Bicho da Goiaba – Último Episódio

logo

UMA SÉRIE DE TIAGO KLEINE DE OLIVEIRA

DIREÇÃO DE NANDO BRAGA

228 - Cópia - Cópia (6)

BDG | Episódio 18

Kate estava sem chão. Todos da redação foram atrás de Laisa, mas sem sucesso. Após incessantes buscas voltaram todos para a redação desanimados, foi quando o celular de Felipe tocou, era Laisa.

FELIPE: Laisa, onde você está? Para com essa palhaçada já!

LAISA (ao telefone): Não é palhaçada nenhum meu amor. Estou aqui com a filha da sua baleinha e com um revólver mirado pra cabecinha dela.

FELIPE: Para de brincadeira Laisa! – nervoso.

LAISA: Eu vou ser direta! Ou você vem até aqui com um Juiz de paz e assina a papelada do nosso casamento ou eu estouro os miolos da bonequinha! É pegar ou largar, e ai?

FELIPE: Você ficou maluca de vez!

LAISA: Vou te dar quatro horas pra vir com um Juiz de Paz aqui no estaleiro onde a gente se conheceu. Se demorar mais que isso ou vier com policia, eu mato a menina. E não estou de brincadeira!

(vinheta de abertura)
https://vid.me/45mX
* CENA 02 *

Era em um penhasco, de difícil acesso. O estaleiro estava abandonado. Felipe desembarcou com Kate e foram ao encontro de Laisa que estava sentada com a menina no colo e uma arma apontada para a cabeça de Clarinha.

LAISA: Vocês não tem mesmo medo do perigo não é?

KATE: Por favor, faça qualquer coisa comigo, mas solta a minha filha! – chorando.

LAISA: Cala boca Free Willy. Não sei quem mandou você vir junto. Cadê o Juiz de Paz?

FELIPE: Laisa, vamos conversar! Eu não vou me casar assim com você. Devolve a filha da Kate e vamos conversar!

LAISA: Eu não quero conversar, estou farta das suas desculpas! Sete anos me enrolando e nada de casar. Chega, ou você sai daqui casado comigo ou a filha da baleia sai morta! – disse exaltada.

Belinda apareceu e foi em direção à Laisa.

LAISA: Quem é essa vaquinha de presépio?

KATE: Belinda, você aqui? – estava surpresa.

BELINDA: Calma, vim te ajudar!

LAISA: HAHAHHAHAHAHA tu vai ajudar a Kate? É muita prepotência, tu ta mais pra salva vida de aquário, pequena anã.

BELINDA: Eu de você começava a tremer, porque a coisa vai ficar preta pro teu lado!

Uma nuvem de fumaça preta invadiu o lugar, com a nuvem veio o cheiro de enxofre. Era Malina aparecendo. Felipe estava sem entender nada.

MALINA: A coisa já tá preta minha pequena rival! Aconselha tua protegida a fazer o que a Laisa ta pedindo senão a filha dela vai virar anjinho!

BELINDA: Então é você a protetora da Laisa? Que decadência né Malina? Até ontem estava ajudando uma princesa sei lá onde, e agora está ai ajudando o dragão. Fosse castigada? – disse irônica.

MALINA: E você fez concurso no Ibama pra defender baleias encalhadas? Não me irrita que eu não tô boa hoje!

BELINDA: Que bom, porque eu também não estou! – disse arregaçando as magas em pose de luta.

MALINA: HAHAHAHA, vai querer encarar?

BELINDA: Com toda a certeza! – e partiu pra cima de Malina.

Kate e Laisa estavam aflitas com o embate do além. Felipe parecia cada vez mais confuso.

* CENA 03 *

Primeiro agressões verbais, depois se pegaram pelos cabelos e trocaram tapas, até que começaram a usar raios pra se atacarem. Malina mirava o raio preto em Belinda, que por sua vez mirava um raio rosa em Malina. O choque entre os raios fazia com que nenhuma das duas fosse atacada.

Logo o céu se escureceu, trovoadas e relâmpagos, anunciavam uma tempestade. E era a própria que surgia como um raio no meio do estaleiro.

TEMPESTADE: Chega! Parem vocês duas.

Malina e Belinda guardaram os raios.

TEMPESTADE: Acho que vou ter que dar uma palavrinha com as supervisoras de vocês! Evaporem as duas, já! –ordenou.

MALINA: Mas majestade…

TEMPESTADE: Eu falei já!

As duas evaporaram. Tempestade virou-se para Laisa.

TEMPESTADE: Larga essa arma e devolve a menina!

LAISA: Nem te conheço pra você me dar ordens!

TEMPESTADE: Não perguntei se você me conhece, mas te aconselharia a me obedecer. – disse aproximando-se de Laisa.

LAISA: Não, jamais!

TEMPESTADE: Você sempre foi assim mimada, desde criança. Se não fizesse o que você queria pronto o berreiro estava feito! Cresceu e viu que choradeira não adiantava, ai resolveu comprar os outros e manipulá-los. Tá na hora de crescer Laisa!

LAISA: Você não sabe de nada! Vai embora – estava perturbada e em lágrimas com o que acabara de ouvir.

TEMPESTADE: Calma que eu ainda não terminei! Acho que você já esta grande o suficiente pra ter superado um inútil e ridículo trauminha de infância. Você e a Kate já estão velhas demais pra levar uma coisa tão mesquinha adiante.

LAISA: Mesquinha? Ela roubou o meu noivo, e você diz que isso é uma coisa mesquinha?

TEMPESTADE: Ela não roubou ninguém, ambos se apaixonaram, assim como você e ele se apaixonaram uma vez! E bem antes de ela se envolver com o Felipe você já estava tramando pra coitada!

*****

Laisa nunca havia ganhado carinho dos pais, eles a tiveram muito novos e não tinham paciência para lidar com uma criança. Ela era muito temperamental e para evitar brigas e chororô presenteavam a pequena menina, que cada dia que passava ficava mais mimada. O valor dos presentes foi aumentando e aos poucos os pais de Laisa, mesmo sendo de uma classe alta, já não conseguiam compra-la.

Na escola não tinha amigas, resolveu compra-las. Levava lanches, presenteava com bonecas e mimos. Em troca queria a amizade e a lealdade delas. No quarto ano do primário foi estudar na mesma sala de Kate, e viu ali o seu oposto. Uma menina doce, humilde, prestativa, inteligente, extrovertida e que tinha uma facilidade imensa em fazer amizades. Mas a grande ferida se abriu quando ambas apresentaram um trabalho de ciências. Kate montou a maquete de uma hidrelétrica toda com material reciclável, e com a ajuda de seu pai, que era serralheiro, fizeram um ótimo acabamento, tornando a maquete impecável.

Laisa tinha preguiça e não tinha quem ajudasse-a. Chorou e implorou para que seus pais comprassem uma maquete. Eles atenderam ao pedido comprando o produto de um grande arquiteto. A professora deu a melhor nota para Kate, não porque a maquete de Laisa fosse a mais feia, até porque era linda, mas não havia sido Laisa que a produziu.

Revoltada, Laisa tentou comprar a professora, que foi curta e grossa nas palavras:

“Pare de comprar as pessoas, siga o exemplo da Kate!”

A frase caiu como uma bomba atômica nos ouvidos de Laisa que a partir daí nunca mais deixou Kate em paz.

*****

Kate estava boquiaberta com o que acabara de ouvir, e Laisa estava aos prantos por ter sido tocada na ferida.

KATE: Nossa, eu não acredito que era por isso que você me odiava tanto. Nunca quis ser exemplo pra ninguém, sempre fui eu mesma.

LAISA: Por isso mesmo, você sempre agradou todo mundo sendo você mesma. Eu sempre tive que usar mil máscaras, uma para cada lugar que eu fosse, pras pessoas me aceitarem e gostarem de mim. – chorava muito.

Com a distração Tempestade se aproximou de Laisa e deu um tapa em sua mão, derrubando a arma. Felipe correu ajuntá-la e enquanto Tempestade tomou Clarinha de Laisa. No estaleiro estava Ellen na porta, Felipe de um lado com a arma, Tempestade do outro lado com a criança e Kate e Laisa frente a frente no meio do estaleiro.

O sangue de Kate subiu e suas mãos coçaram. O silencio foi quebrado com o estalo do tapa na cara que Kate deu em Laisa.

KATE: Isso é pra você aprender a não mexer com a filha dos outros e por todas as coisas que me fez passar.

LAISA: Sua vaca! Vão chamem a policia pra me prender!

KATE: Seu caso não é cadeia, é um bom psicólogo ou psiquiatra.

* CENA 04 *
Alguns dias depois…

Kate estava no seu antigo quarto de infância, na casa de seus pais, sim eles fizeram as pazes, graças a ajuda de Susan. Dona Clotilde continuava viciada nos gatos, mas não trocava por nada Clarinha em seus braços. Ellen e Belinda acompanhavam Kate que estava vestida de noiva em frente ao espelho.

ELLEN: Em pensar que tudo acabou bem! E que tem uma festa linda no jardim pra comemorar o seu casamento com o Felipe, nossa parece até um filme desses de Hollywood – suspirou.

KATE: Tudo graças aquela mulher que apareceu nem sei de onde!

BELINDA: Tempestade é tipo a nossa chefona, ela coordena o equilíbrio da terra e dos humanos, quando vê que a coisa não tá boa ela intervém.

KATE: Pois é, acho que tudo está se ajeitando. Estou feliz por ter minha filha nos braços e por me casar com o homem que amo de verdade, além de ter minhas amigas, um emprego e minha família de volta.

ELLEN: Susan é uma graça, conseguiu reverter a situação com seus pais. Vocês vão morar por aqui?

KATE: Não, o Felipe comprou a metade da revista. Precisamos morar em São Paulo. Se depender da mamãe morávamos todos aqui embaixo do mesmo teto.

ELLEN (olhando no celular): O Paulão tá vindo ai Ellen, e vai trazer um amigo pra te apresentar Belinda. – empolgada.

KATE: O Paulão manda mensagens do além? Ele tem celular? – questionou irônica.

