Linha de Sangue – Último Capítulo

linhadesanguelogopro

UMA NOVELA DE YURI NEVES

228 - Cópia - Cópia (6)

 

 

LINHA DE SANGUE – CAPÍTULO 40

CENA 01. SEDE DA MUJER. SALA DE REUNIÃO. INTERIOR. DIA:

Todos encaram o Victor, apreensivos.

GAEL – Diga logo.

VICTOR – Eu gosto de deixar minha plateia curiosa, mas vamos aos fatos.

Ele senta na cabeceira da mesa e encara os presentes.

FLASHBACK 01. CASA DA ELVIRA. SALA. INTERIOR. DIA:

Elvira está sentada no sofá conversando com alguém que CAM não mostra quem é, porém percebe-se que o alguém é uma mulher.

ELVIRA – Estou tão preocupada com a Lúcia, as notas dela não estão boas e eu não sei o que fazer.

O alguém a responde em off.

ELVIRA – É mesmo, você está certa. O melhor a fazer é conversar com ela e ver o que anda acontecendo.

O alguém faz que sim com a cabeça. Barulho de chaleira. Elvira levanta, mas o alguém segura sua mão e levanta.

ELVIRA – Agradecida.

O alguém levanta e entra na cozinha.

CENA 02. SEDE DA MUJER. SALA DE REUNIÃO. INTERIOR. DIA:

Todos prestando a atenção no Victor.

LÚCIA – Quem é essa pessoa?

VICTOR – Plateia chaaaaata. Continuemos.

Ele sorri e todos o encaram.

FLASHBACK 02. CASA DA ELVIRA. COZINHA. INTERIOR. DIA:

O alguém tira a chaleira do fogo. O alguém tira do bolso um frasco com um pó branco e o despeja na água quente.

FLASHBACK 03. CASA DA ELVIRA. SALA. INTERIOR. DIA:

O alguém já sentado serve as xícaras. Elvira pega a sua e mexe no saquinho de chá. O alguém faz o mesmo.

ELVIRA – Como anda sua vida? (pausa) O amor.

O alguém fala em off.

ELVIRA – Tenho certeza que ele vai prestar atenção em ti… um dia.

Elvira bebe o chá e o alguém finge beber.

ELVIRA – (pausadamente) Delicioso.

O alguém concorda com a cabeça.

CENA 03. SEDE DA MUJER. SALA DE REUNIÃO. INTERIOR. DIA:

Victor levanta e se serve de uísque.

LÚCIA – Não enrole mais Victor.

VICTOR – Não vou… o mistério está encerrado… quem matou a Elvira foi a minha querida esposa, Bianca.

LÚCIA – O que?

LAURA – Foi essa que a Marilda matou?

GAEL – Exato.

LÚCIA – Mas porque ela fez isso?

VICTOR – Não é obvio? Ela sempre foi apaixonada por mim e queria a Marilda fora da cidade e matando a Elvira, a Marilda teria o que ela queria: dinheiro.

LÚCIA – Você sempre soube disso?

VICTOR – Não… eu só fui saber quando ela morreu. Eu realmente achava que tinha sido a Marilda, mas a minha esposa me deixou um pequeno testamento.

LAURA – E o que dizia nesse testamento?

VICTOR – Poucas palavaras. Ela dizia que a casa seria minha quando ela morresse, que queria ser cremada e que tinha matado a Elvira.

LÚCIA – E mesmo assim você acusou a Marilda de ter matado a Elvira na minha festa.

VICTOR – Eu achei que já estava na hora de você saber a verdade. Alias, de nada.

GAEL – Eu não esperava por isso.

LAURA – E nem eu.

VICTOR – É só isso? Então eu já vou indo.

LÚCIA – Espera! Quem é o infiltrado?

VICTOR – Muitas revelações pra um dia só.

Ele sai. Laura, Lúcia e Gael se entreolham assustados.

CENA 04. STOCK-SHOTS. EXTERIOR. DIAS-NOITES:

Dias e noites se passando. Pessoas e carros passando pelas ruas de São Paulo, sempre movimentadas.

CENA 05. PENSÃO DA DALVA. SALA. INTERIOR. DIA:

LEGENDA: DIAS DEPOIS…

Imaculada está tricotando e Ivan está ao seu lado.

IVAN – Será que podemos conversar?

IMACULADA – É claro.

IVAN – Eu quero ficar aqui, voltar a morar aqui… a pensão é sua, não é isso que eu quero. Eu só quero morrer no lugar em que conheci a Dalva,

IMACULADA – E você ainda pergunta? É claro que pode. Nós tivemos problemas, eu disse muita coisa que não deveria… eu só não queria perdê-la.

IVAN – Nem eu… e você não disse nada além da verdade e eu agradeço por me mostrar o quanto eu estava errado.

IMACULADA – Não precisa agradecer.

Eles se abraçam e cena congela.

CENA 06. APARTAMENTO. SALA DE ESTAR. INTERIOR. DIA:

LEGENDA: PARIS

Leandro e Juliano estão sentados no sofá. O primeiro mexendo no notebook e o segundo desenhando.

JULIANO – Acabei.

Ele mostra o desenho ao Leandro.

LEANDRO – Eu sou lindo até em desenho.

CAM mostra o desenho que é o Leandro.

JULIANO – Eu também quero ser seu modelo.

LEANDRO – Então eu te fotografar.

Eles levantam. Juliano faz poses e o Leandro tira as fotos.

LEANDRO – Eu te amo.

JULIANO – Eu é que te amo.

Eles sorriem e se beijam. Cena congela.

CENA 07. PRESIDIO FEDERAL. CORREDOR. INTERIOR. DIA:

Um guarda entra no corredor carregando uma bandeja com comida. Ele se abaixa e abre  a porta e entrega um prato a Marilda que tira uma faca de plástico do bolso e o corta.

Ela sai correndo.

CENA 08. PRESIDIO FEDERAL. CORREDOR. INTERIOR. DIA:

Marilda entra no corredor correndo e é surpreendida por dois policiais que miram o revólver nela.

MARILDA – (ofegante) Eu só quero voltar pra minha cela… por favor, me tira daquele inferno.

Eles não respondem. Um homem de jaleco surge em meio a esses policiais e se aproxima dela.

MARILDA – Quem é você?

HOMEM – Eu sou o médico da prisão e vou te ajudar.

MARILDA – Obrigada, obrigada.

Ele sorri e tira uma siringa do jaleco e aplica no pescoço dela. Ela cai nas mãos dele e ele beija a testa dela.

HOMEM – Tudo vai melhorar querida.

FADE OUT.

CENA 09. RUA. EXTERIOR. DIA:
FADE IN. Andréia está em frente a uma boate. Ela pega o celular e faz uma ligação.

ANDRÉIA – É o lugar perfeito G! Só precisa de uma reforma, mas a boate Hilda Furacão vai nascer querido.

Ela desliga e encara o local.

CENA 10. MANSÃO DUARTE DOS SANTOS. FRENTE. EXTERIOR. DIA:
Laura bota uma caixa de correio no gramado frente a casa e nela está escrito DUARTE DOS SANTOS. Ela se vira e vê o Gael, se aproxima dele. PLANO DETALHE: uma outra caixa de correio está no chão e nela está escrito CAMPOS MELO.

LAURA – agora a casa é finalmente nossa. E não tem mais nenhum vestigio de Campos Melo nela… e a boate?

GAEL – A Andréia adorou o lugar.

LAURA – Que ótimo! Eu quero conhecer.

GAEL – E você vai meu amor.

Eles se beijam.

CENA 11. MANSÃO DUARTE DOS SANTOS. SALA DE ESTAR. INTERIOR. DIA:
Zeca e Lúcia estão sentados no sofá, se beijando.

LÚCIA – O Gael vai vim morar aqui e você?

ZECA – Eu e o Zequinha aqui? Acho que não.

LÚCIA – Ain Zeca… eu você trabalhamos o dia inteiro, quase não sobra tempo. Eu preciso dormir e acordar contigo todos os dias.

ZECA – Tudo bem… me convenceu.

Eles se beijam.

CENA 12. JOALHERIA. INTERIOR. DIA:

LEGENDA: RIO DE JANEIRO, UM MÊS DEPOIS…

Tales entra na loja e é atendido por um homem.

HOMEM – O que o senhor deseja?

TALES – Quero dar um presente a minha amada.

HOMEM – Sortuda ela. Tem um anel de diamante que tem saído muito.

TALES – Deixa eu vê-lo.

Maria surge atrás dele e aponta uma arma na cabeça do Tales.

MARIA – Passa tudo ou eu mato ele.

HOMEM – (nervoso) Ok, tudo bem. Não faça besteira.

Ele começa a entregar as joias para a Maria.

MARIA – O dinheiro também.

Ele dá o dinheiro do caixa pra ela. Ela sai correndo.

TALES – Meu deus! O senhor chamou a polícia?

HOMEM – Chamei, mas não vai adiantar de nada.

TALES – Mas não tem câmeras aqui?

HOMEM – É mentira esses avisos… ai meu deus! Eu não lembro do rosto dela direito, eu estava tão nervoso.

TALES – Eu nem a vi… não estou me sentido bem… é melhor eu ir pra casa.

HOMEM – Mas senhor…

TALES – (corta) Eu volto outro dia.

Tales sai.

CORTA PARA BECO/

Tales entra no beco e encontra a Maria contando o dinheiro.

TALES – Nós somos ótimos nisso.

MARIA – É claro que somos.

Eles se beijam e cena congela.

CENA 13. PRAÇA. EXTERIOR. DIA:

Andréia e Zeca estão caminhando pela praça. Zequinha no meio deles. Eles riem, brincam e conversam em off. Zequinha os beija e cena congela.

CENA 14. BOATE HILDA FURACÃO. BAR. INTERIOR. DIA:

Homens entregam caixas de bebidas ao barman. Gael sai da sala e se aproxima dele.

BARMAN – A grande inauguração é hoje

GAEL – Eu sei meu querido e eu quero tudo perfeito.

