue fugir.

Lucas: – Adeus babacas!

CENA 11. BECO

Lucas cai em um beco, onde haviam policias disfarçados de mendigos.

Lucas:- Eles, não podem me pegar.

O Mendigo/Policial se levanta, e vai até Lucas que estava parado tentando ligar pra Amélia; ele aponta a arma pra cabeça de Luca e diz: Fica quietinho e me de as mãos.

CENA 12. CADEIA

Ingrid estava sentada na frente de Lucas, com o olhar penetrante.

Ingrid:- Quem mandou você matar, aquele homem?

Lucas:- Ninguém, eu matei de raiva. Raiva por ter levado á Gabriela de mim.

Ingrid:- Mentira! Você está mentido! Nós sabíamos que você morava com a finada mãe de Gabriela. Que alias, onde ela está?

Lucas olha sínico pra ela.

Lucas:- Você acha mesmo que se eu soubesse eu tava aqui?

Ingrid dá um tapa em Lucas.

Ingrid:- Não brinca comigo, garoto… Agora diz onde ela está?

Lucas fica bravo de inicio, mas conta tudo o que sabe.

CENA 13. CADEIA. CELA

A carcereira o leva para sua cela.

Lucas: – É aqui nessa jaula que eu vou ficar?

Carcereira: – Cala a boca e entra, só toma cuidado com os leões aí da “jaula”.

Lucas entra. A carcereira tranca a grade, e sai. Lucas vai para o canto da cela, senta e começa a chorar. Os outros presidiários começam a tirar sarro:

Presidiários: – Olha só, a bonequinha ta chorando!

Um em especial fala:

Presidiário: – Que foi bebê? Quebrou a unha é?

O riso de todos toma conta, mas Lucas finge não escutar, e continua chorando.

CENA 14. DELEGACIA

Gabriela vai pra delegacia, saber o desfecho do assassinato.

Roger:- Gabriela tem uma pessoa do seu passado que quer te ver.

Gabriela:- Quem de tão importante, quer ver?

Ingrid entra na sala.

Ingrid:- Você vai se surpreender, pela história que ele nós contou.

Gabriela fica curiosa.

Congela em Ingrid.

CENA 15. ALA DE VISITAS:

Gabriela entra na sala e vê Lucas, se espanta de inicio, vai em direção há ele… Ela ergue sua mão e encosta nele.

Gabriela:- Não… Como pode!

Lucas:- Como pode o que? (cínico)

Gabriela:- Você… Você estar vivo!

Gabriela volta-se para a porta.

Lucas:- Não seja frouxa… Vem aqui enfrentar o fantasminha camarada!

Lucas começa a dar uma risada maléfica.

Gabriela volta-se agora para Lucas, caminha até ele e dá um tapa em sua cara.

Gabriela:- Troxa! (berra) Como foi que você conseguiu ficar vivo esse tempo todo? Eu investiguei sua morte! Não tem como você estar aqui!

Lucas:- (cínico) Não tá me vendo? Você quer mesmo saber? Seu pai tentou matar a minha madrinha. Desde que eu era criança, sempre senti raiva dele, mas ainda bem que minha madrinha sobreviveu, por que assim ela me ajudou com tudo! E você quer saber quem é a minha madrinha? Amélia Mattos!!

Gabriela:- Não, não pode ser. Ela morreu quando eu criança! (desesperada/chorando)

Lucas:- Não morreu, apenas teve que fugir de seu pai.

Gabriela:- Então porque ela nunca me procurou? Me disse que estava viva! (reage)

Lucas fica pensativo.

Lucas:- Ela iria dizer, se seu pai não tivesse mandado a matar. Por isso que eu fui até a sua casa e matei seu paizinho. HAHAHA!

Gabriela se levanta, fica pensando e diz para Lucas.

Gabriela:- Eu vou fazer de tudo, para que você apodreça aqui.  E aquela doença que você me passou, tomara que ela te corroa por dentro.

Gabriela sai. O carcereiro entra e leva Lucas.

CENA 16. CADEIA. CORREDORES

Os presos batiam suas canecas nas grades enquanto Lucas passava em direção á sua cela.

CENA 17. CADEIA. CELAS

Lucas chega a sua cela, e vê que tem um bandido da pesada lá.

Lucas:- O que você está fazendo aqui?

Marreta:- Vim aqui, fazer um serviço que me mandaram.

Marreta pega Lucas com força e o leva até a parede, onde ele abaixa as calças de Lucas.

Marreta:- Agora você vai apreender a não passar, nada aos outros.

Mareta coloca seu órgão genital, nas nadegas de Lucas.

Lucas:- AHHHHHHHH(grita)

Congela em Lucas.

MESES DEPOIS

CENA 18. CINEMA

Juliano e Gabriel estavam assistindo um filme, no fim dele Juliano se levanta e vai até a frente da tela.

Gabriela: – Juliano, aonde você vai?

Gabriela fica sentada na poltrona.

Juliano: – Gabriela, você aceita se casar comigo?

Gabriela fica emocionada.

Gabriela: – Sério mesmo? Claro que sim! Eu aceito!

Gabriela desce correndo até Juliano, e os dois dão um beijo apaixonado. Todos no cinema aplaudem.

Juliano: – Eu te amo!

Gabriela: – Eu também!