BELINDA: Ah é hoje que a muriçoca soca… vou tirar o meu atraso de séculos. Só pra constar Kate eles vão vir na forma humana, pra te conhecer!

KATE: Ai que bom, assim não fico constrangida na hora da foto.

Belinda foi atrás de Kate que estava de frente ao espelho.

BELINDA: Fecha os olhos!

KATE: Pra que?

BELINDA: Fecha que eu tô mandando porra!

KATE: Credo. Está bem!

Kate fechou os olhos e depois abriu segundo a ordem de Belinda. Não acreditava no que via, estava gorda novamente, imensa pra ser mais exato.

KATE: Pra que isso? – espantada.

BELINDA: Isso o que?

KATE: Me engordar de novo? – desanimada.

BELINDA: Você nunca esteve magra. O que eu fiz foi mudar o seu ponto de vista, você se via magra, e automaticamente se sentia mais confiante e mais bonita, isso ajudou na sua auto estima. Você parou de pensar que todos iriam falar do seu peso e passou a se cuidar, se vestir melhor, se maquiar, ficou mais confiante.

KATE: Então os outros nunca me viram magra?

BELINDA: Não, por isso alguns ainda te chamavam de baleia.

KATE: Mas e você Ellen?

ELLEN: Bem, eu sabia de tudo, a Belinda já havia me contado. Sabíamos que você iria surtar quando se visse magra, ai combinamos tudo.

KATE: Meu Deus! Por isso que aquele meu vestido não entrou.

BELINDA: Bem nessa. As suas roupas continuaram as mesmas, mas diminuíram ao seus olhos, só que fazer aquele vestidinho entrar em você não seria mágica seria milagre! E foi por isso também que fomos juntas com você no shopping, pra te ajudar na escolha das roupas, não queríamos que você passasse o constrangimento de pedir pra vendedora uma blusinha tamanho P, sendo que você estava usando extra grande.

KATE: Nossa! – fez uma pausa e sentou-se. – E o Felipe gostou de mim e transou comigo desse tamanho!

BELINDA: Pra você ver meu amor! – se abaixou e olhou nos olhos de Kate. – A verdadeira beleza está dentro de nós. Na nossa alegria, na nossa autoestima, no nosso bom humor. Está em ajudarmos as pessoas, sermos pacientes, tolerantes e fazermos o bem. Se tivermos tudo isso, a gente vira luz e o nosso brilho acaba sendo maior que a beleza de um corpo malhado, de uma pele perfeita ou de um cabelo de diva. Foi por isso que o Felipe se apaixonou por você. Pelo que você é de verdade, pelo seu brilho.

Kate não conseguiu segurar a emoção e borrou sua maquiagem com algumas lágrimas.

ELLEN: Eita! Vamos retocar isso ai que daqui a pouco vai começar a cerimonia. – disse emocionada também.

KATE: O melhor disso tudo é saber que tenho amigas de verdade! E que posso contar sempre com vocês.

As três se abraçaram.

ELLEN: Você já contou pra ela Belinda? – nervosa.

KATE: O que? Não me assustem!

BELINDA: Hoje é meu último dia aqui na Terra. Amanhã eu volto pro outro andar. – disse desanimada.

KATE: Não, mas por quê?

BELINDA: Minha missão acabou né Willy! Mas saiba que o que precisa tu pode contar comigo sim, que de onde e tiver venho pra te ajudar! E tem a Ellen também que é um ser muito iluminado e que vai estar aqui com você sempre!

Kate abraçou forte Belinda.

KATE: Obrigada por mudar a minha vida!

BELINDA: Me agradeça sendo feliz!

KATE: Posso te pedir uma última coisa?

BELINDA: Depende o que, hahahahaha.

KATE: Deixa eu me ver magra só mais hoje? No meu casamento?

BELINDA: Tá bom, mas só até a meia noite Cinderela!

* CENA 05 *

A cerimonia já havia acabado, Kate e Felipe trocaram juras de amor e alianças. Estavam na sala da casa dos pais de Kate para tirarem o retrato da família. Era quase que uma luta enquadrar todos na foto já que Kate sozinha ocupava metade da tela.

KATE: Ah chega de foto por hoje gente! Preciso sentar e tirar meu sapato que está me matando. – disse sentando-se no sofá.

Ouviu-se um pequeno gemido agonizante de algum ser dando seus últimos suspiros.

CLOTILDE: Kate você por um acaso não sentou em cima do Ben? – perguntou assustada referindo-se ao gato que havia ficado no lugar de Pimpão.

O silencio tomou conta da sala.

KATE: Puta que pariu! – tinha mesmo sentado e amassado o bichano.

Todos em coro na sala:

TODOS: Ah nãããõooooo!

* CENA 06 *

Um helicóptero sobrevoava a casa dos pais de Kate, nele estavam Laisa e Jackson, cada um com uma taça de champanhe.

LAISA: Já deve ter acabado o casamento da baleia.

JACKSON: Deixa ela pra lá, vamos pensar na nova vida que nos espera nos Estados Unidos da América! – sorriu.

Fizeram um brinde e beijaram-se.

BDG | FIM! 

#ESTREIA AMANHÃ, DO MESMO AUTOR DE BDG:chamada

ADNTV

Anúncios

Bicho da Goiaba – Penúltimo Episódio

logo

UMA SÉRIE DE TIAGO KLEINE DE OLIVEIRA

DIREÇÃO DE NANDO BRAGA

228 - Cópia - Cópia (6)

BDG | Episódio 17

Era um flat luxuoso, super decorado em tons escuros. A cama era fofinha, lençóis e fronhas de seda, preto. O cheiro másculo do perfume de Felipe se misturava ao cheiro de álcool que exalava do corpo suado de ambos. A noite foi de sexo selvagem, Kate já não tinha mais paranhos na caverna, e Felipe havia liberado toda a tensão dos últimos dias. Já passavam das dez horas quando Kate acordou assustada.

KATE: Meu Deus, onde eu estou? – confusa olhou para o lado e viu Felipe. – Felipe? Meu Deus – olhou embaixo da coberta, estava nua. – Gente eu transei!

Felipe acordou-se com a voz de Kate.

FELIPE: Kate? – paralisou. Não acreditava que tinha comido a baleia – Então não foi sonho!

KATE: Não. E eu estou atrasada para a audiência no fórum. – procurou o seu celular –  A Susan me ligou varias vezes, eu preciso ir.

FELIPE: Eu te levo, mas toma um banho antes senão você vai perder a guarda por parecer alcoólatra.

KATE: Tem razão. – colocou a mão na cabeça – Fazia tempo que eu não tinha uma ressaca. Você viu a Ellen e a Belinda?

FELIPE: Belinda deve ser aquela baixinha que estava com a Ellen certo? Bom a última vez que vi, elas estavam vomitando do lado de fora da boate.

KATE: Meu Deus, coitadas. Não me lembro de nada!

(vinheta de abertura)
https://vid.me/45mX
* CENA 02 *

Pés com bolhas, o salto de uma sandália quebrado. Vestido reluzente, cheio de paêtes. Kate estava toda trabalhada no brilho quando adentrou o fórum. Estava com a mesma roupa da noite anterior. Susan estava na porta a sua espera.

SUSAN: Kate, estamos atrasadas. – reparou na roupa da irmã – você não tinha outra roupa pra vir?

KATE: É uma longa história, depois te conto. O Jackson já chegou?

SUSAN: Sim ele está com o advogado no corredor. A audiência já vai começar. E a Ellen não chegou ainda pra testemunhar à seu favor.

KATE: Seja o que Deus quiser! Liguei pra ela várias vezes e só da desligado.

FELIPE: E eu não posso servir de testemunha?

SUSAN: Claro que pode, mas você tem que falar coisas boas sobre ela.

KATE: Você faria isso por mim? – surpresa.

FELIPE: Claro que sim. Você vai conseguir sua filha de volta.

Felipe deu um abraço apertado em Kate.

KATE: Tomara, porque com essa cara de ressaca e desempregada, vai ser difícil o juiz tomar essa decisão.

FELIPE: Você está bem, consegue disfarçar a ressaca. E quanto ao emprego e não havia dado baixa na sua carteira ainda, nem sei te dizer o motivo. Mas enfim ela está lá comigo e você continua registrada e empregada.

Kate sorriu e os dois beijaram-se. 

* CENA 03 *

Antes de entrar na sala da audiência Kate foi puxada por Pâmela para dentro do banheiro. Ela estava embriagada.

KATE: Me solta sua louca!

PAMELA: Calma, eu quero te ajudar?

KATE: Ajudar? Roubando meu namorado novo? Dispenso sua ajuda!

PAMELA: Eu e o Jackson terminamos, ele me deixou feito um lixo jogada.

KATE: To vendo, tá mesmo  com cara de lata de sardinha usada. – ficou pensativa. – Isso é bom pra você ver como eu me senti! 

* CENA 04 *

A audiência prosseguia, Felipe dava o seu depoimento.

FELIPE: Ela foi a pessoa mais sincera, querida e dedicada que eu já conheci. O amor que ela tem pela filha, faz dela uma grande guerreira. –  olhou para Kate que estava em lágrimas com a declaração.

JUIZ: Muito bem, encerrado o seu depoimento, pode retirar-se. Peço para que entre a próxima testemunha.

Pamela entrou na sala e fitou os olhos sedentos por sangue, em Jackson que ficou exaltado.

JACKSON: Não é mais esta testemunha, eu troquei.

JUIZ: Silêncio por favor! O senhor fique calmo. Essa moça vai testemunhar e em seguida vem a sua testemunha.

JACKSON: Mas…

JUIZ: Silencio!

Todos da sala estavam calados. Um suspense pairava no ar, estavam ansiosos com o que Pamela falaria.

PAMELA: Eu vim aqui pra dizer que o Jackson não vale nada. Ele é um traste! Abandonou a Kate quando ela tinha acabado de dar a luz, deixou ela sofrendo e depois tirou a menina dela, causando sofrimento nas duas. Ele me prometeu uma vida de diva, de glamour, mas o máximo que fiz foi passar os últimos meses da minha vida lavando, passando e cuidando de bebê. Não tenho vocação pra mãe e dona de casa. Ai ele chegava tarde dos trambiques dele, sim porque ele faz trambiques, é metido com venda ilegal de produtos do Paraguai, trás até pulguinha em pote se pedirem, ele vinha querendo sexo e eu cansada e ocupada com o bebê. Ai começou a não me procurar mais, a chegar cada vez mais tarde, e logo apareceu com uma amante.