Ele ergue os braços, sorri e cena congela.

CENA 15. MANSÃO DUARTE DOS SANTOS. SACADA. INTERIOR. DIA:

Laura e Lúcia estão em pé na sacada.

LAURA – No fim deu tudo certo.

LÚCIA – Nossa mãe estava certa.

FLASH da Elvira dando banho na Laura

ELVIRA – (off) Não se preocupe minha linda. Eu tenho certeza absoluta que tudo vai dar certo.

Elas se abraçam e cena congela.

CENA 16. PRESIDIO FEDERAL. FRENTE. EXTERIOR. DIA:

LEGENDA: ANOS DEPOIS…

A porta abre e Marilda sai com o cabelo todo bagunçado, roupas surradas e cambaleando. Victor está esperando ela.

VICTOR – (off) A vida é realmente muito irônica, enquanto você aí de casa ficava tentando descobrir quem matou a Elvira…

Marilda e Victor saem andando.

VICTOR – (off)… minha preocupação era achar a Elvira. Pois é. Ela está viva e estve todo esse tempo próximo da gente.

Eles se aproximam de um carro preto.

VICTOR – (off) Exatamente! A Elvira era o meu infiltrado, a Elvira era meus olhos… e você deve está se perguntando porque todo aquele terror psicologico com a Marilda e eu lhe respondo: revenge.

A janela do carro abre e uma mulher bem velha e de cabelos brancos aparece. Ela sorri pra Marilda que a encara.

VICTOR – (off) A vingança move tudo e todos. Seja bem-vindo a realidade… ah e mil desculpas por engar você durante todo esse tempo. Mas a pressa é a inimiga da perfeição.

Marilda encara a mulher e o Victor, sem entender.

MARILDA – Elvira?

ELVIRA – Marilda.

MARILDA – Você está viva? Meu deus!

ELVIRA – Eu sei, mas deixamos isso de lado e focamos em dinheiro. Eu quero o que é meu de volta e não vou medir esforços para tê-lo.

CLOSES ALTERNADOS entre eles. FADE OUT.

VICTOR – (off) Boa noite leitores.

#FIM

#ESTREIA_SEGUNDA ás 22Hrs:

Serra Dourada será inundada!

CORRAM TODOS. CORRAM! A REPRESA ESTÁ VINDO ABAIXO.


Todos em busca de salvação.

Todos em busca de uma nova vida…

(Macária)- Com o meu dinheiro vamos criar uma nova cidade. Vamos criar uma nova Serra Dourada.
(gritos da multidão)

MAS PARA ISSO TERÃO DE ENFRENTAR O PIOR!


-Toda a cidade está debaixo d’água, não sobrou nada. Não sobrou um tijolo sequer. 

 

AUTOR DO SUCESSO “ESSÊNCIA DA ALMA
SEGUNDA DIA 23 – 10 DA NOITE ESTREIA

CHAMADDDAAA

Escrita por
Yuri Neves

Colaboração
Priscila Borges

Vinny Lopes

Agradecimentos
Priscila Borges

Vinny Lopes

Nando Braga

Rodrigo Ferreira

Direção
Vinny Lopes

Realização
ADNTV Dramaturgia 2015

ADNTV

Anúncios

Linha de Sangue – Penúltimo Capítulo

linhadesanguelogopro

UMA NOVELA DE YURI NEVES

228 - Cópia - Cópia (6)

 

 

LINHA DE SANGUE – CAPÍTULO 39

CENA 01. BOATE SEXUS. BAR. INTERIOR. NOITE:

Gael está sentado no bar bebendo um uísque. Ele encara uma foto dele com a Elvira que está no painel do bar.

ELVIRA – (off) Quantos meses fazem? Você…

Dialogo continua na próxima cena.

FLASHBACK O1. ESTRADA DE TERRA. EXTERIOR. NOITE:

Elvira está segurando um bebê no colo, frente ao Gael. Dialogo continuado.

ELVIRA -… esqueceu de mim Gael. Achei que fosse me deixar. Não esqueça que eu sou sua melhor cliente.

GAEL – Eu sei disso, mas não tenho culpa que você mora nesse fim de mundo. E que criança é essa?

ELVIRA – Minha mais nova filha…

Dialogo off.

CENA 02. BOATE SEXUS. BAR. INTERIOR. NOITE:

Gael sorri e se serve de mais úisque. Ele pega o celular e faz uma ligação.

GAEL – Faz mais de vinte anos que a conheço e quase nove que ela morreu. Ela morreu do nada! Eu não soube como e não sei até hoje.

VICTOR – (off) Boa noite Gael. Tem certeza que quer saber quem matou a Elvira?

GAEL – Certeza absoluta. Me conta.

VICTOR – Eu não me apresento sem uma plateia. Amanhã na Mujer eu conto, chame a Laura, a Lúcia e quem mais você quiser.

Gael desliga e encara a foto mais uma vez.

CENA 03. PENSÃO DA DALVA. SALA. INTERIOR. NOITE:

Imaculada está dormindo no sofá. Ivan entra na casa (segurando uma mala) e se aproxima dela. Ele põe a mão no ombro dela e ela acorda.

IMACULADA – Ivan… eu não esperava te ver novamente, não antes do Natal.

IVAN – Eu estou melhor Ima, eu juro.

IMACULADA – E eu fico muito feliz em saber disso… a Dalva também está.

IVAN – Eu sei… mas além disso, eu vim pro enterro do Carlos.

IMACULADA – Eu soube que ele foi preso, mas não sabia da morte dele.

IVAN – Ele se matou e deixou um bilhete pra mim… “vai se foder” era o que dizia.

IMACULADA – Então quer dizer que…

IVAN – Eu o denunciei.

IMACULADA – Nossa eu realmente não esperava por isso.

IVAN – Será que ainda tem um quarto pra mim?

IMACULADA – É claro que tem.

Ela levanta e sobe as escadas. Ivan vai atrás segurando a mala.

CENA 04. BOATE SEXUS. BAR. INTERIOR. NOITE:

Ele ainda bebe. Andréia sai de um corredor usando pijama.

ANDRÉIA – Não vai dormir.

GAEL – Eu não consigo, eu preciso pensar no que fazer. Eu odeio ficar parado!

ANDRÉIA – Nós não iamos abrir uma boate nova?

GAEL – E se ela fechar novamente? E se você perder o direito de ver o Zequinha? Eu não quero arriscar.

ANDRÉIA – Nós vamos fazer as coisas direitas dessa vez. Sem pegar o dinheiro das meninas e sem sexo num estabelecimento público.

GAEL – E aonde eles vão fazer sexo?

ANDRÉIA – Eu achei um terreno perto de um motel. A gente poderia fazer um acordo com eles: nós damos clientes e eles nos dão clientes.

GAEL – Como assim?

ANDRÉIA – Nossas meninas levam os clientes para o motel, o que vai gerar clientes para eles e em troca, eles distribuem flyer da boate.

GAEL – Ok e qual vai ser o nome da boate?

ANDRÉIA – O nome dessa boate é uma homenagem a Roque Santeiro, a próxima será uma homenagem a Hilda Furacão. Yes! Esse é o nome: Hilda Furacão.

Gael levanta o copo e Andréia sorri para a câmera.

CENA 05. COMPILADO DE CENAS. INTERIOR. NOITE:

1, PRESIDIO FEDERAL – CORREDOR

Uma guarda anda de ponta a ponta no corredor. Uma corpo surge em meio a escuridão.

GUARDA – Ei quem está aí?

Não responde. Ela se aproxima da silhueta. A pessoa ergue uma faca e a golpeia a guarda. E em seguida enfia a faca na barriga da mesma. A pessoa sai da escuridão e revela ser a Marilda.

MARILDA – Isso é por ter me dedurado.

Marilda sai. A guarda pega o seu rádio e aperta um botão.

GUARDA – Marilda Campos Melo.

Ela solta o rádio sobre sua poça de sangue e fecha os olhos.

2, PRESIDIO FEDERAL – CELA

Marilda está deitada na cama. Dois guardas abrem a grade e puxam a Marilda da cama.

MARILDA – Que merda é essa?

Eles não respondem e saem com ela.

3, PRESIDIO FEDERAL – SOLITÁRIA

Os dois guardas jogam a Marilda dentro da solitária e fecham a porta. A vilã grita.

MARILDA – Eu sou rica! Eu sou a dona da Mujer! Eu não vou ficar aqui por muito tempo! E quando eu sair…. me esperem!

Ela berra. Marilda olha em volta, senta no chão e começa a chorar.

CENA 06. PENSÃO DA DALVA. COZINHA. INTERIOR. NOITE:

Imaculada está bebendo água. Zequinha surge na porta da cozinha.

IMACULADA – É quase meia-noite. Você deveria estar na cama!

ZEQUINHA – Estou sem sono… aquela sensação passou?

IMACULADA – Está cada vez mais forte e eu não sei quem é… e o pior é que eu nunca erro.

ZEQUINHA – Eu tenho certeza que vai dá tudo certo e que dessa vez você está errada.

IMACULADA – Deus te ouça.

Ela deixa o copo na pia e sai.

CENA 07. STOCK-SHOTS. EXTERIOR. NOITE-DIA:

A noite se vai e o dia chega. Pessoas e carros passando pelas ruas de São Paulo.

CENA 08. SEDE DA MUJER. SALA DE REUNIÃO. INTERIOR. DIA:

Laura, Lúcia e Gael estão sentados a mesa.

LAURA – O que você quer com a gente Gael?

LÚCIA – Nós temos trabalho a fazer Gael.

A porta da sala abre e o Victor entra.

GAEL – O Victor vai nos dizer quem matou a Elvira.

VICTOR – Estão preparados para a revelação?

CLOSES ALTERNADOS em todos os presentes.

CENA 09. PRÉDIO. CORREDOR. INTERIOR. DIA:

LEGENDA: PARIS

Juliano abre a porta do apartamento e dá de cara com o Leandro.

JULIANO – O que você está fazendo aqui?