CENA 19. AEROPORTO

Caca e Juba vão para Nova Iorque. Um tempo depois, quem aparece por lá é Dalila. Juba e Caca vão até o aeroporto esperar por Dalila. O avião chega. Dalila estava chegando ao centro do aeroporto, quando encontrou as duas.

Dalila: – Amigas! Quantas saudades de vocês!

Elas se abraçam.

Juba: – Nós também estávamos com muitas saudades!

Caca: – Que bom que você veio!

As amigas se oferecem para ajudar a carregar as malas.

Juba: – Nós três vamos ser muito felizes aqui!

Caca: – Vamos ver quem encontra o melhor marido?

Elas riem.

As três caminham pelo aeroporto, cada uma puxando uma mala.

Congela.

CENA 20. CASA DE JOSÉ. SALA. INT

José conversava sozinho olhando para o porta-retratos.

José: – Eu não vou te esquecer  Thiago, mas também não posso parar a minha vida.

O seu novo amor chega para busca-lo.

José: – Eu já vou, estou me arrumando.

José sai de casa com um traje branco, e entra no carro com seu noivo.

O carro parte para a igreja.

Congela no carro.

CENA 21. IGREJA

A igreja estava lotada. Todos os funcionários da empresa se encontravam por lá, além de familiares e amigos.

Padre: – Eu os declaro, marido e mulher. Pode beijar a noiva.

Juliano ergue o fino véu de Gabriela. Os dois sorriem, e se beijam apaixonadamente. Todos da igreja comemoram com aplausos e assovios.

Na porta da igreja, os dois saem, e os amigos jogam grãos de arroz e pétalas de rosas. Os dois sobem em uma moto toda decorada de branco. Juliano assume a direção, e Gabriela vai atrás. Depois de, porem o capacete, os dois saem. Juliano começa a buzinar.

Os que ficam na igreja vão para o meio da rua, e acenam para os dois que estão indo para a lua de mel.

MÚSICA: Love is free – Luka. [toca até a última cena]

A cena congela em quase todos os personagens felizes, como se nunca tivessem conhecido a felicidade.

CENA 22. PASSAGEM DE TEMPO. DIA/NOITE

Os pássaros vão dormir, não há mais ninguém na praia e todos estão em casa acompanhando sua novela favorita.

CENA 23. ESCRITÓRIO DOS AUTORES. INT – NOITE

Os autores juntos escreviam a última cena, os dois emocionados e muito babões pelos filhotes que foram embora.

Matheus:- Que saco, já acabou!

Lincoln:- É né… Acabou essa, temos muita coisa ainda pra escrever.

Matheus:- Aí nossa! Que vê acha que é filosofo!

Lincoln ri e Matheus olha pro relógio.

Matheus:- Nossa cara já passa das quatro horas da matina.

Lincoln:- É realmente demorou pra ficar pronto, ficou muito longo.

Matheus:- Mas pelo resultado que deu valeu a pena.

Lincoln sorri e os dois batem as mãos em sinal do dever cumprido.

FIM

MALDITO VENENO – EPISÓDIO 09

WDWD

Cena 01. Alçapão

Um homem misterioso aparece atrás de Rodrigo.

Homem Mist.:- Você concluiu o plano? (indaga)

Rodrigo:- Sim… Está tudo feito, aquela mulher está morta.

Homem Misteriosa pega uma maleta, e entrega a Rodrigo.

Homem Mist:- Com isto daqui, você pode sumir por muito tempo. Agora vá! E esqueça que um dia me viu.

Rodrigo dá um leve sorriso e sai.

Cena 02. Delegacia

Na movimentada delegacia, o delegado estava trancado em sua sala, analisando quadro a quadro do sistema interno de câmeras da casa. Lucas aparece caminhando na sala.

Delegado: – Pera aí… Esse aqui é o Lucas! Será que é um fantasma?

O delegado volta à fita. Observa novamente.

Delegado: – Fantasma coisa nem uma, esse aqui é o meu neto, Lucas! Mas ele não tinha morrido?

O delegado fica apavorado.

Cena 03. Casa de João Mattos. Sala de star

Gabriela estava sentada na poltrona de seu pai, chorando de remorço.

Cena 04. Empresas Mattos. Recepção. Sala de Bianca:

Juliano vai até, a empresa da família de Gabriela.

Juliano:- A Bianca está ai?

Secretaria:- Sim, quer que eu anuncie o senhor?

Juliano:- Não preciso, eu vou entrando.

Juliano entra na sala de Bianca.

Empresas Mattos. Sala de Bianca:

Juliano:- Eu preciso falar com você, e é urgente!

Bianca fica ali parada em estado de choque.

Cena 05. Pracinha do Osório

Dalila era a única que estava passando pela praça. Ela passa por Marocas, mas não a enxerga completamente, vê apenas as pernas.

Dalila: – Meu Deus, um corpo!

Ela se aproxima, e vê que é Marocas.

Dalila: – Marocas!

Ela começa a sacudi-la.

Dalila: – Marocas, acorda Marocas! Tomou um porre, foi isso? Anda, acorda.

Ela não reage.

Dalila liga para uma ambulância.

Cena 06. Empresas Mattos. Sala de Bianca

Bianca:- Eu já te disse, que não é pra aparecer aqui!

Juliano vai entrando, até se sentar em uma cadeira.

Juliano:- Você sabe que nosso plano está saindo de controle e não tenho nada o que fazer,

Bianca:- Vire-se! Não fiz tudo o que fiz pra você estar assim agora. Eu quero que Gabriela, seja feliz, vingada! Por isso trouxe ela de volta ao Brasil!

