Desejo Insano | Episódio 10

10° episódio: O fim do desejo – parte dois.

ANTERIORMENTE:

– Eu vou deixar tudo para duas pessoas!

– Acho melhor você voltar pra cama, você tossiu muito!

– Patrick, chame o segundo beneficiado para cá… Eu quero vê-lo antes de morrer!

***

A chuva caia em todo Rio de Janeiro, durante toda a semana algumas áreas isoladas encheram. O prefeito do estado decreta situação de risco. Por causa da chuva, a empresa Isumu’s não abriu, o dono da mesma continua deitado em sua cama, a cada dia pior.

– Como ele está? – pergunta um homem loiro.

Señor Patrick, se eu fosse você daria o que ele quer, eu só posso asegurar mais uma coisa: ele não passa dessa semana! – a médica espanhola que fora contratada especialmente para o Leo se retira do quarto.

– Trazê-lo para cá só vai aumentar o rebuliço, mas eu faço! – Patrick sai da porta do quarto e vai até o quarto de hospedes, local onde ele tem dormido esses dias.

Patrick entra em seu aposenta e bebê um copo conhaque. Ele pega o telefone e liga para o seu mensageiro.

– Ligue para alguém da embaixada da Polônia diga que o senhor Leonan Berg precisa de um favor, e é pra ontem!

***

Eurico chega a casa, meio abestalhado, ele entra seguido por Priscila que assim como ele bebeu além da conta. Eles se abraçam e se tacam no sofá.

– Essa foi uma das melhores semanas da minha vida, obrigado Priscila por me fazer esse enorme favor! – Eurico olha fixamente nos olhos da empregada.

– Eu só fiz mais do que a minha obrigação! – o telefone toca e Priscila vai atender. – Embaixada? Qual aí que eu vou chamá-lo! – ela passa o telefone para o Eurico.

– Alô, ir ao Brasil? O Leo está morrendo? Eu tô indo! – Eurico desliga e se senta no sofá, Priscila começa a abaná-lo. – Eu preciso que você consiga uma passagem pro Brasil, ligue pra tudo quanto é lugar, eu dou tudo o que eles quiserem, mas eu preciso ir hoje para o Rio de Janeiro.

***

As horas se passam, o coração de ambos está acelerado. Leonan está morrendo, falta ar para os seus pulmões, a médica espanhola faz de tudo. Ela liga para o seu superior.

– ¡Tengo que inyectar ese tiro! Ya sé, ya sé, ya sé que no ha sido probado por la medicina, pero este hombre necesita un par de horas más… ¡Voy a hacer!‘Eu preciso injetar aquela injeção! Eu sei, eu sei, eu sei que ela ainda não foi comprovada pela medicina, mas esse homem necessita de mais algumas horas… Eu vou fazer!’Ela desliga o telefone e continua o procedimento não indicado.

No avião, Eurico está nervoso, acaba de perder mais alguns euros ao negociar um vôo que não estava preparado para ser realizado.

***

As horas vão se passando ainda mais, a médica espanhola desce as escadas. Ela vai até a sala de estar e lá se encontram com toda a família. Patrick se levanta e vai até ela.

– E aí?

– Eu fiz tudo o que estava ao meu alcance, aplicou uma inyección, tudo! É melhor ir preparando o velorio, daqui alguns minutos él morirá! – a campanhia toca e Patrick vai atender.

– É aqui que o Leo mora? – Eurico com muitas lagrimas nos olhos é recebido com um abraço de Patrick. – Eu cheguei tarde demais? Eu posso me despedir dele?

– Ela vai te acompanhar. – Eurico sobe as escadas e a médica o leva até o quarto. Patrick volta pra sala e olha para a família. – Parabéns, vocês conseguiram matar o meu amigo!

– Quem era aquele homem que subiu as escadas? – pergunta Bárbara.

– Aquele é o único homem que o Leo conseguiu amar!

***

Eurico entra no quarto e se depara com um Leonan diferente daquele que conhecerá na Alemanha. Ele beija a mão do seu eterno amor, e eles se olham fixamente, acompanhado de um sorriso de ambos.

– Não fala nada, eu sei que você está indo! Eu só quero te dizer que nas duas vezes que você passou mal, eu ficava fazendo carinho no seu rosto e pensando: com esse menino é lindo! – Eurico para e enxuga as lagrimas. – Eu te amo!

– Eu – para. – te amo! – Leonan olha para o seu amor e aos poucos vai fechando os olhos.

– Descanse em paz.

***

Após o enterro, todos entram na mansão. Bárbara e os seus filhos estavam felizes, finalmente saberiam que está com a maior parte das ações. Patrick e Eurico estavam de mãos dadas, os únicos que realmente se importam com o Leonan. O advogado da família, o seu Gustavo chega.

– O senhor Leonan Berg não quis fazer um texto, envés disso ele pediu para o senhor Patrick para contar um pouco mais da amizade entre ele e o convidado de honra, o Eurico! – Gustavo senta na cadeira e dá a palavra ao Patrick.

– Eu sei só a parte do Leo, então, Eurico me corrija se eu estiver errado. O Leonan conheceu o Eurico em 1945, em meio ao fim da Segunda Guerra e ao começo da Guerra Fria! – Patrick limpa as lágrimas que há em seus olhos. – Foi amor a primeira vista, o Leo passou mal e o Eurico o levou para o hospital, o mesmo incidente aconteceu após… Mas eles nunca se tocaram nada mais que um abraço, mas eles se amavam!