JACKSON: É mentira dessa idiota!

JUIZ: Silencio! Prossiga menina!

PAMELA: Ele nunca gostou da Clarinha, só ficou com a menina para poder fazer parte do testamento do pai dele, que por sinal ele está tentando matar dando doses cavaleres de um remédio cheio de efeitos colaterais. – fez uma pausa – Eu só quero tentar consertar o erro que cometi, acho que a Kate tem todo o direito sobre a guarda da menina. 

* CENA 05 *

Na noite anterior depois de atiçar metade da boate com suas pepecas foguentas, Ellen e Belinda foram perseguidas por um grupo de bengaludos que estavam sedentos por suas piriquitas. Bebadas e sem força para continuar correndo se jogaram dentro de um container e lá dormiram, mal sabiam elas que era lixo.

Acordaram no aterro sanitário, estavam fedidas, descabelas e sem dinheiro ou celular. Foram de a pé por todo o centro de São Paulo até chegarem em casa.

Já de banho tomado e recuperadas da ressaca, as duas conversavam com Kate na sala.

KATE: Devem ter colocado algo na nossa bebida, só pode!

ELLEN: Com certeza, gente eu nunca tinha pirado tanto na minha vida!

KATE: Nem me fala – suspirou.

ELLEN: Então quer dizer que a Clarinha voltou pra você?

KATE: Sim, daqui a pouco ele vem me entregar ela. Estou tão feliz!

BELINDA: E sobre a Laisa e você na revista, o que decidiram?

KATE: O Felipe foi conversar com ela, disse que vai propor comprar a metade da revista que é dela, e se ela recusar ele vende a parte dele e abre outra revista, e vai levar toda a equipe com ele.

ELLEN: Nossa a Laisa vai virar o giraia quando souber disso!

BELINDA: Mudando de assunto, e o pênis do Felipe, é grande?

KATE: Menina. Que homem é aquele?!

A campainha tocou, era Jackson com Clarinha. Kate interrompeu a conversa e foi atender.

JACKSON: Preciso conversar com você!

KATE: Não temos nada para conversar, me entrega a minha filha e pode sair!

JACKSON: Fizesse ela com o dedo?

KATE: O que? Tá maluco! – irritada.

JACKSON: Ela é nossa filha, não é só sua. Eu fiz muito mal em te deixar. Sinto muita falta de você. Acho que seriamos uma família linda.

KATE: Seriamos né. Mas não somos!

JACKSON: Você está tão linda, tão independente. Sei lá, te amo! –  tentou um beijo sem sucesso, Kate esquivou-se.

KATE: Sei lá te amo? Cala essa sua boca, você nem sabe o que é amor! O que você precisa é de uma escrava que limpe sua casa, faça sua comida e lave suas cuecas. Me da a Clarinha e some daqui, antes que eu te bote pra correr! Era só o que me faltava. 

* CENA 06 *

Por onde Kate e Clarinha passavam, todos na redação babavam. Laisa e Malina estavam em reunião, mancomunando mais alguma peripécia. Kate estava chegando na sala de Felipe quando foi parada por Luci.

LUCI: Posso pegar a menina um pouco?

KATE: Você? Desde quando você gosta de crianças? Aliás, desde quando você gosta de mim?

LUCI: Eu sei que nunca conversamos, e não devo ter demonstrado carinho por você, mas fiquei muito horrorizada com o que a Laisa pode fazer. Preferi me afastar, por que se ela fez isso com você pode fazer com qualquer pessoa, inclusive comigo!

KATE: Abrisse teu olho a tempo então! – entregou Clarinha para Luci.

FELIPE: Isso, Luci toma conta da Clarinha um pouquinho que quero conversar a sós com a Kate aqui na minha sala.

LUCI: Sim, senhor Felipe!

Luci saiu e os dois entraram, fecharam a porta e beijaram-se.

KATE: E aí como foi com a Laísa?

FELIPE: Mas difícil do que eu imaginava. Vou ter que vender minha parte e abrir outra revista. Já estou decidido.

Ellen invadiu a sala de Felipe toda esbaforida.

ELLEN: A Laísa sequestrou a Clarinha!

KATE: Como é que é? – assustada.

E AGORA, O QUE NOS ESPERA PARA O ÚLTIMO EPISÓDIO? ADIANTAMOS UMA COISA, VAI SER DEMAIS!

BDG | Continua amanhã no ÚLTIMO EPISÓDIO! 

#ESTREIA SEGUNDA, DO MESMO AUTOR DE BDG:chamada

ADNTV

Bicho da Goiaba – Episódio 16

logo

UMA SÉRIE DE TIAGO KLEINE DE OLIVEIRA

DIREÇÃO DE NANDO BRAGA

228 - Cópia - Cópia (6)

BDG | Episódio 16

No outro dia de manhã…

Kate estava tomando seu reforçadíssimo café da manhã, digo reforçadíssimo devido ao omelete, à linguiça frita, hambúrguer e creme cheese. Estava ansiosa e muito preocupada. Ellen e Belinda tentavam confortá-la.

ELLEN: Eu não sei bem ao certo o que te dizer, mas não fica assim. Você vai dar a volta por cima! A gente vai achar outro emprego para você, e tudo vai ser resolver.

BELINDA: Vendo você aí nesse estado, me sinto mal cara. Minha varinha ficou defeituosa e fui no andar de cima levar pra consertar, ai quando volto tudo isso aconteceu. – disse triste.

KATE: Ah gente não tem como eu não ficar triste, logo agora que eu iria recorrer da ação pela guarda da Clarinha. Mas tudo bem aconteceu o que tinha que acontecer!

BELINDA: Não minha cara protegida. O mal nunca vencerá o bem. Eu já descobri que a Laisa colocou afrodisíaco nos cafés de vocês, agora só temos que arrumar um jeito de provar isso pro Felipe. E por sorte consegui chegar a tempo de catar o celular daquela vaca e apagar as fotos, para que não vazasse pra mais ninguém.

ELLEN: É verdade, dos males o menor. – tentou consolar.

KATE: Não sei se esse era o menor. Eu acho que preferiria que todo o mundo visse aquilo, menos o Felipe. Imagina o que ele não está pensando de mim? E como vamos provar que foi tudo armação da Laisa?

BELINDA: Nós vamos sair dessa juntas! E deixa comigo, que tudo vai acabar bem. – sorriu.

KATE: Eis meu grande medo!

(vinheta de abertura)
https://vid.me/45mX
* CENA 02 *

Alguns dias depois…

Kate estava sentada no pequeno sofá da casa de Ellen, tirando seu sapato. Havia de 300 à 500 calos naquele pé sofrido e suado de tanto caminhar. Supõe-se que ela tenha perdido mais alguns quilos com toda aquela andança. Lembrara de sua infância quando estava louca por álbum de figurinhas que só vendia na cidade ao lado. Depois de insistir umas novecentas vezes e apanhar umas quinhentas, Kate desistiu de pedir para seus pais e resolveu comprar o álbum sozinha.

Certo dia ao invés de ir para a escola, desviou o caminho e foi rumo a cidade onde vendia álbuns, eram apenas vinte quilômetros de distância. Já passava do meio dia quando conseguiu chegar, seus pés formigavam e o calo já escorria no seu calcanhar.

Mas tudo compensou pela maravilha de ter aquele tão sonhado álbum que lhe daria o passaporte de ser popular na escola. Havia inventado que faria um trabalho na casa de uma amiga, por isso voltaria tarde. Comeu um lanche e voltou para casa. No caminho viu uma Brasília azul passar, era Seu Ernesto. Houve boatos de que foi a maior surra que aquela cidade já presenciou. Ficou sem álbum e além dos calos nos pés por causa do sapato, havia ficado com calos na bunda por causa das cintadas. Voltando para a realidade…

KATE: Ainda bem que não tenho calos na bunda! – suspirou.

BELINDA: Não entendi? Você andou com a bunda por um acaso?

ELLEN: Não, isso aí foi uma lembrança da infância dela. Calos.

KATE: Ai gente, andei quilômetros a pé e nada de emprego! –  desanimada jogando-se no sofá.

BELINDA: Tá foda amiga. To tentando dar o meu jeito, mas tá difícil. – amanhã tenho reunião com Santo Expedito, acho que logo tu se arruma. – sorriu.

KATE: Nossa meu caso já está no setor de causas urgentes! Puta que pariu.

ELLEN: Bom, mas a hora que a gente desencana tudo se ajeita. E pra desencanar, que tal uma balada hoje? – convidou empolgada.

KATE: Balada? Não estou com cabeça pra isso!

BELINDA: Ai eu queria conhecer uma balada, é meu sonho ir em uma. Vocês podiam me levar! Por favor! – ajoelhou-se.

KATE: Levanta daí o projeto de fada. Nem sei se tu pode ir em balada. Tens autorização do povo lá de cima? E louca como tu já é capaz de piorar, ai mesmo que me fodo de vez!

BELINDA: Durante minha estadia aqui na Terra, eu posso surgir na forma humana cinco vezes. Já apareci como avestruz, como faxineira, ainda tenho mais três. E lá no artigo não diz os locais que eu não posso frequentar, então to liberada!

KATE: Ah mas não estou com a mínima vontade gente! Nem sei dançar. 

* CENA 03 *

Laisa estava na sala de Felipe. Mais precisamente esparramada em cima da sua mesa, com seu belo decote mirado para os olhos de Felipe, que por sua vez estava vidrado na tela do computador.

LAISA: Vai continuar me ignorando Felipe?

FELIPE: Não Laisa, eu não estou te ignorando. Só pedi para que nossas conversas fossem estritamente profissionais, e você não está falando nada sobre a revista. Está tentando me seduzir com esse decote e falando bobagens para me excitar.