LEANDRO – Só cala a boca e me beija.

Juliano sorri e o beija. Eles entram no apartamento aos beijos e já tirando as roupas.

CENA 10. PENSÃO DA DALVA. SALA. INTERIOR. DIA:

Maria desce as escadas segurando as malas e se encontra com a Imaculada e com o Ivan na sala.

IMACULADA – Porque vocês não esperam o povo chegar?

IVAN – Eles também querem se despedir.

MARIA – Manda um beijo pra eles… Ivan você poderia pegar o Tales lá em cima?

Ele faz que sim com a cabeça e sobe as escadas. E volta trazendo o Tales no colo e o põe na cadeira de rodas.

MARIA – Muito obrigada.

TALES – A gente vai vim visitar.

IMACULADA – Todos falam isso, mas na hora h…

Maria e Tales se despedem e saem. Ivan e Ima se encaram emocionados.

CENA 11. SEDE DA MUJER. SALA DE REUNIÃO. INTERIOR. DIA:

Todos encaram o Victor.

VICTOR – Quem matou a Elvira foi…

fimdocapítulo

#ESTREIA_SEGUNDA ás 22Hrs:CHAMADDDAAA

Escrita por
Yuri Neves

Direção
Vinny Lopes

Realização
ADNTV Dramaturgia

ADNTV

Linha de Sangue – Antepenúltimo Capítulo

linhadesanguelogopro

UMA NOVELA DE YURI NEVES

228 - Cópia - Cópia (6)

 

 

LINHA DE SANGUE – CAPÍTULO 38

CENA 01. PRESIDIO FEDERAL. CELA. INTERIOR. NOITE:

A presa encara a Marilda assustada. Outra presa a parte.

PRESA 2 – Ok, eu faço.

MARILDA – Que bom saber que posso contar contigo.

A outra presa bate na grade e a guarda aparece. Ela abre a cela e tira a presa e sai com ela.

MARILDA – Está quase tudo pronto.

PRESA 1 – E nós estaremos fora daqui.

Elas riem e apertam a mão.

CENA 02. STOCK-SHOTS. EXTERIOR. NOITE-DIA:

A noite se vai e o dia chega. Pessoas e carros passando pelas ruas de São Paulo.

CENA 03. BOATE SEXUS. ESCRITÓRIO. INTERIOR. DIA:

Tiffany e Gael entram no escritório. Eles sentam frente a frente.

TIFFANY – Eu vim aqui me despedir Gael. Eu sempre serei grata a você, mas agora eu sou uma advogada e eu…

GAEL – Eu entendo Tiff e estou torcendo pra você. Você é ótima!

TIFFANY – Obrigada G… eu desejo a você muita sorte e que seja muito feliz com a Laura.

GAEL – Obrigado minha ex-advogada.

TIFFANY – Nada meu ex-cafetão.

Eles riem e ela levanta, e abraça o Gael.

TIFFANY – Você sempre será um pai pra mim.

GAEL – E você uma filha.

TIFFANY – Ah e mais uma coisa: não me chame mais de Tiffany. O meu nome verdadeiro é Nicki.

GAEL – Minaj?

Eles riem, se abraçam e ela sai.

CENA 04. PENSÃO DA DALVA. SUÍTE DO TALES. INTERIOR. DIA:

Tales está deitado na cama e Maria sentada nela.

PLANO DETALHE: é visto que Tales está com as pernas amputadas.

TALES – Pra onde nós vamos?

MARIA – Rio de Janeiro.

TALES – E o que nós faremos?

MARIA – O que a gente sabe fazer de melhor: armar, mentir e roubar.

Eles riem e Maria o beija.

CENA 05. AEROPORTO. AREA DE EMBARQUE. INTERIOR. DIA:
Rihanna – You da One

Leandro está sentado na cadeira ouvindo música.

VOZ ELETRÔNICA – Primeira chamada para o embarque no voo com destino a Paris. Por favor, embarquem na porta seis.

Leandro levanta e caminha até a porta. Ele entrega o bilhete e entra no corredor.

CENA 06. CLINICA DE REABILITAÇÃO. QUARTO. INTERIOR. DIA:

Sonoplastia continua

Ivan está sentado na cama arrumando os sapatos. Um médico entra segurando uma prancheta e uma caneta. Ele entrega ao Ivan que assina.

MÉDICO – Pronto você está livre.

IVAN – Eu estou tão feliz de estar recuperado.

MÉDICO – Eu também… pra onde você vai agora?

IVAN – Eu vou voltar pra vila… Não sou mais o dono, mas quero viver o resto da minha vida no lugar em que eu conheci ela.

CAM mostra uma foto da Dalva na cama. Ele se despede do médico, pega a foto e as malas e sai.

CENA 07. SEDE DA MUJER. SALA DA LÚCIA. INTERIOR. DIA:

Sonoplastia continua

Lúcia está sentada na cadeira e Laura entra.

LAURA – Tudo arrumado na sala do Gael que agora é minha.

LÚCIA – Agora precisamos de uma destino pra sala da Marilda.

LAURA – Pode ser a sala do nosso novo sócio.

LÚCIA – E quem é ele?

LAURA – Eu não sei, mas diga que você tem algo em mente.

LÚCIA – Eu tenho. Agora sente-se que vou chamar o primeiro entrevistado.

MUSIC FADE/ Laura o faz e senta do lado dela.

LAURA – Não foi assim que nos reencontramos? Com você fazendo entrevistas de emprego.

LÚCIA – (sorri) Foi sim. O tempo passou muito rápido.

Ela pega o telefone.

LÚCIA – Pode mandar entrar o primeiro.

Ela dão as mãos e sorriem.

CENA 08. STOCK-SHOTS. EXTERIOR. DIA-NOITE:

O dia se vai e a noite chega. Pessoas e carros passando pelas ruas de São Paulo.

CENA 09. PRESIDIO FEDERAL. SALA. INTERIOR. NOITE:

Uma mulher e um homem transam no chão. Eles se beijam.

PRESA – Desliga o alarme pra mim.

HOMEM – Por você, faço qualquer coisa.

Ele dá um gemido alto e levanta. Ele mexe no computador e olha pra ela.

HOMEM – Desligado.

PRESA – Obrigada.

Ela pega as roupas e sai.

CENA 10. PRESIDIO FEDERAL. FUNDOS. EXTERIOR. NOITE:

Marilda e duas mulheres pulam o muro. Elas encontram vários policiais saindo da mata. Eles apontam a arma pra elas.

MARILDA – (raivosa) Quem dedurou? Hein!

POLICIAL – Não foi elas… a guarda que ajudou nos contou tudo.

MARILDA – Vadia!

POLICIAL – Vocês estão presas!

Eles a algemam. O policial força o corpo da Marilda no seu corpo.

MARILDA – Isso é assedio!

POLICIAL – Eu só quero lhe dizer uma coisa… (sussurra) Victor e infiltrado mandam beijos.

CLOSE na Marilda que berra.

fimdocapítulo

#ESTREIA_SEGUNDA:CHAMADDDAAA

Escrita por
Yuri Neves

Direção
Vinny Lopes

Realização
ADNTV Dramaturgia

ADNTV

Linha de Sangue – Capítulo 37 (Última Semana)

linhadesanguelogopro

UMA NOVELA DE YURI NEVES

228 - Cópia - Cópia (6)

 

 

LINHA DE SANGUE – CAPÍTULO 37

CENA 01. SEDE DA MUJER. CORREDOR. INTERIOR. DIA:

Leandro e Laura saem de uma sala e caminham pelo corredor.

LEANDRO – Obrigado por me ouvir.

LAURA – Que isso, estou aqui pra isso. Me diga.

LEANDRO – O Juh se foi e a Helena… também… eu não quero ficar sozinho. Eu não quero ficar sem um dos meus amores.

LAURA – Eu sei muito pouco sobre os três, mas a rádio-corredor comentava.

LEANDRO – Eu quero ir pra Paris ficar com ele. E eu sei que a empresa sofreu muitas baixas. O Gael vai sempre ajudar vocês, mas o que ele gosta mesmo é a boate.

LAURA – É claro que você pode ir atrás dele, mas espera eu pôr o anuncio no jornal por favor. Isso aqui tá uma loucura!

LEANDRO – Eu espero sim e obrigado Laurinha.

LAURA – Seja feliz fofo.

Ela sai. Ele sorri e vai atrás.

CENA 02. BOATE SEXUS. SALÃO. INTERIOR. DIA:

Andréia está dançando no palco. O celular dela toca e ela atende.

ANDRÉIA – Alô.

VALENTINO – (off) Bom dia minha rainha.

ANDRÉIA – Bom dia.

VALENTINO – (off) Eu finalmente cheguei em São Paulo. Poderia me encontrar mais tarde?

ANDRÉIA – Com todo o prazer do mundo.

Ela desliga e encara o celular raivosa.

CENA 03. PENSÃO DA DALVA. SALA. INTERIOR. DIA:

Imaculada e Zeca estão sentados no sofá vendo TV. Maria entra empurrando o Tales que está numa cadeira de rodas.

IMACULADA – Você voltou!

TALES – Não foi dessa vez que vocês se livraram de mim.

IMACULADA – E continua lindo.

TALES – Eu nunca vou deixar de ser lindo.

MARIA – No fim deu tudo certo… eu fiquei tão preocupada.

ZECA – Eu fico muito feliz com sua recuperação.

TALES – Obrigado mano.

IMACULADA – Eu fiz a sua comida predileta: lasanha!

Ele sorri e a Imaculada o beija.

MARIA – Nós temos uma notícia pra dar a vocês: nós dois demoramos pra perceber isso, mas nós nos amamos e vamos morar juntos.

IMACULADA – Isso quer dizer sair daqui?

MARIA – Infelizmente sim. Mas nós vamos vir visitar vocês sempre.

TALES – Principalmente quando o bebê nascer.

ZECA – Que bebê?

MARIA – Bebê nenhum! Ele que cismou com isso. Nem nos casamos e já quer filhos.