– Acho que já chega, ninguém aqui precisa saber das safadezas de meu marido! – Bárbara finge chorar.

– Já dada às devidas explicações, vamos direto ao ponto: “Eu Leonan Berg deixo toda a minha empresa e todas as suas filiais nas mãos do Patrick, sei que ele cuidará da Isumu’s como se fosse dele!” – Gustavo para a leitura com o grito de Anjo.

– Eu não admito que aquele aidético filho da mãe deixe tudo pra esse prostituto! – Anjo, que até então não se importava com a herença, ficou irritado.

– Continuando: “Eu sei que nesse momento, meu querido filho deve está irritado, mas como a empresa está na mão do Patrick, ele pode ser bonzinho e dá um cargo ao Anjo.” – Gustavo novamente é interrompido, dessa vez pela Bárbara.

– Mas, pelas leis o Leo é obrigado a deixar algo para o filho!

– Não examente, o Leonan deixou algo para o filho, eu como dono da empresa posso contratá-lo, ou seja, o Anjo não ficará de mãos abanando. – Patrick exclare a situação e Bárbara abraça ao filho.

“Indo a minha querida filha, Isa que quer tanto ir pra Paris estudar moda, eu deixo o meu singelo boa sorte, que ela consiga uma vaga!” – Isa se enfurece e pega o testamento das mãos do advogado e lê novamente essa parte, ela então rasga o testamento.

– Quero ver quem vai continuar lendo essa merda! – Isa taca o papel na lareira.

– Isa querida, seu meu pai me preveniu de tudo. Temos várias cópias desse testamento! – Patrick dá um grande sorriso para ela.

– Aonde eu parei? Ah sim: “Fica calma filha, não rasge o testamento! Quanto a minha mulher, eu deixo apenas um obrigado, obrigado por aturar as minhas fugidas, os meus homens rondando a minha casa!”

– Foi nessas chifradas que você pegou AIDS seu nojento! – Bárbara tira a máscara de boa esposa e se revela.

“É eu sei que nessas traições eu peguei doenças, mas eu me diverti tanto! Quanto ao meu único amor, o Eurico, eu deixo a minha fortuna em objetos, automoveis e residências, que está avaliado em cem milhões de reais! Divirta-se meu lindo!” – Gustavo encerra o seu trabalho e sai da casa.

– Acho que tá na hora de vocês sairem daqui! Quanto ao Anjo, você tem o cargo de secretário te esperando na Isumu’s! – Todas saem da casa. Patrick abraça ao Eurico e os dois caem em lagrimas.

***

O longo dos anos, a Isumu’s se tornou a melhor empresa do mundo. Patrick enrequeceu o matrimonio da empresa, ele acabou se casando com a Vitória e com ela teve filhos.

Isa conseguiu uma bolsa na faculdade de moda em Paris, mas nunca teve um grande exito na sua carreira, ela se casou com o Márcio.

Anjo saiu da Isumu’s anos depois e foi trabalhar na empresa concorrente, mas nunca conseguiu sair do cargo de gerente. Ele se casou com a dona da empresa, Julia, que faz dele de gato de sapato.

Bárbara morreu atropelada anos depois.

Eurico e Priscila abrindo um relacionamento aberto, eles se gostam, mas cada um sai com quem quiser a hora que quiser. Eles vivem viajando o mundo.

“Eu queria era conseguir deixar você”

– Brokeback Mountain.

Anúncios

Desejo Insano | Episódio 9

9° episódio: O fim do desejo – parte um.

QUARENTA ANOS DEPOIS:

O dia chega ao Brasil, o ano de 1985 acaba de nascer. Leonan que passará todo o ano novo e Natal em sua cama sofre a cada dia. Um jovem homem entra pela porta seguido de uma médica. Ele se senta ao lado de Leo e médica o examina.

– Leo como você está? – pergunta o até o homem que é muito intimo do enfermo.

– Patrick… Eu estou ótimo, eu só estou morrendo! – Leonan pega na mão de seu amigo e desabafa. – Eu estou pronto para fazer o meu testamento e eu quero que você seja a minha testemunha!

– Testamento pra que? A AIDS não irá te matar, ela não vai te matar!

– Por favor, eu quero fazer o meu testamento!

***

Bárbara e seus dois filhos tomam café na grande casa que pertence ao Leo. Ela olha atentamente para os filhos e suspira.

– Espero que o Leozinho esteja melhor, eu quero tanto voltar a dormir com ele!

– Não seja ridícula, o papai não vai te passar AIDS com um toque, ele só não pode fazer sexo com você! – Anjo se levanta da mesa, ele é ambicioso, quer o dinheiro do pai, mas é o que menos se interessa.

– Ás vezes fica difícil te entender, Anjo, você quer essa grana tanto quanto nós! Você quer ter a empresa, eu quero o meu curso de… – Isa não consegue terminar a frase, Leonan que descia as escadas com a ajuda de Patrick a interrompe.

– Se depender de mim nenhum de vocês realizará os seus desejos! Se tiver uma coisa que eu me arrependo é de ter casado com a Bárbara e de vocês como filhos, o meu testamento será feito agora! – ao terminar de descer as escadas, ele se senta numa cadeira de rodas.

– Mas meu amor, você já tinha feito um! – Bárbara vai até o Leo e toca em seu rosto, Patrick segura a mão dela.

– Na época que eu fiz esse eu não tinha noção do que vocês iriam se tornar e eu também não havia conhecido o Patrick!