Juliano:-  Eu sei,mas…

É interrompida por Bianca.

Bianca:- Mas, nada! Agora saia daqui!

Juliano se levanta, com cara de raiva.

Cena 07. Capela: 

Todos vestiam trajes escuros. O preto dominava na capela. Praticamente, o bairro inteira estava presente no velório de Marocas. Muitos choravam discretamente.

Dalila alisava seu corpo no caixão.

Dalila: – Amiga… Vou sentir tantas saudades!

Outras pessoas se aproximam do corpo, e fazem o mesmo.

O clima era de tristeza total. O caixão é levado ao cemitério. Os funcionários da funerária põe o caixão dentro da cova. Muitas rosas são jogadas sobre ele.

Juba – Você vai deixar saudades!

Cena 08. Vários…: Gabriela estava se recuperando pouco á pouco. Juliano e Gabriela começaram a namorar firme, Bianca, fica feliz com isso. O delegado está desvendando algumas coisas sobre o assassinato de João Mattos. José e Thiago preparam uma viagem. Dona Cacá, Juba e Dalalila se tornaram grandes amigas…. Algumas semanas depois…

Cena 09. Delegacia

Uma nova investigara, chega pra ajudar no caso.

Escrivão:- Chefe, a investigadora que veio te ajudar está ai!

Roger olha desprezadamente.

Roger:- Mande-a entrar.

Ela entra Roger fica olhando para as coxas da investigadora.

Investigadora:- Prazer, Ingrid!

Roger:- Prazer! Você veio para ajudar no caso do João Mattos, não?

Investigadora:- Sim…

Roger:- Eu já sei quem é, mas ainda não o localizei.

Cena 10. Bar de Juba

Juba estava atendendo no balcão do bar, e Cory atendia as mesas.

Cory: – Os dois pastéis de carne!

Juba: – Estão aqui!

O movimento era grande. Um homem bem vestido chega, e vai direto para o balcão.

Juba: – Oi, pra você?

Homem: – Você é a proprietária do estabelecimento?

Juba: – Sou sim, por quê?

Cory observava tudo de longe.

Homem: – Eu tenho uma proposta pra te fazer.

Ele tira os óculos escuros.

Juba: – Proposta? Que tipo de proposta?

Homem: – Você não quer me vender o bar?

Cory chega.

Cory: – Quem é você?

Juba: – Cory vai atender os clientes, e me deixe aqui com o moço, vai.

Cory olha torto para o homem.

Juba: – Vender o bar? Bem, eu nunca tinha pensado nisso.

Homem: – Tudo tem sua primeira vez.

Juba: – Eu vou pensar.

Cena 11. Delegacia

Ingrid vê uma foto de Lucas.

Ingrid:- Você tem uma foto dele?

Roger:- Sim.. Aqui está!

Roger dá uma foto do assassino á Ingrid e ela fica chocada ao ver a foto.

Ingrid:- Eu conheço ele. Ele mora em um hotel perto da casa da minha vó!

Roger:- Me passa o endereço desse hotel.

A conversa ganha cena.

Cena 12. Casa de Thiago e José. Garagem

João e Thiago colocavam as malas no carro.

João: – Eu estou tão feliz com a nossa viajem!

Thiago: – E eu? Adoooro viajar!

João: – Ainda mais com quem a gente ama!

Thiago: – Para bobo! Vem, vamos entrar no carro.

Os dois entram no veículo, e Thiago dirige.

Thiago: – Vai ser uma viagem maravilhoso amor!

João põe sua mão sobre a de Thiago.

João: – Vai sim!

Cena 13. Hotel. Quarto de Lucas

Os policias invadem o hotel, o porteiro estranha. Eles sobem até o quarto de Lucas.

Policial:- Perdeu meliante! (derrubando a porta)

MALDITO VENENO – EPISÓDIO 08

WDWD

Cena 01. Hotel. Quarto de Amélia e Lucas. Int: 

A porta do quarto estava encostada. Com o vento que entrava pela varanda, ela se abre por completa. Neste momento, um funcionário do hotel vê o corpo de Amélia caído no chão, com sangramento no peito. Ele leva um susto, e fica com medo de entrar no quarto.

Funcionário: – Meu Deus, um corpo!

Ele toma coragem e entra.

Funcionário: – Meu Deus!

Ele chama o gerente. Minutos depois, o regente chega.

Gerente: – O que é isso?

Funcionário: – Eu estava passando nos quartos, e a porta deste se abriu e eu vi o corpo lá dentro! Vamos fazer o que?

Gerente:- Eu acho melhor, não comunicarmos ninguém. Isso poderá acarretar problemas ao hotel.

Funcionário: – Então o que vamos fazer?

Gerente: – Enterrar o corpo.

Os dois se olham intrigados.

Cena 02. Cinema. Ext

Gabriela e Juliano saíram da Sala São Paulo, e foram ao cinema.

Gabriela:- Valeu á pena, ter saído daquela chatice.

Juliano:- Muito á pena, o filme estava demais.

Gabriela:- Pena que acabou…

Juliano:- Eu posso fazer esse encontro ficar mais longo.

Gabriela:- Como?

Gabriela estranha a afirmação de Juliano, que cada vez chegava mais perto.

Juliano beija Gabriela.