ZECA – Desejo boa sorte ao casal.

IMACULADA – Eu também meus lindos.

Ela beija os dois e os abraça.

CENA 04. PRAÇA. EXTERIOR. DIA:

Andréia e Zequinha estão andando na praça. Eles sentam num banco.

ANDRÉIA – Hoje não vai dar pra gente ir comer pizza.

ZEQUINHA – Porque?

ANDRÉIA – Eu tenho um encontro.

ZEQUINHA – Namorado?

ANDRÉIA – É… quase isso.

ZEQUINHA – É o Valentino?

ANDRÉIA – O que? Não, não é ele.

ZEQUINHA – Eu não quero que você vá de novo.

ANDRÉIA – Eu não vou nunca mais meu filho.

Ela o beija e o abraça apertado.

CENA 05. STOCK-SHOTS. EXTERIOR. DIA-NOITE:

O dia se vai e a noite chega. Pessoas e carros passando pelas ruas de São Paulo.

CENA 06. PRESIDIO FEDERAL. CELA. INTERIOR. NOITE:

Marilda e sua companheira de cela estão sentadas na cama.

MARILDA – Esse lugar não tem ação. Nada acontece.

PRESA – Estava acostumada com uma vida agitada princesa?

MARILDA – É claro. Eu era dona de uma revista, eu matava as pessoas. E o que eu faço aqui? Nada!

PRESA – Disseram pra mim que você é louca.

MARILDA – Eu sou mesmo… (ri) Eu sou muito louca! Eu quero fugir daqui! Vamo fugir?

PRESA – É claro que vamos princesa.

Marilda estende a mão e a presa a aperta.

CENA 07. BOATE SEXUS. SALÃO. INTERIOR. NOITE:

Laura está sentada no colo do Gael. Ambos bebem uísque.

LAURA – Estou tão feliz que está tudo dando certo.

GAEL – Quase tudo… eu ainda não descobri quem matou a Elvira e pelo visto não foi a Marilda.

LAURA – É… e tem o infiltrado… mas não vamos pensar nisso. Você já sabe o que vai fazer agora?

GAEL – Por mais que eu ame a Mujer, lá não é o meu lugar… eu acho que vou abrir uma nova boate, mas em parceria com a Andréia.

LAURA – E eu lhe dou apoio, mas pare de cobrar das suas meninas. O dinheiro é delas!

GAEL – Eu aprendi a lição.

Eles se beijam.

CENA 08. PENSÃO DA DALVA. SUÍTE PINHEIRO. INTERIOR. NOITE:

Lúcia e Zeca estão deitados na cama. Ambos nus, porém com o lençol cobrindo os órgãos sexuais, deixando o seio dela a mostra.

ZECA – Porque é sempre ótimo com você?

LÚCIA – Porque eu sei fazer.

ZECA – Humilde… eu estou tão preocupado com o Zequinha… eu deixei a Andréia se aproximar e ela pode ir de novo.

LÚCIA – Depois de tudo que ela passou? Ela não vai, certeza. E eu fiquei muito feliz que você parou de ser teimoso.

ZECA – Eu não sou teimoso!

LÚCIA – Todo teimoso diz isso.

ZECA – Ok, ok você ganhou… Eu sou teimoso! (pausa) Vamos fazer de novo?

Ela monta em cima dele e começa a beijá-lo.

CENA 09. PRAÇA. EXTERIOR. NOITE:

Andréia está sentada no banco mexendo no celular. Valentino se aproxima dela e senta ao seu lado.

ANDRÉIA – Fico feliz em te ver.

VALENTINO – Eu estou com tanta saudade do seu corpo.

ANDRÉIA – Eu também meu amor.

Ela senta no colo dele e começa a beijá-lo. Ela tira da cintura um canivete e põe no pescoço dele.

ANDRÉIA – Se você gritar, eu te mato.

VALENTINO – O que é isso?

ANDRÉIA – É raiva! Você me trocou, me deixou na merda. E é isso que você merece!

VALENTINO – Você não é uma assassina… por favor… não faz isso!

Ela sai de cima dele e ri.

ANDRÉIA – É claro que eu não ia te matar. Eu só queria ver você implorando. Idiota!

Ela manda um beijo pra ele e sai andando. Valentino olha pra bunda dela e bufa.

CENA 10. PRESIDIO FEDERAL. CELA. INTERIOR. NOITE:

Uma guarda abre a cela e uma mulher entra. Marilda e a outra pesa a encaram. A guarda sai.

PRESA 2 – Pra que me trazer aqui? O que eu fiz?

MARILDA – Não fez nada, mas nós precisamos da sua ajuda.

PRESA 1 – Nós vamos fugir e precisamos da sua ajuda pra desligar os alarmes.

PRESA 2 – E como eu vou fazer isso?

MARILDA – Nós sabemos que você trepa com todos os guardas daqui. É só dá pro eletricista.

PRESA 2 – Eu não sei e se…

Marilda mostra um revólver pra ela.

MARILDA – E agora: você vai fazer?

fimdocapítulo

#DIA 23_ESTREIA:CHAMADDDAAA

Escrita por
Yuri Neves

Direção
Vinny Lopes

Realização
ADNTV Dramaturgia

ADNTV

Linha de Sangue – Capítulo 36 (Última Semana)

linhadesanguelogopro

UMA NOVELA DE YURI NEVES

228 - Cópia - Cópia (6)

 

 

LINHA DE SANGUE – CAPÍTULO 36

CENA 01. DELEGACIA. SALA DO DELEGADO. INTERIOR. DIA:

Delegado encara o Victor, curioso.

VICTOR – Ela matou o marido a pauladas e me pediu ajuda para sumir com o corpo. Ela me contou que ele tinha ameaçado ela… e ainda me disse que estava grávida. Mas depois eu soube que era mentira.

DELEGADO – Como você soube que era mentira?

VICTOR – A barriga nunca cresceu e ela passou a me tratar com frieza, mas eu ainda a amava. Eu fui muito burro.

DELEGADO – E o que mais?

VICTOR – Ela desvia o dinheiro da Mujer. Ela tentou matar a Laura e a mim… ela matou a minha mulher.

DELEGADO – Como?

VICTOR – Minha mulher era diabética e a Marilda a levou doces para ela comer… e além de muito açúcar, tinha veneno nesses doces.

DELEGADO – Surpreendente. Eu vou mandar que saltem as gêmeas e que prendam a Marilda… mas o senhor também será preso.

Tiffany entra na sala com um papel e mostra pro delegado.

TIFFANY – Eu liguei pra um juiz amigo e pedi pra ele que lhe mandasse uma carta. Como pode ler, pelo Victor ter ajudado na prisão de uma criminosa ela tem o direito a uma delação premiada.

DELEGADO – Por mim, tanto faz. (grita) Policial! Leve esses três até a cela das gêmeas e a soltem.

Eles saem.

CENA 02. PENSÃO DA DALVA. SALA. INTERIOR. DIA:

Zequinha sai da cozinha segurando um copo d’água. Ele entrega a Imaculada que bebe tudo num só gole.

ZEQUINHA – Está melhor?

IMACULADA – A sensação passou, mas eu ainda sinto que alguém vai morrer. Alguém próximo da gente.

ZEQUINHA – Será que vai ser papai?

IMACULADA – Deus queria que não meu lindo.

Ela o beija e ela a abraça.

CENA 03. AEROPORTO. PÁTIO. EXTERIOR. DIA:

Leandro e Juliano chegam no aeroporto de carro. CAM mostra os dois sentados lado a lado.

LEANDRO – É exatamente isso o que você quer?

JULIANO – É exatamente isso.

LEANDRO – Seja feliz em Paris e venha nos visitar.

JULIANO – É claro que venho… São Paulo é meu amor.

Ele ia sair, mas Leandro o segura. Eles se encaram e se beijam.

JULIANO – Eu te amo.

LEANDRO – Eu também te amo.

Juliano sai, pega suas malas na mala do carro e sai. Leandro o vê entrando no aeroporto e sai cantando pneu.

CENA 04. MANSÃO CAMPOS MELO. PORÃO. INTERIOR. DIA:

Marilda entra segurando um revólver. Ela mira na cabeça do Tales que está se tremendo.

MARILDA – Ela está morrendo daqui a alguns minutos ele deve morrer.

MARIA – (chorosa) Chama um médico, por favor.

MARILDA – Não. Como eu disse: ele está morrendo, mas eu posso acelerar o processo. Me diz logo quem é o infiltrado!

MARIA – Só por cima do meu cadáver.

Marilda berra e atira na outra perna do Tales que urra. Ele chora e encara a Maria.

MARIA – Desculpa.

MARILDA – Me diz vadia! Me diz!

Ouve-se barulho de sirene. CLOSE na Marilda preocupada.

CENA 05. MANSÃO CAMPOS MELO. FRENTE. EXTERIOR. DIA:

Vários carros de polícia parando frente a mansão. O delegado sai de um deles e caminha até a porta da casa.

DELEGADO – (grita) Marildaaaa! Se entregue!

Ele olha pro policial e levanta o dedo indicador.

POLICIAL – Ei vocês viram o delegado. Se em um minuto ela não abrir, nós entramos.

DELEGADO – (grita) Marildaaaa! Eu só posso te dar um minuto pra sair, apenas um minuto.

CENA 06. MANSÃO CAMPOS MELO. PORÃO. INTERIOR. DIA:

Marilda começa a chorar e senta no chão. Maria se aproxima dela.

MARIA – Ei calma ok?

MARILDA – Está tudo dando errado Maria. Eu não tenho ninguém. Eu afastei todos que estavam ao meu lado. Eu sempre faço merda!
MARIA – Ok… vamos fazer uma coisa. Eu vou te levar até lá fora e você vai se entregar… se eles invadirem vai ser pior.

MARILDA – Ok. E peça um médico para o Tales, mas eu acho que ele não sobrevivi. Desculpe.

MARIA – A gente só percebe que gosta mesmo de alguém quando ele vai embora não é? Então… eu me arrependo tanto.