LAISA: Nossa! – saindo da mesa e recompondo-se. – Você já viu que aquela vadia da Kate não prestava e ainda continua brigado comigo. Todo mundo erra, eu mereço mais uma chance. Por Favor?!

FELIPE: Eu já te pedi pra não falar da Kate. Chega desse assunto! E a minha briga com você envolve outros motivos, preciso de um tempo, me respeita!

LAISA: Tudo bem, você é quem sabe. To vazando, só não demora muito que poderá ser tarde meu bem! Beijos. – disse e saiu.

Felipe ficou calado. Não parava de pensar em Kate, em seus dois quase beijos. Mas não conseguia apagar as cenas das fotos que Laisa mostrou-lhe. Estava confuso, resolveu tomar seu whisky importado. 

* CENA 04 *

As três estavam na pista, mais perdidas que filho de puta no dia dos pais. Não sabiam pra onde corriam. Belinda estava empolgada, Ellen deslumbrada e Kate confusa. O som alto do bate estaca das musicas, faziam com que elas aumentassem o volume da própria voz, para poderem se comunicar melhor.

KATE: Eu sabia que não devia ter vindo! Só tem novinho aqui gente!

ELLEN: A gente ensina, sem problemas hahahahaha

KATE: Ah é? E o Paulão, sabe disso?

ELLEN: A gente deu um tempo. Vou curtir os vivos agora! Hahahahha

KATE: Tá com um humor né fofa?

BELINDA: Gente vamos parar de fofocar, e vamos beber algo? To seca!

KATE: Toma teus fluidos magnéticos que passa!

BELINDA: Ah não enche o saco sua baleia, quero álcool, sexo, drogas, tudo o que eu tiver direito hoje!

ELLEN: Uhull, vamos extravasar!

E foram para o bar entornar o caldo! 

* CENA 05 *

Felipe havia secado a garrafa de Wisky, chorou, se urinou, vomitou, foi para casa arrumou-se e saiu ai esmo. Precisava espairecer. Logo achou uma boate. 

* CENA 06 *

Não se sabia quem das três estava mais bêbada. Em uma das idas no banheiro um rapaz ofereceu uma bebida batizada para as meninas, e acreditem era de ter vergonha de conhecer aquelas indivíduas.

Ellen saiu beijando tudo que era menino, disse que tava com a rã na seca e precisava pegar sapinho. Belinda descobriu a vagina. Saiu mostrando pra todo mundo e perguntando se alguém tinha interesse em sapecar sua perereca. Kate se jogou na pista. Dançou até o chão, rebolou de cima até em baixo, fez todas as coreografias do “É o Tchan”, estava possuída pelo ritmo Ragatanga. Por cada homem que passava ela perguntava: “cadê o pintinho?”

Kate estava em cima da mesa com os peitos de fora brincando de pirulicóptero. Balançava as tetonas pra todo mundo ver, até que viu Felipe entrar na Boate. Apressou-se em descer, mas resvalou no gelo em cima da mesa e caiu de boca no chão. Não se machucou, e logo uma morena baixinha ajuntou-a.

MORENA: Você está bem?

KATE: Sim, quer dizer, não sei. – levantando-se e se segurando na mulher –  Fisicamente sim, emocionalmente tô virada no bagaço da laranja. – abraçou a mulher e chorou.

MORENA: Calma, não fica assim. Homem é tudo igual!

KATE: E como tu sabe que é por causa de homem?

MORENA: E tem algum outro motivo pra mulher chorar em balada? Só se tu for sapatão, o que acho que não é teu caso.

KATE: Tens razão!

MORENA: Pera ai que eu to te reconhecendo. – disse tentando lembrar.

KATE: De onde, nunca te vi mais baixa!

MORENA: Tu não tava no prédio do Tower Plus essa semana entrevistando o George?

KATE: Sim, como tu sabe?

MORENA: Porque eu te vi no corredor, fui buscar o café pra vocês, mas ai aconteceram algumas coisas e só lembro de te ver saindo quase sem roupas de lá.

KATE: Como assim, aconteceram algumas coisas?

MORENA: Eu tava saindo com o carrinho pra levar o café e uma loira me deu uma bolsada na cabeça, só isso que lembro. Quando acordei estava no quartinho de produto de limpeza, nua, sem o uniforme.

KATE: Meu Deus, e tu lembra como era essa loira?

MORENA: Claro.

Kate pegou seu celular e mostrou-lhe uma foto de Laisa, estava nervosa. Felipe avistou Kate e se aproximou, ficou esperando ela terminar de falar com a mulher para criar coragem e chama-la em um canto afim de se entenderem.

MORENA: É bem ela mesmo. – reconhecendo Laisa na foto.

KATE: Então foi mesmo a Laisa que armou aquilo tudo!

MORENA: Sim, foi essa moça ai mesmo. Ela deixou o vidrinho com um pó afrodisíaco no carinho, um dos cozinheiros achou e confundiu com tempero e acabou colocando na comida. Foi um tal de suruba e orgia naquele hotel que a você não faz noção. Ai quase fui demitida, porque acharam que tinha sido eu. A sorte é que lembrei da bolsada que essa moça me deu e pedi a imagem das câmeras, ai tudo se resolveu.

Felipe se aproximou e pegou no braço de Kate.

KATE: Felipe? O que você está fazendo aqui?

FELIPE: Eu vim ouvir a sua versão do que aconteceu, mas não precisa mais. Já sei de tudo. Me desculpa por eu ter me precipitado.

KATE: Não tem o porque pedir desculpas, eu não sei o que eu faria no seu lugar! – foi interrompida por Felipe com um beijo desentupidor de pia.

FELIPE: Eu te amo Kate!

O tempo pareceu parar, tudo estava em câmera lenta, as pessoas dançando, a música, as luzes…

Kate sentiu as borboletas da barriga subirem pela garganta, estava no céu. Delirando. Ouvia internamente um canto de ALELUIA.

ATÉ QUE ENFIM ROLOU O PRIMEIRO BEIJO? E COMO SERÁ QUE VAI TERMINAR ESSA HISTÓRIA?

BDG | Continua sábado! 

ADNTV

Bicho da Goiaba – Episódio 15

logo

UMA SÉRIE DE TIAGO KLEINE DE OLIVEIRA

DIREÇÃO DE NANDO BRAGA

228 - Cópia - Cópia (6)

BDG | Episódio 15

Eram oito da manhã. Ellen estava pronta para sair, enquanto Kate revirava suas bagunças em busca de alguns papéis.

BELINDA: Fala com o São Longuinho, ele te ajuda e tu dá uns pulinhos! Agora tu pode, ta magra.

KATE: Odeio gente com humor matinal. E esse São Longuinho existe mesmo?

BELINDA: Claro, e é um dos santos mais gostosos!

ELLEN: Kate, a Susan está te esperando lá embaixo, pediu pra você não demorar.

KATE: Ah Meu Deus, preciso ir! –  Kate fez o pedido, achou os papeis e deus os três pulinhos, logo estava no carro de Susan e seguiram para o Fórum.

Nossa grande e agora nem tão grande heroína estava começando a colocar a vida dela nos eixos.

(vinheta de abertura)
https://vid.me/45mX
* CENA 02 *

Felipe tomava seu décimo cafezinho. Estava ansioso. Ligara para o celular de Kate, mas só ouvia a voz de nariz entupido da secretária eletrônica. Estava aflito, seus pés soavam e o medo era de que seu chulé transparecesse pelo sapato. Ele era um homem lindo, másculo, querido, sensual, mas tinha problemas com chulé.

Kate entrou.

FELIPE: Bom dia, eu estava preocupado com você! Não preguei o olho a noite toda!

KATE: Eu também não. –Lembrou-se dela acordando no meio da madrugada com o próprio ronco e o travesseiro todo babado, havia dormido sim.

FELIPE: E o que você decidiu?

Fez-se um pequeno silêncio de suspense.

KATE: Vou tentar mais uma vez, eu preciso desse emprego Felipe, mais do que qualquer outra coisa.

* CENA 03 *

Laisa estava em casa, não havia saído da cama, preferia a morte que aparecer na revista. Foi acordada com o cheiro de enxofre da presença de Malina.

LAISA: Ah você de novo!

MALINA: Sim, e vamos acordar né gata garota! A vida não para meu amor, você precisa se impor. A esta hora a Jabulani está lá na redação toda cheia de doce pro teu bofe, e tu tá entregando ele de mão beijada pra ela.

LAISA: O Felipe me pediu um tempo, ele não quer mais ficar comigo. Não posso forçar.

MALINA: Realmente, mas a redação também é sua e você deve se impor! Chega lá mostrando que também manda, faz aquela jamanta pedir a conta, vamos transformar a vida dela num pandemônio. Você precisa reagir, e já!

LAISA: Ah estou bem desanimada.

MALINA: Nada disso. Eu tenho um plano pra gente!

* CENA 04 *

Kate e Felipe se abraçaram, ela estava tão empolgada com a volta de sua filha que mal pensara nas borboletas na barriga, nas mãos suando, na tremedeira e nos orgasmos.

FELIPE: Eu vou te ajudar com o que você precisar para trazer sua filha de volta! Nós temos um imenso corpo de advogados aqui na revista.

KATE: Obrigada, mas minha irmã já está cuidando disso, ela é advogada e hoje de manhã já entramos com um pedido de uma nova audiência.

FELIPE: Mas mesmo assim, precisando de qualquer coisa estou aqui!

KATE: Qualquer coisa? – imaginou o tamanho da coisa de Felipe.

FELIPE: Sim, qualquer!

KATE: E a Laisa?

FELIPE: Eu pedi um tempo pra ela ontem. Sei lá preciso colocar minha cabeça no lugar, e não estou concordando com as atitudes dela aqui dentro, principalmente com relação à você.

KATE: Nem da bola, eu vou ter mais paciência com ela, e vai dar tudo certo.

FELIPE: O seu otimismo me encanta!

Rolou um climinha de romance, os dois ficaram se olhando, até Felipe quebrar o silencio.

FELIPE: Bom, eu já tenho um trabalho para você! Hoje o George, estilista da DJ estará hospedado em um hotel aqui perto, e consegui uma entrevista com ele, você conhece?