– Você vai deixar tudo pra esse gigolô? – pergunta Isa.

– No dia da leitura, você saberá!

***

Eurico, agora com 58 anos caminha pela casa deixada de herança pela sua tia. Ele se senta e liga a televisão. Uma mulher, um pouco mais nova do que ele entra na casa e vai até o Eurico.

– Eu te dei folga, o que está fazendo aqui Priscila?

– É primeiro de Janeiro e o senhor fica aí, sentado, vendo TV? Vamos agir, vamos sair!

– Priscila você sabe muito bem que o meu pulmão não me deixar sair!

– O seu pulmão não te deixa fumar, mas sair ele deixa!

Ela levanta o patrão e o leva pra trocar de roupa.

***

Leo entra no seu escritório e fica ao lado do Patrick, o advogado entra pela porta e se senta olhando para eles.

– Bom, eu não quero fazer textos, recomendações, nada disso! Eu quero ir direto ao ponto. – ele tosse um pouco e toma um copo d’água. – Eu vou deixar tudo para duas pessoas.

Patrick e o advogado se assustam, Leonan começa a falar como deve ser repartido e após terminar ele dá um beijo em Patrick. O advogado sai do escritório e eles continuam.

– Acho melhor você voltar pra cama, você tossiu muito.

– Patrick, chame o segundo beneficiado para cá… Eu quero vê-lo antes de morrer!

FIM DO EPISÓDIO.

Desejo Insano | Episódio 8

8° episódio: A morte da alma.

O navio que acabou de sair da Alemanha levando várias pessoas para conhecer a tão sonhada América. Entre essas pessoas, está o Leo e sua mãe. Georgia se levanta e vai até a ponta no navio, ela olha fixamente pra mala e a beija.

– Eu te amei, eu juro que eu te amei… Mas eu não deixaria você tocar no meu filho, como eu disse: o amor é um sentimento passageiro, a minha culpa também vai passar! Eu posso até ir pro Inferno, mas eu irei sabendo que eu não deixei você encostar-se ao meu filho. Adeus Breno! – Georgia taca a mala que continha todo o resto mortal de Breno.

***

O homem de sobre-tudo, também conhecido como Rodrigo olha para uma foto antiga que estava toda a sua família. Ele, Breno, sua mãe e o seu pai, ele nunca fora feliz, mas fingia. Sabia que de noite seria estuprado pelo irmão, mas sempre estava sorrindo. Rodrigo mudou com o tempo, se tornou mais frio e com sede de vingança. O seu telefone toca, fazendo-o sair do transe.

– Morreu? Tem certeza que o órgão é dele? – Rodrigo falava com o seu mandado, ele tinha achado um órgão genital masculino queimado, provavelmente Georgia se esquecerá de pôr na mala ou simplesmente deixou que toda a masculinidade de Breno queimasse. – Tá bom, você está dispensado!

Tudo que ele veio fazer na Alemanha tinha sido feito por outra pessoa, talvez ele abusasse da mulher ou do filho e um desses resolveu se vingar, Rodrigo só pensava nisso desde que desligou o telefone. Não havia mais o que fazer. Ele foi até o seu quarto e pegou um revolver e sem pensar duas vezes atirou em seu peito.

***

Os dias vão se passando e finalmente Leo e sua mãe chegaram ao Brasil. Eurico e sua família chegaram à Polônia. Uma nova vida começava para ambos.

Eurico ficou morando de favor na casa de sua tia junto com a sua família, é claro. Ele espera todos saírem para fazer compras e vai até o telefone residencial da casa que era mil vezes maior do que a antiga.

– Alô, amiga. É o Eurico, eu preciso muito falar contigo!

– Oi, como é aí na Polônia?

– É legal, mas e a família do Leonan, você sabe se eles estão bem?

– Pelo que eu sei, a casa deles pegaram fogo e o que as fofoqueiras estão dizendo é que o Breno morreu queimado!

– Nossa, mas e ele?

– Fugiu com a mãe, o viram pegando o navio pra África, mas eu não sei se é verdade! Porque tem gente falando que ele foi pra América, agora, eu não sei qual é a verdade… Mas não fica assim não, curte a vida aí. Beijos!

Ela desliga, essa foi à última vez que ele falou com ela. Jhona morreu anos depois, por overdose.

***

O tempo foi se passando, dona Georgia começou a ter alucinações e confessou a seu filho que matou o Breno, o que não abalou o “novo” Leonan. Leonan virou um empresário importante e se tornou frio com a vida, como manda as regras da boa sociedade, ele se casou e teve filhos. A mulher se chama Bárbara e os filhos: Anjo e Isa, ambos sedentos pelo dinheiro dele.

Eurico, por outro lado, perdeu os pais logo após a ida pra Polônia, dona Célia morreu de ataque cardíaco e o pai por negligência médica, após ser internado com principio de derrame. Ele cresceu ao lado da tia rabugenta que perdeu todo o seu matrimônio no jogo do Bingo. Eurico sabe que terminará na ruína, sem nunca conhecer um amor ou tê-lo de volta.

“Não me deixe ir, posso nunca mais voltar!”

– Clarice Lispector.

Desejo Insano | Episódio 7

7° episódio: Acabou!

Noite só fica mais sangrenta com o tardar. Georgia entra no seu quarto segurando uma faca. Ela chega perto de seu marido e não pensa duas vezes e começa a esquartejá-lo. Breno começa a ser cortado em pedaços. Ao fim do ato, a mulher guarda todos os pedaços numa sacola de papel. Ela taca fogo na cama e nas cortinas, a casa começa a desmoronar.