Cena 03. Casa de João Mattos. Escritório. Int:

João estava caído de bruços. A empregada o procura para pedir uma informação.

Empregada: – João, onde está o senhor?

Ela a procura e não o encontra. Resolve ir para o escritório.

Empregada: – Ele só pode estar aqui então.

Ela enxerga o corpo de João ensanguentado no chão do escritório.

Empregada: – Meu Deus, João! João!

Ela o sacode e ele não reage.

A empregada vai até o telefone e liga para a polícia.

Cena 04. Rua

A noite estava escura,  não havia mais ninguém na rua devido ao adianto da hora. Lucas estava caminhando sozinho por ela, com cara de quem não fez coisa certa.

Cena 05. Casa de Thiago e José. Quarto de José e Thiago. Int:

José: – Meu amor, o que você acha de a gente fazer uma viagem?

Thiago: – Uma viagem? Mas pra onde?

José: – Não sei, podemos pensar em um roteiro!

Thiago: – Eu topo!

José: – Na verdade, já escolhi um lugar.

Thiago: – Pra onde?

 José: – Para aquela cidadezinha, Xerém.

Thiago: – Ótimo! Vamos fazer as malas!

Eles dão um abraço.

Cena 06. Casa de João Mattos. Entrada

Gabriela chega em casa e vê que está totalmente cercada de policias

Gabriela:- O que esta acontecendo, aqui?

Um policial e vira diz:

Policial:- Um homem foi encontrado morto nesta casa, por uma denuncia anônima.

Gabriela:- (Se choca) Como ele se chama?

Policial:- João Matos.

Gabriela fica paralisada.

Policial:- Tudo bem, senhora?

Gabriela:- Eu quero entrar, sou filha deste homem.

Gabriela entra na casa, lacrimejando.

Cena 07. Casa de João Mattos. Sala/Escritório. Int

Ela até o escritório, e se choca quando vê seu pai morto.

Gabriela:- Pai! (chora/desesperada)

Cena 07. Casa de João Mattos. Escritório. Int:

A mansão estava cheia de policiais. Peritos estavam tirando fotos do corpo, e da casa.

Policial: – O que é isso aqui? É um horoscopo chinês!

Gabriela chorava muito no sofá.

Gabriela: – Apesar de você não gostar de mim, eu te amava, pai.

Policial: – Precisamos investigar isso.

Cena 08. Hotel. Quarto de Amélia:

Lucas chega ao hotel, e vê que as roupas de Amélia não estão lá…

Lucas:- Para onde, será que ela foi?

Uma faxineira que passava pelo local, respondeu a Lucas.

Faxineira:- Aquela senhora já se foi. Ela saiu daqui á alguma hora atrás.

Lucas:- Não disse pra onde ia nada?

Faxineira:- Ela apenas falou que se o senhor voltasse que era pro senhor sair da cidade.

Lucas fica paralisado.

Cena 09. Delegacia

O delegado lia os depoimentos, mais uma vez para tentar entender o que aconteceu.

Roger:- É parece que esse assassino sabe mesmo, o que estava fazendo.

Ele analisava cada detalhe… Mas não encontrava nada.

Cena 10. Alçapão: Rodrigo chega no alçapão e joga a arma fora. Sua.

Rodrigo estava em direção a uma floresta. Uma névoa cobria as árvores.

Rodrigo: – Eu preciso me livrar dessa arma.

2014 – ADNTV

 

MALDITO VENENO – EPISÓDIO 07

WDWD

Cena 01. Casa de João Mattos. Escritório. Int:

João, liga para um comparsa seu ‘Rodrigo’ e combina com ele a morte de Amélia. Que ouvia tudo, escondida atrás da cortina. Ela sai de vagar para ninguém a percebe-lá.

Amélia:- Preciso, falar com Lucas urgente!

Assim, que chega à parte externa da casa Amélia  pega seu celular e começa á ligar pra Lucas que não atende.

Cena 02. Loja de Armas:

Rodrigo chega a uma loja ilegal de armamentos. Um sujeito medonho estava no balcão.

Rodrigo: – E aí cara, me diz o que você tem pra pronta entrega, que seja rápida, e eficiente?

Suj. Medonho: – Opa… Só um minutinho.

Ele vai para trás de uma cortina.  E volta com uma caixa.

Rodrigo: – O que tem aí?

Suj. Medonho: – Tudo o que você precisa.

Ele abre a caixa, e nela se encontram três revolveres.

Rodrigo: – Me passa o melhor!

Suj. Medonho: – Está aqui. Apenas um tiro certeiro, e já era!

Rodrigo: – Essa arma caiu do céu!

Suj. Medonho: – Então, vai levar?

Rodrigo: – Pode embrulhar!

Cena 03. Cemitério

Todo bairro chorava, pela dor que sentia por perder um morador tão querido como seu Bené. Dona Marocas estava inconsolável.

Dalila:- Calma, agora ele pode estar em lugar melhor.

Marocas:- Não sei como vou sobreviver sem ele! (aos prantos)

O enterro foi melancólico, Marocas, jogou a primeira terra sobre o caixão e assim fizeram as demais pessoas do bairro.

Cena 04. Casa de João Mattos. Sala de Star. Int:

Gabriela chega na mansão. João estava em seu escritório. Gabriela chega ao escrituro, abre a porta e entra.

João estava ao telefone, e leva um susto ao ver Gabriela parada em sua frente com os braços cruzados.