KATE: Qual mulher não conhece? Perfume, carteira, bolsas e vestidos da DJ são o desejo de consumo de qualquer pessoa do sexo feminino e até do sexo masculino que goste de nervos.

FELIPE: Nervos? – fez uma pausa tentando achar algum significado coerente para aquela palavra.

KATE: É, pênis! HAHAHAHA –  constrangida com o que acabara de dizer.

FELIPE: Ah sim. Então voltando ao assunto, quero que você faça a entrevista com ele. Vai ser no hotel, marquei as três da tarde, tenta ir pouco antes. O apartamento dele é o 1025, mas pede por ele na recepção que eles avisam e te liberam pra subir.

KATE: Sim, sim. Pode deixar comigo.

* CENA 05 *

Laisa estava espremida atrás de um pilar no corredor. Estava em frente à porta da cozinha do hotel. Esperou a serviçal sair empurrando o carrinho com a bandeja de café e deu-lhe uma bolsada na cabeça. A serviçal caiu e foi arrastada por Laisa para um quartinho, onde ela a despiu. Estava com Malina.

LAISA: Essa mulher é muito baixinha, a roupa quase ficou minúscula em mim. – Reclamou vestindo o uniforme da serviçal.

MALINA: É o que tem pra hoje, se ajeita com essa roupa, pega essa bandeja e sobe.  O quarto é o 1025 e a orca da Sea World já está lá com o velho.

LAISA: E o pozinho?

MALINA: Está aqui! – Entregou um pequeno vidro para Laisa que o colocou em seu avental. – Duas gotinhas já vai dar efeito! E coloca essa peruca e esses óculos pra ninguém te reconhecer.

* CENA 06 *

Laisa estava servindo o café para George e Kate. Ao ver a quase papada da bunda de Laisa, Kate assustou-se:

KATE: Oh judiação! Que pecado. Você com esse uniforme curto. O pessoal do RH deveria te dar uniformes novos, começasse a trabalhar aqui com quantos anos? 12? E não trocaram seu uniforme ainda! Olha o seu tamanho, tá imensa ai dentro.

Laisa mordeu os lábios de raiva. Acenou com a cabeça e saiu.

A entrevista começou, Kate fez algumas perguntas para George e sentiu seu corpo formigar. Logo ele começou a dar umas piscadinhas para Kate, se ela estivesse em uma balada saberia que aquele sinal significava acasalamento.

KATE: Tá quente aqui né Seu George? – disse abanando-se.

GEORGE: Sim, está. Já coloquei o ar na temperatura mais baixa e nada.

George apesar dos seus quarenta e tantos anos, ostentava um corpo malhado e era um cara sedutor. Não aguentando mais o calor resolveu tirar a camisa. Kate não resistiu já se imaginava esfregando roupas naquele tanquinho depilado e chupando aqueles gominhos de academia. Resolveu tirar a blusa também, estava com os faróis aceso, o que despertou o instinto selvagem de George. Amassaram-se e foram para a cama. #hojetem!

Laisa, já desencarnada do espírito de faxineira invadiu o quarto em silencio e começou a fotografar o acasalamento do canguru com a baleia, eles ainda estavam nas preliminares quando se tocaram dos flashes. Pararam e fitaram e Laisa fotografando.

KATE: Laisa? – assustada tentando se recompor.

LAISA: Que coisa feia Kate, sexo em horário de trabalho? O Felipe não ia gostar nada de ver essas fotos!

KATE: Mas não aconteceu nada!

LAISA: Não foi bem o que eu vi. – olhou para George que estava com a alavanca erguida, ele cobriu-se com um travesseiro.

GEORGE: Essa mulher é uma louca, ela me agarrou!

KATE: Como é que é? Você que veio chupar meus mamilos, seu velho tarado! – deu-lhe um tabefe no rosto e saiu com a pepeca em chamas.

LAISA: Fez sexo e violentou um dos nossos patrocinadores! Essa o Felipe vai ter que saber. Desculpa aí seu George! Qualquer coisa banho frio resolve, ou vai no cinco contra um mesmo.

Laisa correu e alcançou Kate no elevador, que esta hora já estava quase normal quanto ao efeito do afrodisíaco.

KATE: Eu só quero saber como você veio parar aqui?

LAISA: Não te interessa, eu tenho meu radar. O que te importa realmente é que você será demitida e terá que procurar emprego talvez em outro país quando essas fotos vazarem meu bem!

AGORA CAGOU-SE DE VEZ!

BDG | Continua amanhã! 

ADNTV

Bicho da Goiaba – Episódio 14

logo

UMA SÉRIE DE TIAGO KLEINE DE OLIVEIRA

DIREÇÃO DE NANDO BRAGA

228 - Cópia - Cópia (6)

BDG | Episódio 14

Kate entregou sua bolsa para Laisa que a abriu com o gosto da vingança quente.

LAISA: Hoje você será desmascarada queridinha! – sorriu, enquanto vasculhava a bolsa – pente, creme para as mãos, carregador de celular, carteira, desodorante, blush, lápis, pó corretivo, celular, porra quanta coisa!

KATE: Acho que não tem nada ai né Laisa?

LAISA: Não é possível, eu… – esbravejou e largou a bolsa ao não encontrar nada.

MURYELLEN: E ai? Achou o meu anel?

LAISA: Não, não está aqui! – disse desapontada.

KATE: Eu te disse Laisa, não sou ladra não.

A redação ficou em silêncio, ouvia-se as rodinhas sem graxa de um carinho de limpeza transitando pela redação. Era uma faxineira meio estranha cheia de trajeitos que empurrava o carrinho. Parou em frente a Muryellen e colocou a mão no bolso do guarda pó.

FAXINEIRA: É seu esse anel moça? – mostrou o anel de Muryellen.

MURYELLEN: Sim, é meu sim, onde estava?

FAXINEIRA: Na pia do banheiro, eu fui limpar lá e achei.

MURYELLEN: Engraçado, não lembro de tê-lo levado junto, parece que deixei na sala de entrevista.

KATE: Pois é, também lembro disso.

A faxineira piscou para Kate que calou-se.

MURYELLEN: Bom, minha cabeça está um nó. Pode ser que eu tenha me confudido e levado o anel para o banheiro mesmo. – Colocou o anel e se arrumou para sair.

FELIPE: Eu sabia que havia sido apenas um mal entendido, mesmo assim peço desculpas pelo inconveniente Muryellen. – virou-se para a faxineira e continuou – Não lembro de você aqui, mas obrigado pela ajuda!

Muryellen colocou seu óculos de sol e saiu. Laisa virou-se em direção a sua sala.

FELIPE: Espere ai Laisa. Acho que você deve um pedido de desculpas para a Kate! O que você fez não foi certo!

LAISA (virando-se): Jamais! – e saiu bufando.

* CENA 02 *

Laisa picotava os últimos bichinhos de pelúcia que restavam.

MALINA: Não consigo entender o que houve, mas vou descobrir!

LAISA: Acho bom sua incompetente, ou vem pra ajudar ou não me atrapalha!

MALINA: Hey mocinha, calma aí! Olha bem como você fala comigo – falou irritada. – Vou te deixar um pouco sozinha pra refletir, enquanto isso vou ver o que foi que aconteceu. Quando eu voltar espero ser melhor tratada senão você poderá sofrer terríveis consequências! HAHAHAHAHA (risada de bruxa) – e saiu.

* CENA 03 *

Kate estava aos prantos na sala de Felipe. Já formava uma pequena poça em baixo da cadeira onde estava sentada.

FELIPE: Não sei mais o que te dizer pra me retrarar! – desanimado.

KATE: Você não tem o porque se desculpar – soluçando – o problema é a Laisa, ela nunca vai me aceitar.

FELIPE: Prometo conversar com ela, ela vai ter que mudar!

KATE: Não. Você não precisa se envolver mais nessa historia. Somos inimigas de infância, nem sei qual o real motivo de ela sempre me odiar, mas de uma coisa tenho certeza – enxugou as lagrimas – ela nunca irá mudar com relação a mim!

FELIPE: Mas eu…

KATE: Eu vou sair da Revista. Nunca deveria ter aceitado este emprego!

FELIPE: Eu te imploro, não faz isso!

KATE: Já está decidido Felipe.

FELIPE: Você está nervosa, vai pra casa descansar, amanhã voltamos a conversar. Por favor, não toma nenhuma decisão agora. A revista precisa muito de você, e eu…

Kate ficou calada alguns segundos esperando ele finalizar a frase. Quando viu que ele não concluiria, resolveu levantar-se.

KATE: Tudo bem, eu vou pensar e amanhã te digo sobre a minha decisão, mas já é certo o que eu quero.

FELIPE: Mesmo assim promete que vai pensar, por mim! – Pegou nas mãos de Kate e depois soltou.

Kate ovulou e saiu.

* CENA 04 *

Como prometido Ellen e Belinda levaram Kate ao shopping para renovar o seu antigo e cafona gosto de roupas. Estavam na praça de alimentação.

KATE: Agora que estou magra posso exagerar de novo! – disse ao morder um triplo x-salada.

BELINDA: É amiga, mas não muito. Hoje vou deixar por que o dia foi trash. Amanhã você vai começar na academia!

KATE: Pra que gente? Se eu engordar você me emagrece de novo, simples!

BELINDA: A varinha realiza somente uma vez cada desejo meu amor.

ELLEN: Ai vamos se preocupar com isso depois, agora vamos brindar a esfregada que a Laisa levou do Felipe hoje por ter te acusado Kate.

KATE: Ele falou com ela depois que sai de lá?

ELLEN: Sim e foi o bafo da tarde, amiga. Belinda já contou pra ela?

BELINDA: Que era eu a faxineira?

KATE: Sim ela me contou. Em pensar que a Laisa agora tem uma fada pra ela. Olha foi melhor mesmo eu ter pedido a demissão.

ELLEN: Mas você vai mesmo sair Kate? Pensa bem!

KATE: Sim Ellen. Eu não quero mais ser humilhada pela Laisa, e também não quero me apaixonar ainda mais pelo Felipe, é melhor eu cair fora logo.

Uma ruiva cheia de sacolas de compras se aproximou da mesa onde elas estavam, era Susan.