No porão, Leonan sente o cheiro de fumaça e começa a ficar aflito. Georgia vai até lá segurando a sacola e solta o filho. Eles se abraçam.

– Cadê o Breno? – pergunta o Leonan fingindo preocupação com pai.

– Sumiu! Vamos embora.

Eles saem de casa, entram no carro da família e saem em alta velocidade. Em pouco tempo, a casa explode.

***

O dia chega. A Alemanha está aos caos, em cada canto um militar americano. O governo alemão fugiu, desistiu. Os Estados Unidos dominou todo o lugar. Um homem de sobre-tudo preto chega à praça mais importante de Berlim. Ele entra num carro e cumprimenta o homem que estava ali.

– Tudo certo?

– Deu tudo certo chefia exceto uma coisa, o Breno e a família desapareceram, a casa pegou fogo e ninguém os viu saírem!

– Droga! Aquele viado… Ache ele, esqueça a mulher e o filho, o importante é o Breno.

– O que você quer tanto com ele?

– Eu sou o irmão dele e ele vai me pagar pelo o que ele me fazia passar… Toda aquela humilhação.

FLASH BACK – 1910:

O irmão de Breno está saindo do banho, Breno chega até ele e começa e a agarrá-lo. Breno começa a beijá-lo a força. Os dois são apenas crianças, mas Breno não tinha coração. Breno começa a prenetrá-lo, o irmão grita e pede socorro, mas nada adianta.

FIM DO FLASH BACK:

Leonan e sua mãe chegam ao cais do porto. Georgia ainda com a sacola na mão, para diante do navio e olha para o filho.

– A gente precisa sair daqui e a única chance é entrando nesse navio. – Ela para, respira e continua. – Você vai despistar o guarda enquanto eu entro e depois você entra também… Entendeu?

– Sim, mas eu não quero ir… Eu quero viver aqui ao lado dele… Do Eurico!

– Amor é um sentimento passageiro, a gente sente e depois passa… Faça o que eu mando.

Leonan fez tudo o que sua mãe pediu e tudo deu certo e eles conseguiram embarcar sem mais problemas.

***

Eurico termina de arrumar as malas e olha para sua mãe e seu pai.

– Pra onde nós vamos?

– Para Polônia… Entrar na fronteira e fazer de tudo para ser feliz! – Diz o Hélio, pai de Eurico, acreditando que pode existir um final feliz.

– Eu posso passar num lugar antes?

– Meu filho, não há tempo para nada começou a chamada Cold War! – Disse dona Célia, já pronta pra ir embora.

Sem mais delongas, eles pegam as malas e vão embora.

***

Com seus destinos sendo cruzado para sempre, cada um vai para um lado. Georgia e Leonan vêm para o Brasil e a família de Eurico vai para Polônia.

O destino será capaz de uni-los novamente?

FIM DO EPISÓDIO.

Desejo Insano | Episódio 6

6° episódio: A guerra pelo poder.

Uma marcha de aproximadamente 10 mil pessoas ou até mais. Judeus, brancos, negros, católicos, gente de todo tipo, estilo e forma. ‘Respect’ essa é a palavra de ordem, é o que todo mundo quer. Em meio a Berlim, no ano de 1945, ano esse que termina a Segunda Guerra e que começa a Guerra Fria. Pessoas, muitas pessoas em busca da tão sonhada liberdade.

Caminhando contra o vento

Sem lenço, sem documento

No sol de quase dezembro

Eu vou

O sol se reparte em crimes,

Espaçonaves, guerrilhas

Em cardinales bonitas

Eu vou

Dois homens vestindo um sobre-tudo preto e a única coisa com cor em seu corpo é o bracelete que há em seus braços.

– Was zum Teufel ist hier los? – ‘Que diabos está acontecendo aqui?’ diz um dos homens e continua. – Sie denken, sie sind wo? – ‘Eles pensam que estão aonde?’ perguntou.

– Lasst uns töten sie eins nach dem anderen! – ‘Vamos matá-los um por um!’ afirmou.

– Töten ist zu einfach, wir machen ihnen zu leiden. – ‘Matar é muito fácil, vamos fazer eles sofrerem.’

I found the one, he changed my life

But was it me that changed

And he just happened to come at the right time

I’m supposed to be in love

But I’m not mugging

Whatever it is, it feels like it’s laughing at me

Through the glass of a two-sided mirror

Whatever it is, it’s just sitting there laughing at me

And I just wanna scream

Leonan e a sua família estão ouvindo um jornal ao vivo por meio de um rádio. Todos já sabendo o que está acontecendo. Um jornalista faz uma entrevista no meio da passeata com um dos representantes.

– Qual é o objetivo desse movimento?

– Nós só queremos a nossa liberdade. – diz o homem que tem uma voz igual ao do Eurico

Leonan se assusta, reconhece essa voz, sabe quem é. Sua aflição é interrompida pelo ato grosseiro de seu pai. Breno pega o rádio e taca no chão, o quebrando.

– Não intendo a preocupação de vocês… Deixa esse povo morrer tudo! Bando de ridículos tomará que tudo isso morra queimado!

– Ridículo é você! – Leonan aumenta a voz e continua. – Eu cansei, eu cansei… Eu não sou obrigado a viver num lugar como esse!

– Filho é a nossa casa, nossos ensinamentos de nazistas! – Disse a dona Georgia, não entendo nada.