João ao telefone:

Eh, daqui a cinco minutos eu ligo, até mais.

João aborrecido: – O que significa isso? A porta estava fechada.

Gabriela: – Eu passei, e resolvi entrar!

João: – O que você quer agora?

Gabriela: – Eu já encontrei um apartamento pra mim morar.

João: – Você só pode estar de brincadeira, só pode!

Gabriela: – Não estou brincando. Em breve, estarei fazendo as mudanças.

Ela vira as costas, e sai de casa.

João: – Essa garota é mesmo uma impulsiva!

Cena 05. Rua:

Após pegar uma distancia segura da mansão, Amélia finalmente consegue falar com Lucas.

Amélia:- (Ao. Tel) Lucas toma com qualquer um que entrar no hotel. É perigoso, o João está atrás de mim.

Lucas:- (Voice Over) Eu te avisei, pra tomar cuidado!

Amélia:- Agora, já é tarde demais!

Cena 06. Hotel. Quarto de Amélia. Int:

Lucas estava em direção à varanda do quarto. Uma leve brisa balançava cortina.

Lucas olhando para o além:

Lucas: – Eu estou chegando perto. Muito próximo. Todos me aguardem! Minha grande virada está prestes a acontecer.

Cena 07. Anoitece

Cena 08. Praçinha do Osório:

As crianças que brincavam na pracinha iam para suas casas, pois um temporal ameaçava desabar. Marocas estava sentada em um banco qualquer da praça.

Marocas: – Eu estou tão sozinha…

A chuva começa a cair.

Marocas olha para o céu e diz chorando:

– Por que meu Deus! Por quê?

As pessoas que moravam próximas à praça, a observavam na chuva.

Marocas começa a passar mal. Tudo gira em sua cabeça. Ela cai de costas no chão, e diz com fraqueza:

Marocas: – O que… O que está acontecendo comigo?

Ela morre de infarto fulminante.

O temporal toma conta da cena.

Cena 09. Casa de João Mattos. Escritório. Int:

Gabriela não estava em casa, João estava lendo um de seus livros.

Um homem é visto entrando na sala, João, ouve o barulho, mas pensa que é um animal. O homem vem chegando com passos lentos, tão lentos que nem dá para perceber.

O homem fica atrás de João, que posteriormente vira.

João Mattos:- Você?

O homem atira em João Mattos.

Cena 10. Sala São Paulo. Int

Gabriela caminha ia em direção à saída do teatro. Ela esbarra com Juliano, e derruba sua bolsa.

Gabriela: – Ai, me esculpe! Peraí, a gente se conhece!

Juliano: – Claro que sim, te dei carona aquele dia!

Gabriela: -É mesmo! Como esse mundo é pequeno!

Juliano: – Como! Desculpe por ter derrubado sua bolsa.

Gabriela: – Vai ficar muito clichê se a gente se abaixar junto?

Eles dão uma leve risada.

Juliano se abaixa, e pega a bolsa, entregando-a para Gabriela.

Gabriela: – Obrigada!

Juliano: – Então, vocês gosta de teatros?

Gabriela: – Claro, eu adoro teatros!

Os dois saem conversando.

Cena 11. Hotel. Quarto de Amélia e Lucas. Int

Amélia chegou no hotel.

Amélia:- Lucas?…. Lucass?…. Cadê você traste?

O silencio continua.

Amélia:- Ah aquele paspalho deve ter fugido!

Ela começa a arrumar suas malas. Quando termina e se vira para porta, percebe que Rodrigo está lá apontando uma arma para sua cabeça.

Amélia:- Tenha piedade!

Rodrigo:- Piedade? Ham! Nem do meu pai; Chegou sua hora, qual é sua última palavra?

Amélia:- Não fa…

Rodrigo atira.

MALDITO VENENO – EPISÓDIO 05

WDWD

CENA 1. FRENTE DA EMPRESA SORVETES MATTOS E CIA . INT:

Gabriela perde sua mãe de vista, após correr atrás dela.

Gabriela:- Mãe!(grita)

CENA 2. BAR DE JUREMA:

A Confusão continuava; Thiago chega lá, pra pegar sua mãe.

Thiago:- Mãe!

Dona Cacá:- Meu filho há quanto tempo!

Thiago:- Vamos embora, não arrume confusão. Você mal chegou aqui!

CENA 3. CASA DE THIAGO. SALA:

Os dois chegam em casa… Em cima do sofá havia roupas sujas, e no chão latas de refrigerante. Em cima das estantes, o pó cobria a madeira rústica.

Dona Cacá: – Vem cá, há quanto tempo essa casa não vê uma vassoura, ou um pano úmido?

Thiago: – Mãe, eu faço o que eu posso.

Cacá: – Não faz não, pode fazer muito mais! Você precisa de uma namorada, pra te dar um jeito na vida. Uma namorada.

Thiago deixa cair no chão um copo de vidro.

Thiago: – Uma namorada?

Cacá: – Olha aí Thiago, você derrubou o copo! Sim, uma namorada por que, algum problema?

Thiago: – Problema? Nem um, nem um…

Cacá: – Então deixa de papo vamos arrumar essa casa, parece que ela presenciou a segunda guerra mundial!

Eles riem.

CENA 4. RUA

Amélia estava cansada de tanto correr.

Amélia:- Tô ferrada!