Marilda levanta e dá a mão para a Maria que levanta. Elas saem.

CENA 07. MANSÃO CAMPOS MELO. FRENTE. EXTERIOR. DIA:

Marilda sai segurando a Maria e apontando uma arma para a cabeça dela. Os policias a encaram. O delegado se aproxima.

MARILDA – Eu quero um médico, o Tales foi atingido por dois tiros na perna.

DELEGADO – Quem disparou?

MARILDA – Quem é que está com arma aqui? É obvio que fui eu.

Ela solta a Maria e ela corre. Marilda solta arma e ergue as mãos. Os policiais se aproximam e a prendem.

CENA 08. STOCK-SHOTS. EXTERIOR. DIAS-NOITES:

Os dias vão se passando. Noites e dias. Ruas de São Paulo sempre movimentadas. Pessoas e carros passando por elas.

CENA 09. SEDE DA MUJER. SALA DE REUNIÃO. INTERIOR. DIA:
Laura e Lúcia frente a algumas pessoas. Leandro e Gael entre elas. Laura mostra um slide com cinco capas da revistas.

LAURA – Essas foram as nossas últimas capas. E sabem o que me incomoda? Eu não vejo nenhuma negra, não vejo nenhuma nordestina, não vejo ninguém que foge do padrão.

LÚCIA – E quando dizemos padrão, falamos sobre o padrão imposto pela sociedade. O padrão é composto por mulher brancas, altas e magras casadas com homens brancos, altos e fortes.

LAURA – Nós não queremos padrões, mas não queremos apelar. A próxima capa não vai ter uma mulher, mas sim várias.

LÚCIA – Nós queremos a mulher branca, a mulher negra, a mulher gordinha, a mulher do campo e a mulher trans. São essas cinco mulheres que estaram na capa de mês que vem.

Todos na sala aplaudem. Elas se abraçam e sorriem.

CENA 10. PRESIDIO FEDERAL. CORREDOR. INTERIOR. DIA:

Marilda entra no corredor usando um uniforme cáqui. Ela passa por algumas celas e as presas gritam palavras como “gostosa”, “delicia” “vovó gostosinha”. O policial abre a cela dela e ela entra.

PRESA – Bem-vinda ao paraíso princesa.

MARILDA – Se isso aqui é o paraíso… puta que pariu! Eu prefiro o inferno.

Ela encara põe a mão na grade e encara a câmera.

fimdocapítulo

#DIA 23_ESTREIA:CHAMADDDAAA

Escrita por
Yuri Neves

Direção
Vinny Lopes

Realização
ADNTV Dramaturgia

ADNTV

Linha de Sangue – Capítulo 35 (Penúltima Semana)

linhadesanguelogopro

UMA NOVELA DE YURI NEVES

228 - Cópia - Cópia (6)

 

 

LINHA DE SANGUE – CAPÍTULO 35

CENA 01. MANSÃO CAMPOS MELO. PORÃO. INTERIOR. NOITE:

Marilda continua apontando a arma pro Tales que sangra muito. Maria levanta.

MARIA – (nervosa) Eu não sei quem é o infiltrado do Victor e ele está morto, Marilda.

MARILDA – Ok. Ok. Ok.

Ela aponta a arma pro chão próximo a cabeça do Tales e atira.

TALES – (grita) Mariaaaa! Conta logo tudo pra ela! Ela vai me matar!

MARIA – (nervosa) Eu conto, mas abaixa essa arma.

MARILDA – Você não está em posição de negociar comigo.

MARIA – (encara o Tales; encara a Marilda) Eu não vou dizer, eu não vou contar pra você. Se quiser matar o Tales, fique a vontade.

Tales encara a Maria.

MARILDA – O que?

MARIA – Isso mesmo que você ouviu, eu não conto!

MARILDA – Ok… eu vou dar mais umas horas pra você e depois eu volto.

Ela sai. Maria encara o Tales.

TALES – Você é maluca!

MARIA – Desculpa, mas eu tive que arriscar. E eu acertei: ela não vai te matar. Ela ainda precisa da gente.

TALES – Agora me ajuda.

Maria rasga um pedaço da camisa dele e põe na perna dele, estancando o sangue.

MARIA – Nós precisamos sair daqui ou você pode morrer.

TALES – É uma ótima coisa pra me dizer.

Ela sorri e caminha até porta. Ela tenta abrir, sem sucesso.

CENA 02. RODOVIARIA. PÁTIO. EXTERIOR. NOITE:

Gael e Tiffany estão lado a a lado, apreensivos. Um ônibus chega e para próximo a eles. Algumas pessoas saem e o Victor está no meio delas.

GAEL – Prazer em conhecê-lo Victor.

VICTOR – Nós já nos vimos.

GAEL – Mas essa é a primeira vez que conversamos.

TIFFANY – Prazer.

VICTOR – O prazer é todo meu… Como funciona agora?

Os três se encaram e saem.

CENA 03. DELEGACIA. CELA. INTERIOR. NOITE:

Laura está deitada na cama de cima e Lúcia na de baixo.

LAURA – Não está na hora da gente voltar a se falar?

LÚCIA – Está.

LAURA – Desculpa por ter feito aquilo, eu realmente não sabia que ele iria tentar matar a Marilda.

LÚCIA – Tudo bem, eu exagerei… e quer saber? Talvez ela merecesse aquilo. Eu não sei, eu sou burra demais.

LAURA – Você não é burra! Só cresceu num lugar onde duas mulheres te protegiam muito e agora você sabe lidar com o mal.

LÚCIA – Eu sei irmã.

LAURA – Posso dormir contigo?

LÚCIA – Pode irmãzinha.

Laura desce e deita com a Lúcia, agarradinhas.

CENA 04. PENSÃO DA DALVA. SALA. INTERIOR. NOITE:

Zeca desce as escadas com o celular no ouvido.

ZECA – Alô.

ANDRÉIA – (off) O que você quer?

ZECA – Ele me convenceu de que você mudou. Estou disposta a tentar, Andréia. Vamos nos encontrar?

ANDRÉIA – (off) O que? É claro. Onde você quer?

ZECA – Naquele nosso restaurante, lembra?

ANDRÉIA – (off) O nosso primeiro encontro e o dia que te disse que estava grávida… e o dia que disse que ia embora.

ZECA – Exatamente esse.

Ele desliga e sorri. CAM mostra o Zequinha olhando a cena da escada.

CENA 05. STOCK-SHOTS. EXTERIOR. NOITE-DIA:

A noite se vai e o dia chega. Pessoas e carros nas ruas de São Paulo.

CENA 06. MANSÃO CAMPOS MELO. PORÃO. INTERIOR. DIA:

Marilda entra levando uma bandeja com dois pães, uma jarra de suco e uma rosa vermelha cheia de espinho.

MARILDA – Bom dia queridos amigos.

MARIA – Olha bem pro Tales, olha bem o que você fez!

CAM mostra o Tales, desmaiado, e todo encolhido.

MARIA – Ele está morrendo, ele precisa de um médico. Por favor, Marilda.

MARILDA – Me fala quem é o infiltrado.

MARIA – Chama um médico e eu falo.

MARILDA – Sinto muito em te dizer que ele vai morrer então.

Marilda sai. Maria abraça o Tales e o beija.

CENA 07. DELEGACIA. CORREDOR. INTERIOR. DIA:

Laura e Lúcia estão dormindo juntas. Gael, Tiffany e Victor entram no corredor e a acordam.

GAEL – Finalmente vocês param de palhaçada e voltaram a se falar. Eu fico feliz por vocês.

LAURA – Bom dia.

LÚCIA – Bom dia.

TIFFANY – Viemos falar com o delegado.

LAURA – Bem na hora, eles iam nos transferiam pro presidio amanhã.

TIFFANY – Eu sei… enfim, vamos?

Os dois homens concordam e saem na frente. Tiffany vai atrás.

CENA 08. PENSÃO DA DALVA. SALA. INTERIOR. DIA:

Imaculada está sentada na sala, tricotando. Zequinha ao seu lado.

IMACULADA – Está ficando bom?

ZEQUINHA – O que é dessa vez?

IMACULADA – Uma roupinha de bebê.

ZEQUINHA – Porque você não vende essas coisas?

IMACULADA – Porque são pra guardar, é pra vocês se lembrarem de mim quando eu partir.

ZEQUINHA – Não diz isso, por favor.

Ela olha pro nada e deixa a lã e a agulha cair no chão. Zequinha a encara.

IMACULADA – Eu senti uma coisa estranha.

ZEQUINHA – Que coisa?

IMACULADA – Eu senti a morte… alguém vai morrer, Zequinha.

ZEQUINHA – Quem?

IMACULADA – Eu não sei.

Eles se encaram.

CENA 09. MANSÃO CAMPOS MELO. SUÍTE PRINCIPAL. INTERIOR. DIA:

Marilda sai do banheiro enrolada na toalha, cantarolando. Ela para em frente ao espelho e sorri.

MARILDA – O que você está fazendo com o Tales? Você gostava dele… gostava muito dele… mas você esqueceu isso.

Ela limpa o rosto e se encara.

MARILDA – Foda-se eles. O que importa é que você precisa descobrir quem é o infiltrado… você precisa destruir o Victor.

Ela sorri e depois gargalha.

CENA 10. DELEGACIA. SALA DO DELEGADO. INTERIOR. DIA:

O Victor e o delegado estão frente a frente.

DELEGADO – O que você tem a me dizer Xerife?

VICTOR – Tudo o que eu sei sobre a Marilda e como ela é perigosa.

fimdocapítulosegunda

#VEM_AÍ:CHAMADDDAAA

Escrita por
Yuri Neves

Direção
Vinny Lopes

Realização
ADNTV Dramaturgia

ADNTV

Linha de Sangue – Capítulo 34 (Penúltima Semana)

linhadesanguelogopro

UMA NOVELA DE YURI NEVES

228 - Cópia - Cópia (6)

 

 

LINHA DE SANGUE – CAPÍTULO 34

CENA 01. DELEGACIA. CORREDOR. INTERIOR. NOITE:

Todos os quatro se encaram.