– Nazista? Desde quando você é nazista? Você só casou com um, infelizmente… Eu amo você, mas eu não sou obrigado a ficar num lugar assim! EU NÃO SOU NAZISTA, EU NÃO SOU PRECONCEITUOSO! EU SOU GAY!

Breno que estava nem um pouco preocupado com o filho, vai até ele e bate dá um soco nele. Leonan cai no chão, Breno sobe em cima dele e começa a socá-lo. Toda a fúria desse homem que se diz pai dele é posta no rosto do filho. Georgia sem saber o que fazer grita.

– Viado. VIADO! Morra, seu mostro. Morra. EU TE ÓDIO! – Grita Breno com toda sua raiva enquanto quebra a cara de seu filho.

Ele se cansa, se levanta e pega o filho pelos cabelos e o leva para o porão e lá Leonan é trancado. Ele sobe as escadas e vai para o quarto, Georgia vai atrás.

You’re so mean
When you talk, about yourself
You’re wrong, change the voices
In your head
Make them like you instead
So complicated
Look how we are making
Filled with so much hatred
Such a tied game
It’s enough, I’ve done all I can think of
I’ve chased down all my demons
I see you do the same
Oooh oooooh

ESTADOS UNIDOS:

Um homem se senta a sua cadeira de couro e liga para o seu funcionário.

– Tomorrow two ships go there. – ‘Amanhã dois navios entrar lá. ’ e continua. – Kill them all! – ‘Matem todos!’

ALEMANHA:

Breno está vermelho de raiva, não acreditava que isso estava acontecendo. Georgia entra no quarto do casal, chorosa. Apesar de ser muito católica e não aceita esse tipo opção sexual, ela não é capaz de negar o seu filho.

– Eu não acredito que você fez isso! Ele é o nosso filho.

– Ele era o meu filho! Gay? Eu tenho um filho gay? Eu vou matá-lo assim que o dia amanhecer. – Breno deitasse na cama e se põe a dormi.

– No meu filho você não encosta!

Georgia sai do quarto, decida a fazer o que veio em sua mente. Ela não deixaria o matar a sua cria. Ela está certa que matar o seu cônjuge é a única alternativa.

Quem sabe eu ainda sou uma garotinha

Esperando o ônibus da escola sozinha

Cansada com minhas meias três-quartos

Rezando baixo pelos cantos

Por ser uma menina má

A marcha continuava, porém o povo começava a sentir medo. De um lado 10 mil pessoas querendo mais respeito de outro 25 policiais com armas de fogo.

– Voltem para casa de vocês e nada será feito! – Disse o único policial que fala português.

– A gente só quer o melhor pra nossa sociedade. Os nazistas entraram na sua vila e destruirão tudo e está rolando boatos que o próximo ataque será na vila dos negros! Até quando isso vai acontecer? – Eurico se põe a frente novamente e explica os motivos da marcha.

– Essa informação é secreta, mas a Alemanha está toda fodida! Quando eles perderam a Segunda Guerra e Hitler acabou, os Estados Unidos quer essa porra toda e se eu fosse vocês eu sairia daqui o quanto antes! – Aconselhou o policial e continua. – Tá vendo aqueles policiais negros lá trás? Eles serão os primeiros. Os que ficaram na frente de todos e é óbvio morreram primeiro. Acabou a nossa União se fodeu!

– Você está nos aconselhando a fugir? A parar de lutar pelos nossos direitos?

– Não, mas é o melhor que eu posso fazer. Minha mãe é judia e eu queria muito ajudar, mas eu não posso! Saía daqui jovem, fuja antes que seja tarde demais.

Obedecendo ao conselho toda marcha volta pras suas vilas e casas. Os policiais voltam e o bondoso homem liga para o novo chefão da corporação policial.

– All das normale. – ‘Tudo ao normal. ’

***

No dia seguinte, em meio ao litoral da Alemanha, os navios começam a chegar. Os guardas que habitavam o litoral estavam exaustos e isso é um prato cheio para os americanos que queriam mandar em tudo. Os navios param e muitos homens saem deles os guardas alemães tentam, mas não consegue. Todos morrem.

A Alemanha agora é dos americanos, por enquanto.

FIM DO EPISÓDIO.

Desejo Insano | Episódio 5

EPISÓDIO 04: Déjà Vu

Que maravilha é ninguém precisar esperar um único momento para melhorar o mundo.

– ANNE FRANK.

Eurico entra desesperadamente no hospital, carregando o Leonan. Ele o põe numa maca e chama o médico que atendera o menino frágil anteriormente. Tudo vem como um déjá vu na cabeça de Eurico, o mesmo desespero, a mesma tensão de antes. O médico leva o menino para uma sala na qual o Eurico não pode entrar.

Baby

Can you hear me

When I’m crying out for you

I’m scared oh, so scared

But when you’re near me

I feel like I’m standing with an army

I am armed with weapons

Breno e sua gangue do mal entram no bairro judeu e começa a quebrar as barracas das feiras, o comércio. As casas e os cortiços viram alvos de furtos e de depredação. Um dos caras mal encaradas o olha e vai até ele.

– A ordem é só roubar e destruir?

– A ordem é matar todos!

Pelos campos há fome em grandes plantações

Pelas ruas marchando indecisos cordões

Ainda fazem da flor seu mais forte refrão

E acreditam nas flores vencendo o canhão

Eurico está na frente do hospital que fica no bairro do Leonan, os homens de braceletes no braço o olham a todo o momento e reparam que ele não usa um bracelete. Um deles chega até ele e o entrega um e depois sai. Eurico coloca, apenas para se passar por um nazista. Ele pega a sua cigarrilha e acende.