CENA 5. CARRO DE GABRIELA. INT

 Gabriela fica pensando sobre ter visto sua mãe.

Gabriela entra em seu carro. Olha a hora no celular.

Gabriela: – Será que eu enxerguei bem? Será mesmo que eu vi a minha mãe!

Fica pensando.

Gabriela fica um pouco assustada.

Gabriela: – Eu não sei, eu precioso descansar!

CENA 6. TAXÍ. INT

O motorista de Taxi vai atrás de Amélia, nas ordens de Lucas.

Lucas:- Ela deve estar por aqui.

Motorista:- Não é, aquela ali?

Lucas:- Sim, vá até lá.

CENA 7. CASA DE JOÃO MATTOS. QUARTO DE GABRIELA. INT:

Gabriela chega transtornada em casa. Larga sua bolsa em cima da cama.

Gabriela: – E o Lucas? Por onde será que ele anda? Eu precioso o encontrar, mas como? Não sei com está, sem nem uma pista!
João entra no quarto sem bater.

Gabriela: – Vem cá, a porta ficou invisível e eu não sabia?

João: – Passei e resolvi entrar.

Gabriela: – Ah, que legal!  O que você quer?

João: – Eu acho que ouvi você falar no Lucas?

Gabriela: – Sim, por que? Qual o problema? Vai me proibi-lo de ver ainda?

João: – Nem se eu quisesse.

Gabriela: – Como assim?

João: – O Lucas está morto.

Gabriela fica chocada.

Gabriela: – Morto? E você me diz isso assim, com essa cara de normalidade?

João: – Fazer o que, é a vida. Bom, eu vou deixa-la sozinha. Tchau.

João sai do quarto e fecha a porta.

Gabriela: – Morto?

CENA 7. CASA DE JOÃO MATTOS. QUARTO DE GABRIELA. INT:

Gabriela estava em sua cama triste.

Gabriela:- Não, não pode ser verdade!

CENA 8. CÍMETERIO JOÃO NEPULCENO. ETX:

Lucas e Amélia estavam dentro taxí, debochando de João Mattos por ser idiota e cair como um pato na armadilha deles.

Amélia: – Ai ai, as vezes eu fico pensando… Como ele foi ser tão bobo?

Lucas: – Não sei, também não consigo acreditar.

Amélia: – Ele deve pensar que agora a empresa é só dele… Mas ele que me aguarde.

Lucas: – Você vai ressurgir das cinzas! Quero só ver a cara de susto daquele cara.

Amélia: – Calma Lucas… Tudo tem tempo!

CENA 9. HOSPITAL. RECPEÇÃO:

Gabriela vai até o hospital, que a mãe de Lucas trabalhava.

Secretária:- Olá, posso ajudar?

Gabriela:- Poderia, me ceder uma informação, sobre Lucas Pacheco?

 CENA 10. CORTIÇO DO MÁMÉ. HOTEL:

Amélia e Lucas se hospedam no hotel de 5º categoria.

Amélia: Vocês tem um quarto vago?(indaga)

Recepcionista:- Sim, o quarto de 19.

Amélia:- Eu vou querer,  por favor camas separadas.

Recepcionista:- Ok!

CENA 11. HOTEL. APART DE LUCAS E AMÉLIA

Eles chegam no quarto. O mordomo coloca as malas posicionadas em frente as camas. Ele olha para Amélia.

Amélia: – O que foi?

Mordomo: – Teria uma gorjeta?

Amélia: – Lucas!

Lucas lhe da cinco reias.

O mordomo faz uma cara de insatisfeito, e sai.

Amélia: – Que lugarzinho, em.

Lucas: – Enquanto o João está naquela mansão, nós estamos aqui nesse muquifo 

Amélia: – Mas isso tudo vai mudar, é só esperar. E minha vingança está cada vez mais perto. E quando isso acontecer, João Mattos cairá do cavalo.

CENA 12. CEMITÉRIO. ENTRADA:

 Gabriela é recebida na entrada por um homem medonho.

 Homem Medonho:- O que a senhora quer aqui?!

 Gabriela:- O senhor pode, me ajudar a encontrar o tumulo de Lucas Pacheco?

CENA 13. PRACINHA DO ÓSORIO.

Na pracinha, a brincadeira rolava solta. Meninos jogavam futebol, meninas pulavam corda.

Um deles grita:

Menino: – Ei, chuta a bola aqui!

O outro estava com a bola do outro lado do campo. Ele larga a bola no chão a toma uma pequena distância. Ele chita com força.

Menino: – Passou longe em!

Bené leva um susto coma  bola.

Bené:  -Mas o que é isso aqui? Quem foi que chutou essa porcaria na minha estuva? (fala com raiva).

As crianças saíram correndo.

Bené: – Sabe o que eu vou fazer, vou é furar essa bola!

Ele pega uma faca, e a fura.

Os garotos observam de longe.

Garotos: – I… Agora ficamos sem bola!

Menino: – Cara, ele está muito nervoso!

Menino: – É mesmo, parecer até que vai enfartar!

CENA 14. PADARIA SEU BENÉ. INT:

Seu Béné sofre um infarto.

Seu Bené:- O que está acontecendo comigo?

MALDITO VENENO – EPISÓDIO 02

WDWD

 

CENA 1. CASA DE JOÃO MATTOS. SOLTAM. NOITE

Lucas:- Eu quero tranzar com você.