TIFFANY – Agora eu estou curiosa. Quem aqui é o infiltrado?

GAEL – Obviamente você não é já que não estava na festa.

LAURA – Qual de nós três?

LÚCIA – Vamos mudar de assunto… O foco é o que o Victor pode fazer para nos ajudar?

GAEL – Pensa bem: quem é a única pessoa que sabe pobres da Marilda e que não tem medo de se prejudicar se revelar esses pobres?

TIFFANY – O Victor já perdeu tudo o que tinha, ele não se importa de ser preso se a Marilda for também.

LAURA – Ela foi muito esperta, sempre teve cumplice e parceiros em seus crimes. Assim não se ferra sozinha.

GAEL – Acho que é isso por hoje. Nos vemos amanhã.

Eles se despedem e saem. Laura e Lúcia se encaram.

CENA 02. BOATE SEXUS. BAR. INTERIOR. NOITE:

Andréia está bebendo e fala ao telefone ao mesmo tempo.

ANDRÉIA – Então quer dizer que você se separou?

VALENTINO – (off) No final você tinha razão, ela era uma vadia, apenas uma empregada.

ANDRÉIA – Eu sempre tenho razão, meu querido… mas me diga: porque me ligas?

VALENTINO – Eu estou com saudade do seu corpo, do seu cheiro… eu estou indo praí e se você quiser me ver…

ANDRÉIA – Será que eu devo?

VALENTINO – Você voltou com o Zeca?

ANDRÉIA – Estou enrolados, ele me quer, mas eu não sei se o quero.

VALENTINO – Será que ainda está apaixoanda por mim?

ANDRÉIA – Não sei, pode ser. Está certo, eu vou me encontrar com você. Só me liga quando chegar, ok?

VALENTINO – Ok, mi hermosa niña.

Ela desliga e encara o telefone com nojo.

ANDRÉIA – Que ódiooooo! Nojentooooo! Eu tô doida pra encontrar com ele e meter a mão na cara dele!

O bar-man a encara assustado e ela sai.

CENA 03. STOCK-SHOTS. EXTERIOR. NOITE-DIA:

A noite se vai e o dia chega. Pessoas e carros passando nas ruas de São Paulo.

CENA 04. PARQUE IBIRAPUERA. EXTERIOR. DIA:

Leandro e Juliano caminham lado a lado no parque.

LEANDRO – Obrigado por ter vindo, eu precisava ver gente.

JULIANO – O pessoal tem sentido sua falta lá na Mujer, e do Gael também.

LEANDRO – Imagino… a Marilda deve está louca.

JULIANO – Ela é louca!

Eles riem.

JULIANO – Como foi a cremação da Helena? Ela pediu muita coisa do testamento?

LEANDRO – Foi difícil, mas ela queria assim. Ela só pediu duas coisas: que fosse cremada e que eu fosse feliz.

JULIANO – Percebo que está fazendo a última coisa.

LEANDRO – Ela acabou de morrer, é difícil.

JULIANO – Sua barba está grande, cabelos descuidado e roupas sem combinar. Esse não é fotográfo exigente e bonitão que eu me apaixonei.

LEANDRO – Está sendo difícil, como disse antes… mas me fala sobre você. Ouvi dizer que vai para Paris.

JULIANO – É, eu consegui que eles vissem meus desenhos e eles me chamaram pra um estágio e se der certo… eu fico!

LEANDRO – Isso é ótimo!

JULIANO – Eu sei, mas não estou muito feliz em deixar o Brasil. Eu nunca tive um sonho americano, e muito menos um europeu. Sonhava em ser estilista aqui mesmo, no Brasil.

LEANDRO – Paris é Paris, Brasil é Brasil e não me faça dizer qual deles é melhor porque é obvio. Helena sempre sonhou em fazer faculdade lá.

JULIANO – Ela não precisou de Paris para se foda. Ela era foda mesmo tendo estudo numa faculdade do Brasil.

LEANDRO – Quem é bom, é bom em qualquer lugar… (alto) Maaaaas é Paris! Paris, França, Europa, Moda… combinação perfeita!

JULIANO – Eu sei, eu sei… e nós?

LEANDRO – Fica como está, está muito bom assim… amigos?

JULIANO – Amigos.

Eles se abraçam.

CENA 05. MANSÃO CAMPOS MELO. PORÃO. INTERIOR. DIA:

Ambiente cheio de coisas velhas e teias de aranha. Marilda e Maria desceu as escadas do porão e encaram o lugar.

MARIA – Meu deus! Isso aqui é o inferno! Acho que nunca limpamos aqui… deve ter até rato morto aqui dentro.

MARILDA – Preciso que limpe isso aqui até hoje a noite.

MARIA – Impossível!

MARILDA – Faça o impossível virar possível.

Ela manda um beijo pra Maria e sai. Maria pega o celular e faz uma ligação.

MARIA – Tales, preciso da sua ajuda. A filha da puta mandou eu arrumar o porão, eu preciso da sua ajuda e também preciso de vassouras, produtos de limpeza…

Ela continua falando em off.

CENA 06. PENSÃO DA DALVA. SALA. INTERIOR. DIA:

Imaculada e o Zeca está sentados frente a TV.

ZECA – Não é o Carlos? Aquele amigo do Ivan?

CAM mostra a TV com Carlos sendo levado por um policial.

IMACULADA – A Justiça foi feita, finalmente.

ZECA – Não sabia que ele mexia com cassino também.

IMACULADA – Ele mexia com tudo. Cassino, jogos de cartas, corrida de cavalo e até briga de galo. Tudo que envolve dinheiro.

ZECA – Como será que o Ivan está?

IMACULADA – Eu não sei, mas espero que esteja bem.

CENA 07. STOCK-SHOTS. EXTERIOR. DIA-NOITE:

O dia se vai e a noite chega. Pessoas e carros nas ruas de São Paulo.

CENA 08. RODOVIARIA. PÁTIO. EXTERIOR. NOITE:

Tiffany e Gael estão lado a lado.

GAEL – O ônibus dele já deve estar chegando.

TIFFANY – Eu espero que ele venha mesmo.

GAEL – Ele tem que vir.

CENA 09. MANSÃO CAMPOS MELO. PORÃO. INTERIOR. NOITE:

Maria e Tales são sentados no chão, exautos. Marilda entra e olha o ambiente arrumado e limpo.

MARILDA – Parabéns a vocês dois.

MARIA – Porque isso tudo?

MARILDA – Porque esse porão vai receber dois moradores.

TALES – Como assim?

Marilda tira um revólver da cintura e aponta pros dois.

MARIA – O que é isso, Marilda?

MARILDA – Uma arma vadia! Agora me diz tudo: quem é o infiltrado? Onde o Victor tá?

MARIA – Eu não sei do que você está falando.

Marilda aponta a arma pro Tales e atira na perna dele. Ele berra e o sangue começa a se espalhar.

MARILDA – Me diz porra ou o próximo tiro vai ser na cabeça.

CLOSES ALTERNADOS entre os presentes.

fimdocapítulo

Escrita por
Yuri Neves

Direção
Vinny Lopes

Realização
ADNTV Dramaturgia

ADNTV

Linha de Sangue – Capítulo 33 (Penúltima Semana)

linhadesanguelogopro

UMA NOVELA DE YURI NEVES

228 - Cópia - Cópia (6)

 

 

LINHA DE SANGUE – CAPÍTULO 33

CENA 01. MANSÃO CAMPOS MELO. COZINHA. INTERIOR. NOITE:

Gael encara a Maria.

MARIA – Eu não sei onde ele tá, eu só sei que nem eu e nem o Tales encontramos o corpo dele.

GAEL – Eu preciso achar ele, é o único jeito de tirar a Laura da cadeia.

MARIA – O infiltrado me deu o número dele, mas eu ainda não tive coragem de ligar pra ele.

Maria pega o celular e mexe nele.

MARIA – Pronto eu te passei o número por mensagem.

GAEL – Obrigado.

Ele beija a testa da Maria e sai.

CENA 02. MANSÃO CAMPOS MELO. SUÍTE DA MARILDA. INTERIOR. NOITE:

Marilda está sentada na cama olhando o tablet com cara de raiva. Ela taca o objeto no chão e CAM dá um close mostrado a Maria na cozinha.

CENA 03. BOATE SEXUS. FRENTE. EXTERIOR. NOITE:

Andréia está sentada do lado de fora da boate, fumando. Zequinha surge correndo em sua direção carregando uma mochila.

ZEQUINHA – Mãaaaae!

ANDRÉIA – Zequinha? O que você está fazendo aqui?

Ela apaga o cigarro e o abraça.

ZEQUINHA – Eu fugi de casa mãe, pra viver com você.

ANDRÉIA – Ai meu Deus! O seu pai vai me matar. Ele vai achar que…

ZEQUINHA – (corta) Ele não tem que achar nada. O importante é que eu vou ficar com você.

ANDRÉIA – Eu não posso te levar pra dentro da boate, mesmo com ela fechada. O seu pai pode querer me processar.

ZEQUINHA – Eu te defendo se ele fizer isso.

Ela o beija e levanta. Ela dá a mão pra ele e eles entram.

CENA 04. STOCK-SHOTS. EXTERIOR. NOITE-DIA:

A noite se vai e o dia chega. Pessoas e carros passando nas ruas de São Paulo.

CENA 05. PENSÃO DA DALVA. SALA. INTERIOR. DIA:

Imaculada está sentada no sofá, tricotando. Zeca desce as escadas e se aproxima.

ZECA – Obrigado acordar o Zequinha pra escola.

IMACULADA – Eu não acordei ele pra escola e ele não dormiu comigo, achei que tivesse dormido contigo.

ZECA – Não… ai meu Deus! (grita) Mariaaaa! Taleeees! Julianoooooo!

TALES – (off; distante) A Maria não dormiu em casa. O que é?

JULIANO – (off; distante) Fala.

ZECA – (grita) Vocês acordaram o Zequinha pra escola?