SUSAN: Olá! – acenou e depois deu um beijo no rosto de Ellen e um abraço em Kate. Belinda ela não enxergava.

KATE: Maninha, que bom te ver por aqui! Saudade de você.

SUSAN: Pois é, resolvi comprar algumas coisas pra mim e como eu vim resolver uns problemas em São Paulo passei por este Shopping, que eu adoro.

ELLEN: Vem cá e a facul? E os gatinhos?

KATE: Senta aqui, toma um sorvete com a gente!

Susan sentou.

SUSAN: A facul já terminei faz tempo, agora to na pós, e quanto aos gatinhos ainda não apareceu nenhum especial.

ELLEN: Tu já se formou na facul, então já é advogada?

SUSAN: Sim, já fiz até a prova da OAB. Faz tempo que não te vejo Ellen, aliás você e a Kate eram adolescentes e eu ainda uma criança quando nos vimos pela última vez. O tempo passa.

ELLEN: Verdade, mas tu tem uma cara de ninfeta, que eu não dizia que tu já era advogada!

SUSAN: Falando em gato, Papai me contou que você matou o Pimpão Kate.

KATE: Ai nem me lembra disso. Mamãe e Papai estão até hoje sem falar comigo. Tive que vim morar com a Ellen.

ELLEN: Essa parte você não tinha me contado. Nossa sua mãe amava mais aquele gato do que ela mesma.

A conversa fluía na mesa, elas estavam tomando sorvete quando Susan avistou alguém e paralisou.

SUSAN: Vem cá, aquele ali não é o Jackson? – disse apontando para o dito cujo, que estava sentado em uma mesa no meio da praça de alimentação tratando Clarinha.

KATE: É ele mesmo, aquele traste! – levantou-se e foi em direção à ele.

Jackson ao ver elas se aproximando pegou a menina e estava saindo.

KATE: Pode esperando aí! Quero ver minha filha! – angustiada.

JACKSON: Você não tem permissão para isso. – Saiu em disparada, desceu as escadas, entrou no carro e foi embora.

* CENA 05 *

As três tentaram alcança-lo, mas em vão. Esbaforidas em frente ao carro no estacionamento Susan abraçou Ellen.

SUSAN: Não fica assim! – tentou consolar – Você já entrou com recurso Kate?

KATE: Ainda não.

SUSAN: E está esperando o que? Ela é sua filha, você tem direitos. Já tem local que serve como residência e está trabalhando de carteira assinada, não tem porque não recorrer. Eu vou te ajudar nessa. Sabia que algo me chamou pra cá hoje, e foi isso!

Ellen abraçou Kate também e depois concluiu:

ELLEN: Acho que você vai ter que repensar o seu pedido de demissão! Coloca o orgulho de lado e pensa na sua filha agora!

A FILHA OU O ORGULHO, QUAL DOS DOIS KATE VAI ESCOLHER?

BDG | Continua sábado! 

ADNTV

Bicho da Goiaba – Episódio 13

logo

UMA SÉRIE DE TIAGO KLEINE DE OLIVEIRA

DIREÇÃO DE NANDO BRAGA

228 - Cópia - Cópia (6)

BDG | Episódio 13

Depois do trigésimo tapa na cara. Laisa acordou.

LAISA: Meu Deus, não era sonho? – se recompondo.

MALINA: Claro que não, e para de fazer a egípcia!

LAISA: Deixa eu entender, você vai me ajudar no que e por que?

MALINA: Nossa, mas você é lenta hein. Vou te ajudar a arumar essa merda de vidinha sua. Vou te fazer mais rica, mais linda, mais irresistível e mais soberana. Mas pra isso você tem que me ajudar né gata.

LAISA: Caraca, meu sonho sempre foi ter uma fada madri…

MALINA: Pxit! – interrompeu tapando a boca de Laisa – Não pronuncia isso perto de mim. Eu sou outro tipo de coisa, e bem melhor que isso que você ia falar!

LAISA: Ual. Que máximo. Mas só eu te vejo? – indagou.

MALINA: Sim, por enquanto sim. A tua inimiga também tem uma parecida ajudando ela, e ninguém vê, meu bem.

LAISA: Ah, eu sabia que tinha macumba, aquela gorda quer roubar o meu lugar aqui. Mas não vou deixar barato!

MALINA: Nesse momento enquanto você dá piti de puta louca teu bofe ta lá acariciando as ancas daquela baleia.

LAISA: Como você sabe?

MALINA: Alooou, tenho poderes, lembra?

* CENA 02 *

Kate sentia sua calcinha molhada. Ia começar a gemer antes mesmo de Felipe a beijar. Os lábios se aproximaram.

LAISA: Que porra é essa aqui? – disse enquanto entrava derrubando a porta.

KATE: Porra? Quem gozou aqui gente? – confusa.

LAISA: Não me venha com gracinhas sua orca. Some daqui!

FELIPE: Epa, epa, epa. Já falei que aqui na minha sala você não manda Laisa. A Kate está aqui em reunião comigo, você não tem o direito de expulsá-la daqui!

LAISA: Eu sei bem o tipo de reunião que vocês estavam fazendo. Reunião de genitais isso sim!

KATE: Você está me ofendendo!

FELIPE: Kate, continuamos nossa conversa depois, me deixa a sós com essa maluca, por favor!

KATE: Claro, licença! – retirou-se.

Ficaram os dois sozinhos na sala.

LAISA: Eu não vou admitir você presentear nenhuma vagabunda dentro da minha redação!

FELIPE: Sua não, nossa. Eu sou dono da metade lembra? E a Kate não é nenhuma vagabunda.

LAISA: Ah, agora vai defender aquela porca?

FELIPE: Ela me salvou de um assalto se você não sabe. E ontem deram uma câmera estragada para ela fazer uma matéria super importante no MASP. A sorte que ela foi inteligente e conseguiu fotos por outros meios. Por causa dela não perdemos um importantíssimo anunciante, que com o que ele paga, você consegue bancar seus luxos e futilidades!

LAISA: Ah, agora quer dizer que tenho que beijar os pés da baleia também em sinal de agradecimento? – Possessa.

FELIPE: Deveria, pois como você mesmo gosta de frisar, a revista é sua também.

Os dois ficaram em silêncio. Laisa abraçou Felipe.

LAISA: Desculpa meu amor, não queria essa situação. Mas não me sinto a vontade com essa baleia trabalhando aqui. Desde que ela chegou tudo mudou aqui. Não quero te perder, em desculpa? – tentou um beijo forçado.

FELIPE: Quem mudou foi você Laisa. E eu não tenho nada com a Kate, só a admiro como profissional. – Afastou seu corpo do de Laisa.

* CENA 03 *

Laisa saiu da sala de Felipe esbravejando pra tudo que era lado, foi rente a mesa de Kate e olhou nos olhos da pobre ex-baleia:

LAISA: Escuta aqui projeto de dinamite. Eu não vou deixar você roubar o meu noivo. Ou tu vai sair daqui por bem ou vai sair por mal! Se te serve um conselho, aceita a primeira opção que vai doer menos. – deu um beijinho em seu próprio ombro.

Saiu em passos firmes para a sua sala. Kate ficou paralisada em sua mesa.

GUTO: Nossa, que vaca! Toma isso pra te acalmar – disse entregando um copo de água com açúcar para Kate – fica calma!

ELLEN: É amiga você precisa ficar calma, por que a Muryellen logo deve estar chegando pra te dar aquela entrevista falando da verdadeira identidade dela. É o assunto que tá bombando no momento, você precisa estar bem!

GUTO: É verdade, e olha que ela resolveu conceder exclusiva só para a nossa revista. Em pensar que aquilo era Emanuel, minha nossa. Vem comigo bi. Vamos lá no vestiário que vou dar uma produzida no teu make.

* CENA 04 *

A entrevista acontecia em uma pequena sala na redação, era para deixar o convidado mais a vontade, principalmente quando o assunto da entrevista era mais espinhoso. Muryellen estava quase encerrando a entrevista com Kate, chorou e pareceu estar sentimentalmente abalada, mas como disse apenas pareceu, já que não era lá flor que se cheirasse.

Ela havia tirado o seu anel de brilhantes que a incomodava quando ia secar as lágrimas com seu lencinho importado. Quando percebeu que estava chegando nas perguntas mais espinhosas, resolveu disfarçar e pediu para ir ao banheiro. Kate a acompanhou.

* CENA 05 *

Laisa estava pensativa em sua sala, quando apareceu Malina.

MALINA: Você tem três minutos para voar na sala de entrevista, catar o anel de brilhantes da Muryellen, e jogar na bolsa da baleia albina, se você quer ser a soberana rainha novamente dessa bagaça!

* CENA 06 *

Conforme o combinado Laisa se jogou pra sala de entrevistas, catou o anel de Muryellen e disfarçadamente jogou na bolsa de Kate, que vivia aberta esparramada em cima da mesa.

* CENA 07 *

KATE: Obrigada pela entrevista, e desculpe-me qualquer pergunta impertinente que eu tenha lhe feito!

MURYELLEN: Que nada menina, você é muito querida e simpática, umas das poucas repórteres que conheço assim. – disse pegando sua bolsa e celular para ir embora – você viu meu anel?

KATE: Não, aliás vi. Você deixou ele em cima da mesa.

MURYELLEN: É mas não está! E quero o meu anel.

As duas se puseram a procurar e sem êxito.

KATE: Será que alguém veio aqui enquanto fomos ao banheiro? – nervosa.

MURYELLEN: Não sei, você que deve saber menina. Eu fui ao banheiro aqui no corredor e você ficou na porta me esperando, deveria ter visto se tivesse passado alguém.

KATE: Sim, mas por um momento fui beber água ali do outro lado aproveitando que você havia ido ao banheiro.

MURYELLEN: Não quero desculpas, quero o meu anel!

Logo Muryellen estava no meio da redação fazendo um escândalo pedindo o anel. Felipe viu o tumulto e foi ver o que havia acontecido e Laisa foi assistir de camarote a queda de Kate.

FELIPE: O que está acontecendo aqui?

MURYELLEN: Alguém roubou meu anel aqui dentro, enquanto eu estava no banheiro.