Gabriela:- É muito cedo pra isso, não estou preparada.

Lucas:- É agora ou nunca! Seu pai, nunca mais deixará a gente se ver…

Gabriela vai para um canto, sozinha pensa um pouco e topa.

Lucas:- Meu amor não fica assim.

Lucas beija o ombro de Gabriela, tirando seu vestido… 

CENA 2. CASA DE JOÃO MATTOS. DÉC DA PISCINA. NOITE

Todos estavam ansiosos para a dança.

Gabriela:- Gente, chegou a hora da dança!

José:- Venha minha princesa, vamos para a pista.

Gabriela vai, e da sua mão a ele.

As luzes se apagam. A música de valsa começa a tocar, e apenas um holofote de luz foca neles. Gabriela dançando, mas no seu pensamento quem dançava com ela era Lucas. Escorrem lágrimas de seus olhos. Lucas observa tudo de longe.

Lucas:- Eu era quem deveria estra dançando com ela.

As luzes tornam a acender, e todos aplaudem. Seus amigos gritavam:

Amigos:- Parabéns, isso aí Gabi!

A comemoração toma conta da cena.

CENA 3. CASA DE JOÃO MATTOS. COZINHA. DIA

Gabriela tomava seu café da manha, para ir á escola.

Gabriela:- Pai, vou me arrumar e já desço.

João:- Ok!

Gabriela levanta, mas não se sente bem e desmaia.

CENA 4. HOSPITAL. DIA

Gabriela e seu pai chegam ao hospital. O atendimento é rápido.

Médico:- Por favor, sentem-se. A notícia que eu vou lhes dar, é muito desagradável.

Gabriela: -Fala logo doutor, estou muito nervosa.

João:- O que ela tem?

Médico:- Gabriela, você andou tendo relações sexuais sem as devidas proteções?

Gabriela:- Eu? Não estou lembrando de nada.

João:- Gabriela, você tem certeza?

Gabriela pensa um pouco, e ela lembra da sua relação com Lucas.

Gabriela:- Sim, eu tive! Mas isso foi há meses atrás.

Médico:- Gabriela, você está com HIV.

João e Gabriela ficam em estado de choque.

João:- Como é que é?

CENA 5. PADARIA DE SEU BENÉ. DIA:

Seu Bené e Marocas estavam se beijando dentro da padaria, as ‘fofoqueiras’, Juba e Dalila reclamavam de tudo em voz alta.

Juba: – Esses dois não tem vergonha na cara mesmo.

Dalila:- Na cara, e nem no resto né amiga! Olha só pra eles!

Juba:- O que essa Marocas tem, que eu não tenho?

Dalila:- E eu? Sou tão inferior assim?

Juba:- Eu não sei mais o que fazer, o seu Bené não tem olhos pra mim.

Dalila:- Só pra essa… Piriguete de quinta!

Marocas e Bené continuavam sem dar ouvidos as duas.

CENA 6. CASA DE JOÃO MATTOS. SALA. DIA: 

João estava descontrolado.

João:- Você é uma trouxa mesmo! Eu te avisei pra tomar cuidado com aquele garoto!

Gabriela estava chorando, desesperada.

João:- Agora você está ai, triste sem sabe o que fazer… Mas eu te digo o que fazer! Você vai estudar fora do Brasil. (grita)

Gabriela:- Não, pai! Não! (desesperada)

João:- Suba e arrume suas coisas.

João sai, e deixa Gabriela chorando no chão.

CENA 7. CASA DE JOÃO MATTOS. QUARTO DE GABRIELA. DIA

Gabriela chorava muito.

Gabriela:- Meu próprio pai, me mandando pra longe, quando eu mais preciso dele. Que saudades mãezinha, que saudades que eu tenho de você.

Em meio às roupas, Gabriela acha uma fotografia de Amélia.

Gabriela:- Você cuida mais de mim aí do céu, do que meu pai aqui da terra. Eu te amarei eternamente, mamãe.

Uma lágrima escorre e pinga sore a antiga fotografia. Gabriela aperta forte a foto sobre seu peito.

CENA 8. AEROPORTO INTERNACIONAL: 

Gabriela foi levada até um heliporto de sua família, por empregados de seu pai. Ela chorava muito.

João estava acompanhando tudo de longe.

CENA 9. PRACINHA DO ÓSORIO. INT. NOITE: 

Todos os moradores estavam ansiosos para a chegada da meia-noite.

Juba:- Gente, vamos a contagem regressiva!

Todos gritavam juntos:

Dez… Nove… Oito… Sete… Seis… Cinco… Quatro… Três… Dois… UM!

Todos gritaram: Feliz ano novo!

Muitos fogos de artifício foram acesos, e todos estouravam estrondosos no céu.

24 anos depois…

CENA 10. CASA DE JOÃO MATTOS. BIBLIOTECA/ESCRITORIO. DIA. INT

João estava debilitado com a saúde muito frágil, o telefone toca… Ele atente é: Gabriela! Avisando que está voltando.

João:- Gertrudes! Pegue o telefone, já! (ranheta)

Gertrudes:- Está aqui, patrão…

Ela sai.

João:- Alo!? (ao.tel)

Gabriela:- Papai, estou de volta…

CENAS DO PRÓXIMO
EPISÓDIO

FRENTE DA CASA DE JOÃO MATTOS. EXT: Gabriela agradece Juliano, e desce do carro.
CASA DE JOÃO MATTOS.SALA. INT: Gabriela entra e fica cara a cara, com João de cadeira de rodas. 