Logo após ele jogar fora a cigarrilha, ele entra no hospital e vai direto ao quarto do Leonan, que agora já está bem.

– Ei, tudo bem?

– Estou, obrigado!

– Você não entende que isso te faz mal? Você se droga, não come e depois vai correr? Você quer morrer?

– E se eu quiser? Você vai deixar?

– Não, eu não te salvei? Então, eu deixarei você morrer! – Eurico dá uma pausa, se senta na cadeira e continua. – Porque você foi correr no meu bairro?

– Eu não gosto daqui, é tudo muito ruim, muito frio! E eu queria te ver… Virou Nazista, agora? – Disse Leonan, reparando no bracelete.

– Se eu não usar, eles pensam que eu sou do outro lado. Eu preciso ir agora, vê se não faz mais isso!

– Eu paro se você vier aqui sempre.

Eurico sorri, já é o bastante. Ele se vai e deixa o Leonan só, porém agora com esperança de vê-lo novamente.

Quem sabe eu ainda sou uma garotinha

Esperando o ônibus da escola sozinha

Cansada com minhas meias três-quartos

Rezando baixo pelos cantos

Por ser uma menina má

Quem sabe o príncipe virou um chato

Que vive dando no meu saco

Quem sabe a vida é não sonhar

Os homens saem deixando tudo destruído, arrasado. Tudo virou um Inferno, por causa de um amor impossível. Eurico se depara com um verdadeiro descaso, ele entra em casa, desesperado e encontra os pais arrasados.

– O que aconteceu?

– Esses filhos da mãe, vieram aqui e destruíram tudo. Roubaram as casas e alguns que enfrentaram eles foram mortos! – Disse Hélio, como sede ódio nos olhos.

– Filho nós tomamos uma decisão, nós vamos embora. Vamos sair da Alemanha, Hitler morreu, e tudo continuou a mesma coisa e eles até falam em uma Cold War! Eu não quero abandonar a nossa raça, mas também não quero ver você morto. – Pela primeira vez, Célia decide abandonar a sua crença.

– Sério? Vocês vão desistir, podendo lutar? Podendo vencer essa guerra. O nosso maior inimigo já foi embora, o que vier agora não será nada.

– Você está certo. – Disse Hélio, se juntando ao filho.

Caminhando contra o vento

Sem lenço, sem documento

No sol de quase dezembro

Eu vou

O sol se reparte em crimes,

Espaçonaves, guerrilhas

Em cardinales bonitas

Eu vou

Uma linda e emocionante cena acontece na capital do país, Berlim. Mais de 10 mil pessoas gritam palavras de ordem como: respect. Entre eles, a família de Eurico.

FIM DO EPISÓDIO.

Desejo Insano | Episódio 4

EPISÓDIO 04: Um amor incontrolável

– Oi, tudo bem?

– Agora está! Eu não sei o que me deu, sabe depois que eu vi aquele garoto… O que eu faço?

– Você sabe que não pode rolar nada entre vocês dois, você é filho de nazistas e como você mesmo disse, ele não parece ser também! E se seu pai descobrir que você está namorando um cara do outro lado morre você e ele!

– Eu sei, eu vou desligar! Vou correr esfriar a cabeça. Se eu desmaiar mais uma vez, a minha mãe me interna!

– Leo, come se não você está morto em dois tempos!

– Eu não vou comer, não hoje.

Ele desliga o telefone e se veste. Ele sai do seu quarto sombrio e vai embora sem nem dá explicações a sua mãe. Na rua pensara no que a sua amiga lhe disse: ”Se seu pai descobrir que você está namorando um cara do outro lado morre você e ele!”

– O pior não sou eu namorar alguém do outro lado, o problema é o meu pai descobrir que eu sou gay! – Ele deixa de refletir sozinho e volta a correr.

You’re so mean

When you talk, about yourself

You’re wrong, change the voices

In your head

Make them like you instead

So complicated

Look how we are making

Filled with so much hatred

Such a tied game

It’s enough, I’ve done all I can think of

I’ve chased down all my demons

I see you do the same

Oooh oooooh

Eurico está escutando os clássicos alemães pela sua vitrola antiga, que mais parece uma maleta. Em seu pensamento, está a pensar no Leonan, o menino frágil e magro que não sai de sua mente. Está nu, deitado em sua cama, só pensando naquele lhe dá mais amor. Sua mãe, a dona Célia interrompe o seu pensamento amoroso.

– Preciso que você vá à feira, ela já está fechando, preciso que você vá agora!

– Eu já comprei canela, cravo, do que precisa?

– Preciso que você compre galinha, da gorda, vai rápido!

Ele se levanta e põe um short e uma blusa, elas fedem. Está sujas, ele não está ligando pra isso, só quer ir rápido e voltar rápido para pensar no seu amor novamente.

Eu só peço a Deus

Um pouco de malandragem

Pois sou criança e não conheço a verdade

Eu sou poeta e não aprendi a amar

Leonan está correndo pela rua molhada e gélida da Alemanha. Ele passa em frente a feira e para, começa a sentir tonturas e para. Ele encosta-se à numa barraca que possui frutas expostas e cai em cima da mesma. Eurico vê a cena e dá um sorriso de leve, vai até o Leo e o olha.

– Você desmaia e eu estou aqui para lhe ajudar. Olha a coincidência!