FELIPE: Não é possível. Todos aqui são de extrema confiança! Deve haver algum engano.

LAISA: Menos a nossa amiguinha baleia aqui né. – Intromentendo-se na conversa – Ela é a mais nova, não conhecemos tão bem ela, e como ela era a repórter deveria ser responsável pela entrevistada e seus pertences. O jeito vai ser vasculhar a bolsa de todo mundo!

KATE: Posso não estar muito tempo aqui Laisa, mas nunca dei motivos pra ninguém desconfiar do meu caráter! – disse nervosa.

LAISA: Ah é queridinha, então prova o teu caráter e mostra tua bolsa primeiro! Vamos ver se você é realmente a santa que todos pintam!

KATE: Tudo bem, eu faço questão que você olhe!

E AGORA SERÁ QUE KATE VAI CONSEGUIR SE DEFENDER?

BDG | Continua amanhã! 

ADNTV

Bicho da Goiaba – Episódio 12

logo

UMA SÉRIE DE TIAGO KLEINE DE OLIVEIRA

DIREÇÃO DE NANDO BRAGA

228 - Cópia - Cópia (6)

BDG | Episódio 12

Kate dormiu como uma porca antes de parir. Fazia algum tempo que não dormia tanto e tão bem. Acordou-se disposta, cantarolando nem sentia mais o chão de madeira se mexer quando caminhava.

O sol adentrava o pequeno apartamento, Ellen ainda dormia, estava exausta com o sexo selvagem de Paulão e Belinda estava cercada de pequenas borboletas ao redor da nuvem onde estava deitada, o que significava que estava recarregando as baterias.

Logo ouviu-se um grito, era Kate.

KATE: Socorro, alguém me ajuda! – gritava em frente ao espelho do banheiro, acordando metade do prédio.

Para concluir as comparações com bichos no episódio de hoje; Belinda e Ellen saltaram igual duas galinhas do poleiro e em segundos estavam esbaforidas em frente a porta do banheiro.

ELLEN: O que aconteceu amiga?

KATE: Olhem pra mim, minha pança sumiu! – Disse assustada enquanto tocava na barriga tentando achar algum vestígio de pelanca.

BELINDA: Caraca muleque! – espantada.

ELLEN: E isso não é bom?

KATE: Bom? Como eu vou explicar pra todo mundo onde foram parar todas aquelas arrobas? Dormi gorda e acordei magra, como num passe de mágica, tenha dó né! – disse irritada

BELINDA: E eram muitas arrobas, deu trabalho! – pausa e risos – hahahaha

Kate estava apavorada com a sua nova condição física, não sabia o que dizer, fez uma pausa.

KATE: Então foi você sua fada de meia tigela! – partiu para cima de Belinda e grudou nos cabelos da pequena fada.

Após alguns minutos de gritarias e ofensas, Ellen conseguiu a ordem no galinheiro, digo no recinto.

ELLEN: Chega! Vocês parecem duas crianças pequenas!

KATE: Cara eu to magra e diferente, o que vou falar pra todo mundo? Meu sonho era ser magra, ok. Mas não assim do dia para noite! – continuava procurando suas gorduras.

BELINDA: Kate, eu não faria algo sem pensar nos detalhes, pode ficar tranquila tudo vai dar certo! Confia em mim.

KATE: Confiar em você? Da ultima vez você cagou com o meu quase beijo com o Felipe quando resolveu colocar uma avestruz em pleno centro da cidade.

ELLEN: Perdi essa parte, alguém me conta? Rolou beijo com o Felipe?

BELINDA: Depois te passo os detalhes.

Kate sentou-se na privada, abaixou a cabeça e ficou pensativa por alguns minutos. O silencio dominou o banheiro.

KATE: hahahahahahahahaha – Soltou uma gargalhada que acordou a outra metade do prédio que não tinha acordado com o grito.

ELLEN: Você tá bem Kate? – preocupada.

KATE: Caraca, eu consigo ver a minha xexeca! E faz tempo que não a via. – olhou em direção a sua genitália e prosseguiu – Oi amiga, quanto tempo?

Todas caíram na risada, o clima tenso havia passado.

(vinheta de abertura)
https://vid.me/45mX
* CENA 02 *

Após o surto e recuperadas da novidade, todas estavam no quarto onde Kate dormia, revirando as malas a procura de um look ideal para o seu primeiro dia como nova magra.

KATE: O lado bom disso é que você fez com que todas as minhas roupas diminuíssem. Assim vou economizar uma grana em roupas!

BELINDA: Na verdade a intenção não foi de te fazer economizar, mas sim de você parecer normal aos olhos dos outros com as roupas que você usa no dia a dia. A real é que tuas roupas são feias pra caralho, eu e a Ellen vamos levar você no shopping pra te ajudar a escolher uns trapinhos melhor, e ai você vai se desapegando aos poucos dessas coisas de babado e estampa.

KATE: Nossa não sabia que eu tinha tão mau gosto pra roupa!

ELLEN: É que por você estar gordinha, assimilou as roupas às capas de botijão de gás. Pode reparar é tudo com estampa e babado típico daquelas capas medonhas.

KATE: Nossa vocês são muy amigas – colocou um de seus vestidos preferidos, e por sinal o mais lindo que ela tinha – esse eu guardei pra quando ficasse magra. – O vestido não fechava – Estranho, porque não fecha? Me ajudem aqui meninas!

BELINDA: Esse não vai servir sua jamanta! Você emagreceu mas não a ponto de entrar nesse vestido!

KATE: Mas eu jurava que serviria, antes de eu ficar aquela orca eu já tinha uma barriguinha saliente e entrava, agora to magérrima e nada de entrar.

ELLEN: As vezes o vestido encolheu – aconselhou.

KATE: É verdade, uma pena! – desanimada.

BELINDA: Mas vamos escolher outro então…

KATE: Só uma pergunta, todos me verão magra? Eles não vão estranhar?

BELINDA: Não. Na mente deles é como se você sempre tivesse sido magra. Talvez eles notem alguma diferença, mas não saberão o que é realmente. Fica tranquila que vai dar tudo certo!

KATE: Seja o que Deus quiser!

* CENA 03 *

Kate estava se sentindo linda e poderosa. Havia até ousado no decote e na maquiagem. Por onde passava todos a olhavam. Até ouviu um “vou te arregaçar gostosa” de um pedreiro em uma construção, coisa que há muito tempo não ouvia.

Na redação entrou estonteante, parecia estar fazendo parte de um comercial de shampoo, onde todos a reparavam.

Na sua mesa, um buquê de flores do campo, com um cartão de Felipe agradecendo o seu improviso na matéria feita sobre cultura e a agradecendo por tê-lo salvado. Kate sorriu, estava feliz por dentro, como a tempo não estivera.

GUTO (MOÇO DA REDAÇÃO): Você está linda hoje Kate. Parabéns!

KATE: Obrigada Guto.

GUTO: E essas flores, são de algum bofe peguete?

KATE: Não, não. São do Seu Felipe me parabenizando pela matéria de ontem!

GUTO: Ah sim, a matéria ficou ótima, mas as fotos melhores ainda!

Kate lembrou-se da velha engasgada.

KATE: Sim as fotos foram a cereja do bolo. – sorriu tensa.

O cheiro de flor e felicidade chegou até o nariz nojento da secretária cobra, Luci.

LUCI: Uau! Quer dizer que o Felipe te mandou flores com cartão? Estranho, nunca vi isso antes aqui. Aliás, a única que recebeu flores do Felipe até hoje foi a Laisa, e ela é noiva dele, o que faz todo o sentido.

GUTO: O que você está sugerindo sua cobra?

LUCI: Calma viado, nada demais. A minha conversa aqui é com a ex baleia e não com o viadinho do grupo.

KATE: Calma gente! Não achei nada de mais, as flores na verdade foram para me agradecer pelo quase assalto que ele sofreu e eu apareci para ajudar, além da matéria de cultura. Não tem motivos para me comparar com a Laisa, podes ficar tranquila Luci.

Mesmo tentando tapar o sol com a peneira, Kate estava tensa, e não conseguiu enganar a naja sobre a felicidade que estava sentindo. Luci sorriu amarelo fingindo estar tudo bem.

* CENA 04 *

Já era o nonagésimo urso de pelúcia que Laisa esfaqueava. Sua mesa estava rodeada de algodão e bolinhas de isopor.

LAISA: Eu não acredito que o Felipe deu flores para aquela baleia albina!

LUCI: Pois é, ela tentou inventar uma história pra gente cair, mas não mostrou o que estava escrito no cartão. Sei lá acho melhor você abrir o olho!

LAISA: Eu sei queridinha, você não precisa me falar isso! Agora vaza daqui, e me deixa pensar!

LUCI: Noffa, que meda! Cuida pra não botar fogo na sala com os teus pensamentos! HAHAHAHAHA – e saiu da sala.

Laisa arremessou o seu porta canetas na parede esbravejando seu ódio.

LAISA: Aquela piranha não vai atrapalhar a minha vida de novo!

* CENA 05 *

Kate estava na sala de Felipe, sentia o mesmo dever que aprenderá na infância de agradecer pelos presentes dos padrinhos. Precisava agradecer as flores. Suas mãos suavam, suas pernas bambeavam e o corpo ameaçava um orgasmo.

KATE: E-e-e-e-u (gaguejando) queria agradecer pelas flores. São lindas!

Felipe levantou-se e foi ao encontro dela que estava de pé estática em frente à porta.

FELIPE: Você não precisa agradecer nada. Eu que te devo gratidão.

Os dois se olharam em silêncio.

FELIPE: Sabia que você está linda hoje? – disse chegando perto de Kate e tocando seu cabelo.

Kate gozava por dentro.

* CENA 06 *

Uma fumaça preta invadiu a sala de Laísa, parecia ter pegado fogo em algo. Laisa estava tossindo e quase sem conseguir enxergar. Aos poucos a fumaça foi diminuindo, o cheiro de queimado também, e Laisa foi recuperando o olfato e a visão. Logo percebeu que tinha uma moça estranha sentada a sua frente, era loira e tinha os olhos azuis.