JULIANO – (off; distante) Não.

TALES – (off; distante) Não.

ZECA – Ele não dormiu comigo e nem contigo. Ele pode ter dormido no seu antigo quarto?

IMACULADA – A chave está comigo, impossível.

ZECA – No da Laura?

IMACULADA – Idem.

ZECA – Ele sumiu… meu Deus, o meu filho sumiu!

CLOSES ALTERNADOS nos dois.

CENA 06. BOATE SEXUS. SALÃO. INTERIOR. DIA:

Zequinha está sentado no palco mexendo no celular. Andréia chega com um saco e o entrega.

ZEQUINHA – O que é? (abre) Obrigado pelo pão.

Ele retira do saco um misto-quente e um refrigerante.

ANDRÉIA – Você deveria ter ido pra escola.

ZEQUINHA – Eu esqueci de te avisar do meu horário, mas eu acho que vou esquecer novamente.

ANDRÉIA – Engraçadinho. Come logo que eu tenho que te levar pra casa, o seu pai deve está preocupado.

ZEQUINHA – Você vai mesmo me devolver?

ANDRÉIA – Sim, mas eu prometo que vou conseguir ficar mais tempo com você. E aí nós vamos poder ir ao parque, shopping e ficar comendo pizza.

ZEQUINHA – Pizzaaaaaa!

Eles riem e se abraçam.

CENA 07. BOATE SEXUS. ESCRITÓRIO. INTERIOR. DIA:

Gael está sentado na cadeira com o celular no orelha.

GAEL – Victor? Prazer, Gael… as gêmeas foram presas e eu preciso da sua ajuda pra derrubar a Marilda.

Ele continua ao telefone em off.

CENA 08. BOATE SEXUS. SALÃO. INTERIOR. DIA:

Andréia está ao celular.

ANDRÉIA -… eu não tenho culpa que ele fugiu de casa. Eu não mandei ele sair de casa a noite.

ZECA – (off) Foda-se! Eu quero o meu filho.

ANDRÉIA – Não dá pra ter uma conversa contigo. Eu vou pedir pra um amigo levá-lo e fique despreocupado que ele é de confiança.

ZECA – (off) Ai de você se meu filho não chegar bem em casa.

Ela desliga e encara o Zequinha, triste.

CENA 09. STOCK-SHOTS. EXTERIOR. DIA-NOITE:

O dia se vai e a noite chega. Pessoas e carros passando pelas ruas de São Paulo.

CENA 10. PENSÃO DA DALVA. SALA. INTERIOR. NOITE:

Zeca está sentado na sala vendo TV. Zequinha desce as escadas e se aproxima dele.

ZEQUINHA – Desculpa ter fugido.

ZECA – Porque você fez isso hein?

ZEQUINHA – Eu preciso dela, eu preciso de uma mãe. Não afasta ela de mim, por favor.

ZECA – Não sei se posso confiar nela. E se ela fugir de novo, o Valentino pode voltar.

ZEQUINHA – Tenho certeza que ele não volta.

Eles se abraçam.

CENA 11. BOATE SEXUS. BAR. INTERIOR. NOITE:

Andréia está bebendo um drink. O celular dela toca e ela atende.

ANDRÉIA – Alô.

VALENTINO – (off) Saudades de mim, Andréia?

ANDRÉIA – Valentino?

Close na Andréia.

CENA 12. DELEGACIA. CORREDOR. INTERIOR. NOITE:

Tiffany e Gael entram no corredor e se aproximam da cela das gêmeas.

GAEL – Vocês ainda não se resolveram? Vamos parar com isso, pelo amor.

LAURA – É o que eu mais quero, mas ela…

LÚCIA – O que vocês estão fazendo aqui a essa hora?

GAEL – Eu falei com o Victor.

LÚCIA – Impossível, a Marilda matou ele.

GAEL – Ele conseguiu fugir antes da explosão, o importante é que ele vai ajudar vocês a saírem daqui e mandou um beijo pro infiltrado.

LAURA – Então quer dizer que o infiltrado está entre nós?

CLOSES ALTERNADOS entre eles.

fimdocapítulo

Escrita por
Yuri Neves

Direção
Vinny Lopes

Realização
ADNTV Dramaturgia

ADNTV

Linha de Sangue – Capítulo 32 (Penúltima Semana)

linhadesanguelogopro

UMA NOVELA DE YURI NEVES

228 - Cópia - Cópia (6)

 

 

LINHA DE SANGUE – CAPÍTULO 32

CENA 01. DELEGACIA. CORREDOR. INTERIOR. DIA:

Laura e Lúcia dentro da cela, a primeira sentada e a segunda em pé. Gael e a Tiffany entram no corredor e se aproximam delas.

GAEL – Eu vim o mais rápido que pude.

TIFFANY – A gente vai tirar vocês daqui, mas dessa vez vai ser mais difícil. Não consegui que liberassem a fiança.

LAURA – A Marilda mexeu os pauzinhos dela pra gente está aqui.

LÚCIA – Ela disse que nunca faria mal pra mim e agora isso.

LAURA – Só você não entende que ela só pensa em duas coisas: dinheiro e nela mesmo.

TIFFANY – Vamos focar no importante: os motivos apresentados pra vocês estarem aqui são motivos irrelevantes e eles não tem provas.

GAEL – A gente promete tirar vocês daqui até amanhã a noite.

Eles saem. Lúcia encara a irmã e vira o rosto pro corredor.

CENA 02. PENSÃO DA DALVA. SALA. INTERIOR. DIA:

Zeca está sentado no sofá olhando a TV. Som do objeto ligado.

JORNALISTA – (off) Se dias atrás o empresário Gael dos Anjos foi preso, hoje é a vez das gêmeas Laura e Lúcia. Lúcia é a sócia da Marilda e Laura é cronista da revista. Lembrando que ninguém sabia da existência da Laura até o aniversário delas. O motivo pela prisão não foi revelado a imprensa.

Zeca desliga a TV. Imaculada surge atrás dele.

IMACULADA – Não se preocupe, tudo vai dá certo.

ZECA – Eu sei que vai, mas está tudo tão estranho.

IMACULADA – A vida é assim.

CENA 03. MANSÃO CAMPOS MELO. COZINHA. INTERIOR. DIA:

Maria e Tales estão assistindo TV.

TALES – Só acho que está na hora de você me dizer quem é o infiltrado.

MARIA – Eu teria que te matar depois… Já disse que não posso dizer agora.

TALES – Mas as gêmeas foram presas e nós precisamos tirar elas de lá.

MARIA – Para com essa mania que de querer salvar todo mundo.

TALES – Quando a Marilda descobrir a verdade… eu não quero nem está presente.

Ele sai.

CENA 04. SEDE DA MUJER. CORREDOR. INTERIOR. DIA:

Marilda sai do elevador e se aproxima da secretária com um sorriso no rosto.

MARILDA – Bom dia.

SECRETÁRIA – A senhora está de bom humor?

MARILDA – É lógico. Helena morreu, as gêmeas na cadeia e o Gael fora da revista. É um sonho virando realidade.

SECRETÁRIA – Achei que a senhora gostasse do Gael.

MARILDA – Quantas vezes eu tenho que dizer isso? O amor acabou quando ele fez mal pra mim. Agora que se foda.

Ela entra na sala e fecha a porta.

CENA 05. STOCK-SHOTS. EXTERIOR. DIA-NOITE:

O dia se vai e a noite chega. Pessoas e carros indo e vindo nas ruas de São Paulo.

CENA 06. DELEGACIA. SALA DO DELEGADO. INTERIOR. NOITE:

Laura está sentada na cadeira. Gael entra e se aproxima dela.

GAEL – O delegado deixou você falar comigo por alguns minutos.

LAURA – Ótimo porque a gente precisa conversar.

GAEL – Qual é o seu plano?

LAURA – Nós precisamos achar o Victor, é o único jeito.

CLOSES ALTERNADOS entre eles.

CENA 07. DELEGACIA. CORREDOR. INTERIOR. NOITE:

Zeca está no corredor e Lúcia na cela. Conversa já iniciada.

ZECA – Eu estou tão preocupado contigo.

LÚCIA – Não fique. O importante é sair daqui.

ZECA – Aquele homem, o namorado da sua irmã… vai ajudar?

LÚCIA – Ele e a amiga dele, Tiffany. A Marilda está com muita raiva, eu entendo, mas ela passou do limites.

ZECA – Soube que ela acusou você de tráfico de pedras preciosas, de dá continuação ao negócio da sua mãe… E se for verdade?

LÚCIA – Será? Se for está tudo esclarecido. Eu sempre tive dinheiro, condições de vida por causa de um trabalho sujo.

Zeca pega na mão dela e a beija.

CENA 08. PENSÃO DA DALVA. SALA DE ESTAR. INTERIOR. NOITE:

Ambiente escuro. Zequinha desce as escadas segurando uma mochila.

ZEQUINHA – (baixo) Eu vou atrás da minha mãe.

Ele olha ao redor e sai.

CENA 09. MANSÃO CAMPOS MELO. SUÍTE PRINCIPAL. INTERIOR. NOITE:

Ambiente escuro. Marilda está deitada na cama, dormindo. Gael entra e acende a luz. Ele senta na cama e toca a perna dela.

MARILDA – (grita) Ahhhhhh! Que merda é essa Gael?

GAEL – A merda é que eu preciso saber como você conseguiu que prendessem a Laura e a Lúcia?

MARILDA – (cantarola) Brasil, meu Brasil brasileiro. Dinheiro, é lógico.

GAEL – A gente vai te derrubar Marilda. Nós vamos arranjar um jeito.

MARILDA – Como? (ri) Eu quero saber, me diz. Se você falar dos desvios da Mujer, você se ferra junto. Se você falar da queda da viga, você se ferra junto. Se o Tales disser da tentativa de assassinato da Laura, ele se ferra junto.

GAEL – Tem que ter alguma coisa e eu vou achar.

Ele levanta e sai.

MARILDA – (berra) Boa sorte!