 FIM DO EPISÓDIO.

Desejo Insano | Episódio 3

3° EPISÓDIO: UMA GUERRA SEM LUTAS

Dias após o encontro insano, o Leonan ficou mais deprimido, dobrando a dosagem de remédios que ele tomará. A sua mãe, a dona Georgia está preocupada, mas o pai não está ligando pra isso. Ele está quase um esqueleto em pessoa, já não consegue se manter em pé, enquanto o Eurico está se afundando aos poucos. Faz dias que ele está se drogando e bebendo muito, tudo para tentar esquecer esse alguém que o marcou não fortemente

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,

Quem sabe faz a hora, não espera acontecer

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,

Quem sabe faz à hora, não espera acontecer

Numa praça pouco movimentada, o Seu Breno, o pai do Leonan chega após ter bebido um pouco de uísque. Ele senta num dos bancos velhos da praça e um homem barbudo, com um bracelete nazista chega e senta ao lado do Breno.

– Descobriu alguma coisa? – Ao falar, percebeu que o seu bafo fedia a uísque barato e tentou esconder isso.

– Eu fui no mercado que ele disse que foi, mas ninguém sabe informa se o cara que levou ele era judeu!

– Essa praga tá invadindo toda a Alemanha, isso tá pior que viado e negro! Temos que acabar com essa merda, expulsa esses idiotas daqui. – A raiva aos olhos fazia esse simples pai de família se tornar um homem mal.

– Eu também acho, mas não deve ser assim! Pelo menos não agora, isso chamaria a atenção e a midia a chamaria de uma segunda Guerra Fria e não é o que queremos!

– Tem razão, vamos marca uma reunião e organizar essa porra, eu só não quero que essa praga atinja a minha família, porque se atingir, eu mato cada um deles!

And I hate how much I love you boy

I can’t stand how much I need you

And I hate how much I love you boy

But I just can’t let you go

And I hate that I love you so

No chão gélido do seu quarto, o Leonan vive a pensar numa paixão proibida. Volta a pensar em que é, em ele quer ser e em quem ele nunca será. Ele se levanta e pega o seu remédio e engole o mesmo e volta a chorar, a sentir uma coisa que nunca sentira e que ele tem tanto medo.

So hold your head up girl and you’ll go far

Listen to me when I say

I’m beautiful in my way

Cause god makes no mistakes

I’m on the right track baby

I was born this way

Num beco escuro e medonho, o jovem cavalheiro, o Eurico está a andar. Ele vai até um homem de preto e paga uma quantia para ele e em troca o homem dá uma cigarrilha. Eurico sai, com a cigarrilha na boca e acendendo a mesma.

Caminhando e cantando e seguindo a canção

Somos todos iguais, braços dados ou não

Nas escolas, nas ruas, campos, construções

Caminhando e cantando e seguindo a canção

O Breno e um grupo homens mal-encarados nazistas entram num galpão abandonado. Os homens sentam em seus lugares e o Breno fica em pé.

– Temos que fazer alguma coisa! Não podemos deixar o outro lado entrar aqui, a minha família está em perigo! E se o filho for pro outro lado, eu mato cada um deles!

Assim começa uma grande guerra, uma guerra sem lutas, uma guerra de palavras.

 

FIM DO EPISÓDIO.

Desejo Insano | Episódio 2

2° EPISÓDIO: O prazer que aquece a alma

Ao entrar em casa, o jovem cavalheiro, o Eurico se depara com pais sentados vendo jornal. Sua mãe, a dona Célia, também chamada de dona do lar, se levanta indo atrás do filho. Filho este que não almoço com a família e dedicou alguns minutos de sua vida ao lado de um jovem que vive num ‘’clã’’ diferente de sua família.

So hold your head up girl and you’ll go far

Listen to me when I say

I’m beautiful in my way

Cause god makes no mistakes

I’m on the right track baby

I was born this way

Eles entram no quarto do jovem cavalheiro. Um quarto friamente cheio de virtude, com uma só cruz pregada na parede, o quarto consegue ser sombrio de tanto tons pretos que há no lugar. O jovem senta-se na sua cama e sua mãe permanece em pé na frente do filho que ela gerou por nove meses.

 – Onde estava? Não almoço conosco, sabe que na nossa tradição isso é proibido! Almoços e Jantares devem ser feito com a sua família e além do mais, nós precisamos conversar sobre a sua pretendente! Eu e o seu pai, já conhecemos algumas. – Ela vira-se de costas para o filho e continua a explicar. – Pode ter certeza que escolheremos a mais bela e a mais educada!

 – E quem disse que eu quero casar? E quem disse que eu faço parte das tradições de vocês? – O menino que cavalheiro que ajudará o Leonan a pouco, agora está bravo. – Eu não sou Judeu!

 – Mais filho, sua mama, seu papa e os seus avôs foram, você precisar ser também! E quanto ao casamento, o noivo nunca quer casar, mas depois passa porque o amor fala mais alto e a paixão é liberada para que você e sua noiva criarem uma linda família! – Volta a olhar para o filho, com brilhos nos olhos!

 O jovem se levanta com raiva e segura os braços da mãe com força. Seus olhos violetas se transformam em dua labaredas de raiva.

 – Eu não vou casar e se eu casar quem vai escolher a pessoa sou eu! E dana-se que você e o pai sejam judeus e dobre as suas palavras para falar dos meus avôs, eles me criaram e quer saber? Eles tinham uma cabeça nova, eles sabiam que eu poderia escolher que caminho seguir! E não quero mais ouvir você e o meu pai falando dessa merdinha de religião… Vai-te catar! – Eurico leva a mãe até a porta e após a saída dela, ele fecha as portas e se taca na cama.