2014 – ADNTV

MALDITO VENENO – EPISÓDIO 01

WDWD

1985

CENA 01. MANSÃO DA FAMILIA MATTOS. ESCADA. INT/DIA

João Mattos e Amélia Mattos estão tendo uma grave discução, a filha do casal de apenas 10 anos ouve tudo de seu quarto.

João :- O controle das empresas nunca voltará a ser seu, você não tem mais condições mentais para isto. (grita)

Amélia:- Eu estou ótima! Você está sendo um babaca…

Neste momento Gabriela, a filha deles sai de seu quarto correndo gritando a mãe. Amélia olha pra ela, mas ela estava no primeiro degrau da escada e seu pé estava pra fora.

Gabriela:- Mãe!(desesperada)

João olha com expressão de satisfeito.

CENA 02. CIMITÉRIO. JASIGO DA FAMILIA MATTOS. INT/DIA

O caixão já estava para ser fechado quando a pequena Gabriela joga uma flor sobre ele.

CENA 03. CASA DA FAMILIA MATTOS. SALA. INT/DIA

Cinco  anos  se  passam…

João estava em sua poltrona, lendo tranquilamente um dos clássicos de Machado de Assis. Quando Gabriela desce correndo da escada.

Obs não incluso no cap: Gabriela chegava à flor da idade, neste dia ela estava completando 15 anos. Se tornando uma adolescente, triste e solitária.

João:- Aonde você, pensa que vai mocinha? (indaga)

Gabriela:- Ir lá pra fora, respirar um pouco de ar puro já que nesta casa é quase impossível. (seca)

João:- Você está assim, só porque eu te proibi de ver aquele seu “namoradinho”? Dá, licença em Gabriela!

Gabriela fica com raiva, com vontade de chorar e vai pra fora.

CENA 04. PRACINHA DO ÓSORIO. INT/DIA

Dona Juba estava eufórica, com a festa de final de ano que irá acontecer daqui algumas semanas.

Seu Bené o velho sovina da padaria, estava indo até o lixo pegar os copos descartáveis que ele irá usar.

As crianças estavam se divertindo á toa, brigando de bola de gude, futebol, betz e etc…

A única pessoa que não estava feliz ali era, Elza, pois seu marido havia morrido.

CENA 05. CASA DE JOÃO MATTOS. JARDIM. INT/DIA

A festa de Gabriela estava sendo preparada no jardim. Gabriela passou chorando… e a empregada amiga: Bianca que também tinha 15 anos, foi dar um consolo a sua amiga.

CENA 06. CASA DE JOÃO MATTOS. DÉC DA PISCINA. INT/DIA

Bianca:- Calma amiga, seu pai um dia vai deixar vocês namorarem.

Gabriela:- Nunca, ele é pobre! Meu pai, não suporta pobre. Ele não quer que eu case com uma pessoa dessas, ele tem vergonha. (chorando)

Bianca:- Eu tenho uma boa noticia, pra você. Ele vai trabalhar de garçom aqui na festa, seu pai não pode saber de nada!

Gabriela:- Como você, sabe disto!?

Bianca:- Eu moro no mesmo bairro, que ele esqueceu? Ele já trabalhava nesse bife, há algum tempo já.

Gabriela:- Aí amiga, tomara que o Lucas venha mesmo! (feliz)

CENA 07. TÚNEL REBOUÇAS. INT/DIA

Lucas dirigia, em alta velocidade seu carro.

 

CENA 08. QUITANDA DE DONA JUBA. OSÓRIO. INT/DIA

O movimento estava grande, na quintanda.

Cory, o filho de Juba e também atente de mesas, estava á mil. Juba e Dalila fofocavam sobre dona Marocas a piriquete da 3º idade do bairro,

Cory:- Hoje o movimento, está grande!

Juba:- Graças á Deus!

Dalila:- Menina, você viu quem a Marocas pegou agora?(Indaga)

Juba:- Quem o seu Bené? (ela ri)

Dalila:- Dizem que os dois estão se pegando até em lugar público.

Juba:- Ai, ai isso é que vida!

CENA 09. CASA DE JOÃO MATTOS. DÉC DA PISCINA. INT/NOITE

A noite chega, e os convidados da festa também. Os amigos de Gabriela se divertiam na piscina enquanto, João, só pensava em negócios.

A festa dela estava acontecendo normamente, como toda festa de 15 anos,  quando Lucas faz um sinal pra Gabriela ir até o soltam.

CENA 10. CASA DE JOÃO MATTOS. SOLTAM. INT/NOITE

Gabriela e Lucas chegam no soltam.

Gabriela:- Eu estava com muita saudade, meu amor! 

Lucas:- Eu também, estava. Mas nós temos que ser rápidos…

Gabriela abraça Lucas, mas logo solta porque estava preocupada e vai direto para uma janelinha que dá á toda visão da festa.

Gabriela:- Rápidos? (não entende, se-volta para ele) Como assim?

Lucas:- Eu quero tranzar com você.

 CENAS DO PRÓXIMO 
    EPISÓDIO

CASA DE JOÃO MATTOS. SALA. DIA: Alguns meses se passam e Gabriela percebe que não está bem.

HOSPITAL. DIA: Ela é diagnosticada com uma doença gravíssima. 

2014 – ADNTV