CENA 10. MANSÃO CAMPOS MELO. COZINHA. INTEIROR. NOITE:

Maria está sentada na mesa, cochilando. Gael entra na cozinha e toca no ombro dela.

MARIA – (sonolenta) Olá.

GAEL – Trate de acordar e me responda: onde tá o Victor?

fimdocapítulo

Escrita por
Yuri Neves

Direção
Vinny Lopes

Realização
ADNTV Dramaturgia

ADNTV

Linha de Sangue – Capítulo 31 (Penúltima Semana)

linhadesanguelogopro

UMA NOVELA DE YURI NEVES

228 - Cópia - Cópia (6)

 

 

LINHA DE SANGUE – CAPÍTULO 31

CENA 01. DELEGACIA. FRENTE. EXTERIOR. NOITE

Gael encara a Marilda.

MARILDA – Diz logo com que ela trabalhava?

GAEL – Eu e ela trabalhávamos juntos num esquema. Eu pega e dava a ela para ela vender em Minas Gerais. Os ricos eram os nossos melhores clientes. Eles gastavam rios de dinheiro.

MARILDA – Droga?

GAEL – Não… a gente vendia pedras preciosas. Diamantes, esmeraldas, pérolas, cristais, rubis. Todo tipo de pedra.

MARILDA – (ri) Ela era burra! Nem pra pegar umas pedras.

GAEL – O trabalho dela era fingir ser uma coisa que não era, mas ela fingiu muito bem. Criou vínculos, criou uma filha.

MARILDA – Eu pensava que era outras coisas. Drogas, tráfico de mulheres ou bebês.

GAEL – Agora me diz: pra quê você precisava saber disso?

MARILDA – Curiosidade.

Ela o beija e sai. Gael a encara se distanciando dele.

CENA 02. HOSPITAL. CORREDOR. INTERIOR. NOITE

Bed of Lies – Nicki Minaj

Leandro falando ao celular frente ao quarto da Helena.

LEANDRO – Mas eu acho que ela está bem sim.

JULIANO – (off) Tomara que esteja. Eu tenho me sentido…

LEANDRO – (corta) …culpado. Eu sei como é.

JULIANO – Talez quando tudo isso acabar, a gente poderia formar um triângulo.

LEANDRO – Nós já somos um triângulo, mas te entendo bem… sexo à três.

Eles riem.

CORTA RÁPIDO PARA/

CENA 03. HOSPITAL. QUARTO. INTERIOR. NOITE

Sonoplastia continua

Helena está se mexendo na cama. Ela tenta alcançar o botão de socorro, não consegue. Ela põe a mão no coração e grita.

HELENA – (grita) Socorro! Socoooorro!

Leandro entra correndo com o celular em mãos.

LEANDRO – O que houve?

HELENA – Eu estou morrendo.

LEANDRO – Não, por favor, não. Eu vou chamar um médico, enfermeiro.

HELENA – Não! Eu quero morrer ao seu lado.

LEANDRO – (começa a chorar) Ok, ok meu amor.

HELENA – Cala a boca e me escuta: eu te amo, sempre te amei. Eu topei fazer esse casamento por amor a você… e pelo dinheiro.

LEANDRO – Eu sei.

HELENA – Eu mandei você calar a boca! Mas eu sei que você nunca sentiu nada por mim. Era só amizade, mas eu nunca me importei com isso e depois você só continuou no casamento por pena.

Leandro limpa as lágrimas e segura a mão dela.

HELENA – Para de pensar em mim! Pense em você. Fique com o Juliano, namore o Juliano, tenha filhos com o Juliano. Vocês se amam, é nítido.

LEANDRO – Desculpe por nunca poder retribuir o seu amor por mim, mas não era pena. Eu queria cuidar de você,

HELENA – Era pena, eu sei que era. Boa noite meu amor.

Ela fecha os olhos e o Leandro desaba em chorar. Ele agarra a mão dela e grita.

CENA 04. STOCK-SHOTS. EXTERIOR. NOITE-DIA

Sonoplastia continua

Uma noite acelerada se vai e chega um dia tranquilo. As ruas de São Paulo se iluminando, carros e pessoas passando.

CENA 05. DELEGACIA. SALA DO DELEGADO.INTERIOR. DIA
MUSIC FADE. Marilda entra na sala com o delegado. Ela senta e ele senta ao seu lado.

DELEGADO – Fico muito feliz com a sua visita.

MARILDA – E eu fico feliz em visitá-lo… a questão é que eu preciso de ajuda.

DELEGADO – O que aconteceu dessa vez?

MARILDA – Duas meninas passaram a perna em mim e eu preciso que elas sejam presas.

DELEGADO – O que elas fizeram?

MARILDA – Elas armaram pra mim, chamaram um homem pra me matar. E além disso, uma deleas é filha de uma mulher que traficava pedras preciosas e eu acredito que ela continua o negócio da mãe.

DELEGADO – Meu deus! Um caso e tanto… eu faço, mas o que você tem pra mim?

MARILDA – Meu corpo, dinheiro… O que você quer?

DELEGADO – Está sabendo que eu vou concorrer a deputado federal? Eu quero um dinheiro pra campanha.

MARILDA – Deposito na sua conta fofo.

Ela o beija e sai.

CENA 06. BOATE SEXUS. SALÃO. INTERIOR. DIA

Gael se despede de umas garotas e após, caminha até a Laura e a Andréia.

GAEL – É triste perdê-las pra outra boate.

ANDRÉIA – É a vida, é melhor do que você preso.

LAURA – No que a prefeitura vai transformar?

GAEL – Em porra nenhuma porque eu comprei de volta. A boate é minha novamente e eu quero abrir outra coisa.

ANDRÉIA – Restaurante é uma boa.

GAEL – (bufa) Odeio servir comida.

LAURA – Hotel?

GAEL – E ter que aguentar crianças pulando e gritando pelos corredores? Nem morta!

ANDRÉIA – Sem ideias.

LAURA – Idem.

GAEL – (bufa) Sabe o que é? Eu não quero perder a boate. Eu cuidei tão bem dela pra Marilda destruir tudo? Que ódio!

Ele sai enfurecido.

CENA 07. MANSÃO MEDEIROS. SALA DE ESTAR. INTERIOR. DIA

Leandro está sentado no sofá, bebendo. As empregadas o olham da escada.

EMPREGADA 01 – Coitadinho.

EMPREGADA 02 – Coitado porra nenhuma. Quando a mulher tava aqui, ele cagou e agora que ela morreu tá chorando.

EMPREGADA 01 – Cala a boca

EMPREGADA 02 – Cala você. Eu vou voltar ao meu trabalho.

Elas saem. Leandro chora e bebe, arrasado.

CENA 08. PENSÃO DA DALVA. SUÍTE DO JULIANO. INTERIOR. DIA
Juliano está deitado na cama, triste. Imaculada entra no quarto e se aproxima.

IMACULADA – Não vai se mudar lá pro quarto do Ivan?

JULIANO – Eu acho que vou sair do país.

IMACULADA – Eu soube que ela morreu. Saiu nos jornais.

JULIANO – Eu me sinto tão culpado Ima.

IMACULADA – Você é humano e errou. Se fosse eu já estaria nos braços dele, consolando-o.

JULIANO – Eu não sou assim.

IMACULADA – Eu sei, estava brincando.

JULIANO – O pior é que eu ouvi ela dizendo que queria a gente junto, mas eu não consigo. Não agora.

IMACULADA – E vai fugir?

JULIANO – Eu faço isso Ima. Eu fugi de Taubaté, estou fugindo daqui e vou fugir de novo. Eu sempre faço isso.

Imaculada se abaixa e o beija.

IMACULADA – Pensa bem no que você vai fazer.

Ela sai e ele encara o nada, pensativo.

CENA 09. PEMSÃO DA DALVA. SUÍTE PINHEIRO. INTEIROR. DIA

Zequinha está deitado na cama, todo encolhido. Zeca entra e senta na cama. Ele toca na perna do Zequinha.

ZEQUINHA – Não estou falando contigo.

ZECA – Está falando agora… eu só quero que entenda que isso por nós.

ZEQUINHA – Me deixa dormir, por favor.

ZECA – Ok, mas quando quiser conversar… já sabe.

Zeca levanta e sai.

CENA 10. STOCK-SHOTS. EXTERIOR. DIA-NOITE
Bon Jovi – Livin’ On A Prayer

O dia se vai e uma noite iluminada chega. Uma Lua Cheia no céu, carros e pessoas passando pela rua.

CENA 11. MANSÃO CAMPOS MELO. INTERIOR. NOITE

Sonoplastia continua

Maria está conversando com dois policias. Marilda está sentada na escada, sorrindo. Lúcia entra e os policias a encaram.

POLICIAL – Lúcia Moreira?

LÚCIA – Eu.

POLICIAL – Você está presa por tentativa de assassinato e tráfico de pedras preciosas.

LÚCIA – O que? Porque?

Ela encara a Marilda que pisca pra ela. Os policiais levam a Lúcia.

MARILDA – Revenge.

MARIA – Eu achei que nunca faria mal a Lúcia.

MARILDA – O amor acabou quando ela fez mal pra mim. Agora que se foda.

Marilda levanta e sobe as escadas.

CENA 12. BOATE SEXUS. BAR. INTERIOR. NOITE

Sonoplastia continua.

Laura e Gael estão sentadas no bar. Dois policias entram se aproximam deles.

LAURA – No que posso ajudar?

POLICIAL – Laura Duarte dos Santos?

LAURA – Exato.

POLICIAL – Você está presa por tentativa de assassinato e formação de quadrilha.

LAURA E GAEL – (juntos) Marilda!

Eles se encaram.

O que a Elvira fazia?

Quem a matou?

Quem é o infiltrado?

ÚLTIMOS CAPÍTULOS DE LINHA DE SANGUE

 

fimdocapítulosegunda

Escrita por
Yuri Neves

Direção
Vinny Lopes

Realização
ADNTV Dramaturgia

ADNTV