You’re so mean

When you talk, about yourself

You’re wrong, change the voices

In your head

Make them like you instead

So complicated

Look how we are making

Filled with so much hatred

Such a tied game

It’s enough, I’ve done all I can think of

I’ve chased down all my demons

I see you do the same

Oooh oooooh

O homem magrelo chega a sua casa, após passar por alguns exames. Atrás dele, seu pai entra, com raiva por ter sido obrigado a parar de ver o seu Futebol para buscar o filho, que ele não ama. Ao ouvir o barulho da portar bater, a mãe do Leonan veio correndo, a dona Georgia que é como qualquer outra mãe, preocupadíssima. Ela abraça o filho, para conferir se está tudo no lugar. Está.

– O que aconteceu?

– Eu estava fraco, eu desmaiei, foi só isso! Um jovem me ajudou, me levou pro hospital e eu já estou melhor! Eu vou descansar um pouco. – Disse, já indo em direção ao seu quarto, mas fora interrompido pelo seu pai.

– Esse jovem, era gente com a gente ou era do outro lado?

– Ele era um ser humano, é isso que importa!

Ele foi em direção ao seu quarto e de lá não saiu.

Eu só peço a Deus

Um pouco de malandragem

Pois sou criança e não conheço a verdade

Eu sou poeta e não aprendi a amar

 Ao mesmo tempo, em lugares destintos, os nossos heróis apaixonados ficam só de cueca sob a cama. Os dois põem a mão por dentro da cueca, um a pensar no outro. O prazer proibido, o prazer que aquece a alma chega para ambos, trazendo a satisfação a eles.

Desejo Insano | Episódio 1 [ESTREIA]

1° EPISÓDIO: Encontro Insano

 Um corpo nu, estirado ao chão, aparantemente dopado. Há um minuto foi feito, exatamente, uma hora que ele está ali só, recluso. Seu torso magricelo pede por líquido. Ao seu lado, uma caixa de remédio tarja-preta. O homem mistério estava completamente dopado. Uma mulher bate na porta.

– Leo, vá à feira comprar um saco de cravo, um saco de canela e um refrigerante. Não demore muito, preciso fazer o almoço!

O rapaz que na verdade é um menino se levanta. Seu rosto está seco, pálido. O seu nome é Leonan, chamado pelos pais de Leo. O garoto põe a primeira roupa que caí do armário, ele coloca a sandália em seus dedos esqueléticos. E se vai. 

You’re so mean

When you talk, about yourself

You’re wrong, change the voices

In your head

Make them like you instead

So complicated

Look how we are making

Filled with so much hatred

Such a tied game

It’s enough, I’ve done all I can think of

I’ve chased down all my demons

I see you do the same

Oooh oooooh

 A sua estatura magra está quase que caindo ao chão, ele precisa de água. Só falta ele entender. Com um saco de canela e outro de cravo, mais o refrigerante, o seu corpo tem que segurar três quilos e meio. Em pouco tempo ele vai desfalecer se não se alimentar. Ele precisa de água. Um jovem cavalheiro que estava atrás do Leo se ofereceu para ajudá-lo com as compras, o ser fino aceitou. Um olhar profundo saiu do rosto do moço mistério que rapidamente atingiu os olhos verdes do gentil rapaz. De repente tudo se apagou.

 So hold your head up girl and you’ll go far

Listen to me when I say

I’m beautiful in my way

Cause god makes no mistakes

I’m on the right track baby

I was born this way

 O Leo se ergueu e percebeu está num lugar diferente do seu ambiente. Um quarto estranho. Há a sua frente um homem de costas, vestindo um casaco de couro. Ele não sabia onde estava e não se lembrará os seus últimos minutos. Tinha medo, mas resolveu arriscar.

– Oi. – Disse com medo, recluso, o nobre jovem que estava a sua frente o olhou e deu um sorriso largo, feliz.

– Que bom que você acordou! Eu estava com preocupado… Desculpe, nem me apresentei, meu nome é Eurico, você se lembra de mim? – O cara estranho após de apresentar foi até o Leonan e ficou ao seu lado.

– Na verdade eu não me lembro de nada… Onde estou? O que aconteceu? – Assutado, ele olhou para seu corpo e viu que estava com uma roupa de hospital. – Porque eu estou no hospital?

– Você estava na fila da feira, estava carregando coisas pesadas e eu me ofereci para ajudar e logo em seguida você desmaiou! – Ele se pós a ajeitar o cabelo do Leonan e continuou. – O médico disse que você vai ter alta, mas disse que você está sem beber e comer algo há muito tempo e se isso acontecer novamente, você vai morrer!

– Obrigado por tudo! Eu preciso ir pra casa, os meus pais devem está esperando, sabe como é né? Família de nazistas acha que tudo pode acontecer quando o filho fica muito tempo fora de casa.

Leonan se calou quando percebeu que o misterioso párvulo não era nazista e muito menos filho de um. Como todo nobre beijou a mão de esqueleto de Leo e se foi. Deixando o mesmo sozinho, esperando a ordem do médico para ele ser liberado.

 Vem, vamos embora, que esperar não é saber,

Quem sabe faz a hora, não espera acontecer

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,

Quem sabe faz a hora, não espera acontecer

 FIM DO EPISÓDIO.