LAISA: Que susto! – pôs a mão no coração – Quem é você? Por onde entrou?

MALINA: Essa fumaça você achou que veio de onde meu bem?

LAISA: Não entendi.

MALINA: Bem que me falaram, que pensar não era o seu forte. Meu nome é Malina, sou sua fada do mal. Vim das trevas pra te ajudar!

LAISA: Oi? – desmaiou.

O QUE SERÁ DE KATE E BELINDA COM O NOVO REFORÇO DE LAISA?

BDG | Continua sábado!

ADNTV

Bicho da Goiaba – Episódio 11

logo

UMA SÉRIE DE TIAGO KLEINE DE OLIVEIRA

DIREÇÃO DE NANDO BRAGA

228 - Cópia - Cópia (6)

BDG | Episódio 11

Belinda se atrapalhou e caiu dentro do container de lixo, fazendo um barulhão. Os lábios de Kate e Felipe estavam próximos, mas com o barulho logo se afastaram. O tão esperado beijo não aconteceu.

FELIPE: Quem está ai? –  perguntou assustado.

Belinda pensou rápida e soltou um sonoro:

BELINDA: CÓ CÓ CÓ…

KATE: Ah era uma galinha, vem cá! – disse relaxada puxando Felipe, querendo que o beijo rolasse.

FELIPE: Aqui no meio da cidade? Fiquei curioso, onde será que ela está? – disse e saiu procurando.

BELINDA: Caralho, e agora? – ficou pensativa – tirou a varinha do meio dos seus seios e apontou, imaginou uma galinha, mas…

KATE: Socorro uma avestruz! –disse Kate avistando o animal saindo de trás do container e vindo em direção à eles.

FELIPE: Corre que ela avança!

E foi um verdadeiro Pandemônio no centro da cidade, uma avestruz no meio da rua atrapalhando o trânsito, quebrando carros, pisoteando pessoas e bicando tudo que era barraca de comida e restaurante.

Os dois foram para o carro e partiram para a redação. 

(vinheta de abertura)
https://vid.me/45mX
* CENA 02 * 

Kate chegou exausta da redação e foi direto para o banho, Ellen contava sua historia com Paulão para Belinda que ouvia admirada o romance selvagem da pequena notável. Ao sair do banho Kate quis se inteirar no assunto.

KATE: O Paulão vai vir pra jantar?

ELLEN: Não, vai chegar mais tarde, tem uma reunião.

KATE: Ah ele trabalha? –Perguntou irônica.

ELLEN: Sim, ele é eletricista.

BELINDA: É de cabo ele entende. HAHAHAHA

Eram duas da manhã quando Kate se acordou assustada. Eram os gemidos de Ellen novamente. A pequena nuvem ao lado da cama de Kate, onde Belinda dormia, estava vazia. Kate estava se levantando para procurar Belinda, quando ela voltava da cozinha.

KATE: Onde você estava?

BELINDA: Eu fui beber água, fada também bebe sabia?

KATE: Sim, eu sei. Que barulheira é essa meu Deus?

BELINDA: Sexo, lembra?

KATE: Sim, mas esse namorado da Ellen é imaginário.

BELINDA: kkkkk, você que acha meu bem, ele é lindo e tem uma terceira perna, eu tava lá vendo.

KATE: Sério que ele existe?

BELINDA: Claro que sim. Ela tem algum poder especial.

KATE: A Ellen?

BELINDA: Sim, por isso ela consegue me ver, e ver pessoas do mundo oculto. Isso é meio raro.

KATE: Credo. – Disse fazendo o sinal da cruz.

BELINDA: Você sabia que cada vez que faz um sinal da cruz aqui na Terra, dez anjos se levantam lá no céu pra te atender!

KATE: Não sabia, nossa!

BELINDA: Pois é, então pare de fazer este sinal a toa!

BELINDA: Mas mudando de assunto, tenho uma coisa pra falar com você.

KATE: Fala.

BELINDA: Eu vi seu “quase beijo” hoje a tarde.

KATE: Ah você era a galinha então?

BELINDA: Sim caralho, me quebrei toda lá.

KATE: Eu não sei se você aprendeu, mas galinha é uma coisa e avestruz é outra.

BELINDA: Eu sei fofa. Minha varinha deu uma falhada, por isso.

KATE: Vindo de você não podia se esperar outra coisa.

BELINDA: Se tu continuar me xingando eu vou enfiar a minha varinha no teu @# sua baleia albina.

KATE: Nossa. Grosseria tem nome agora, Belinda! Pode falar palavrão assim depois de morta?

BELINDA: Ah, vai te catar, e chega de bla bla bla que eu não tô boa hoje.

Kate achou graça na raiva de Belinda, logo ficaram em silencio.

BELINDA: Você gosta do Felipe? Seja sincera.

Kate pensou um pouco. Estava sentindo borboletas na sua enorme barriga. Suas mãos suavam quando ela via Felipe. Sentia orgasmos quando ele a tocava. Sentir o cheiro e o toque dele, era melhor que comer chocolate ou ir à um rodízio de pizza.

KATE: Acho que eu tô apaixonada por ele.

BELINDA: Bingo! Eu sabia.

KATE: Mas nem vou me iludir, ele é rico, lindo e noivo da Laisa que é magra e rica. Não tenho chances garota.

BELINDA: Sou sua fada madrinha meu bem!

KATE: De que adianta, até agora só fez aparecer uma avestruz em pleno centro de São Paulo, deu até no noticiário.

Os gemidos na sala aumentavam.

BELINDA: Puta que pariu, vou ver se o Paulão não tem nenhum amigo pra mim.

KATE: E fada madrinha faz sexo?

BELINDA: Poxa, fode pra caralho kkkkkk.

KATE: haha, daria tudo pra ver os anjos fodendo.

BELINDA: Mas voltando ao assunto eu estava estudando teu caso mais de perto.

KATE: E chegou a que conclusão? Devo voltar pro mar?

BELINDA: Vaiiiii Free Willy! – riu e fez uma pausa. – Não brincadeira.

KATE: Fala porra!

BELINDA: Qual seu maior desejo hoje?

KATE: Meu maior desejo? – Kate ficou refletindo sobre o que mais queria naquele momento, eram tantas coisas que passavam em sua cabeça, mas decidiu. – Quero minha filha e meu corpo de volta!

BELINDA: Seu pedido é uma ordem. Eu como sua fada vou te ajudar a conseguir isso!

KATE: Ah é, e como?

BELINDA: Chega de pergunta jamanta! Amanhã seus dias começarão a ser diferentes!

Belinda apontou com sua varinha mágica na testa de Kate, que caiu no sono.

O que vai acontecer com Kate?

BDG | Continua amanhã!

#DAQUI Á POUCO: assassinoaugusto

ADNTV

Bicho da Goiaba – Episódio 10

logo

UMA SÉRIE DE TIAGO KLEINE DE OLIVEIRA

DIREÇÃO DE NANDO BRAGA

228 - Cópia - Cópia (6)

BDG | Episódio 10

Felipe estava nervoso, apertava no botão da caneta sem parar, já fazia cinco minutos que Kate estava sentada na sua frente e ele não pronunciara uma palavra sequer. Angustiada Kate lembrava-se de quando era pequena e queria sair sozinha com as amigas da rua onde morava, o que quase nunca acontecia, pois sempre tinha que levar Susan, que na época tinha três anos, junto. Certo dia com raiva ela comprou alguns pacotes de doce e deixou com Susan dentro de um barril de plástico na casa de uma de suas amigas, e foi para o passeio. O barril na verdade era um latão de lixo, e Susan tinha problemas intestinais se abusasse do açúcar. Resumindo Susan foi encontrada por catadores de lixo, no aterro sanitário da cidade, toda cagada, de cima a baixo. A policia foi acionada e os pais de Kate foram chamados. O nervosismo que sentia agora era o mesmo comparado ao que sentiu aquela vez, quando seu pai estava indeciso entre tirar seus orgãos para venda clandestina, se esquartejava e dava seus restos mortais a alguma tribo canibal ou se dava-lhe uma surra histórica com seu cinto novo de pele de lagarto albino. Optou pela terceira, a surra foi tanta que o couro do jacaré albino ficou bronzeado. Voltando ao presente, questionou:

KATE: Eu serei demitida é isso? 

FELIPE: Fiquei chocado com o que aconteceu ontem Kate, eu apostei alto em você. – disse desapontado.

KATE: Eu sei, mas a culpa não foi minha. Eu não tinha roupa e o figurinista me arrumou aquilo, achei estranho, mas ele disse que a Lady Gaga iria adorar, eu só não imaginava que ela iria gostar tanto.

FELIPE: Erros acontecem, e servem de lição para que não sejam repetidos. – Fez uma pausa e continuou – vou te dar mais uma oportunidade, e espero que não falhe.

KATE: Eu nem sei como te agradecer, mas pode deixar que vou fazer o meu melhor.

FELIPE: Assim eu espero!

KATE: Você ainda vai sentir orgulho de mim Felipe!

FELIPE: Muito bem. Vou esperar essa noticia da Lady Gaga esfriar, até lá você vai ficar meio off na sessão de moda, vou lhe dar uma oportunidade na parte de cultura. Hoje você tem a cobertura de uma exposição no MASP, porém não teremos nenhuma fotografa disponível, ai você terá que se improvisar nas fotos. Vá até o estúdio e pegue uma câmera pra você levar. Quero muitas fotos!

KATE: Pode deixar, é pra já.

Kate saiu da sala e minutos depois Laisa entrou.

LAISA: E ai, mandou aquele despacho pro mar?

FELIPE: Em primeiro lugar ela não é despacho, e em segundo lugar o erro não foi dela. Então eu dei mais uma chance para ela.

LAISA: Você não tinha esse direito!

Laisa continuou discutindo com Felipe, enquanto Kate preparava suas coisas para sair a campo e fazer a reportagem.

Instantes depois Laisa saiu batendo portas e foi para sua sala. 

(vinheta de abertura)
https://vid.me/45mX
* CENA 02 *

Laisa adorava depenar ursinhos de pelúcia quando estava com raiva, desde criança tinha essa mania. Na redação quando se via um caminhão carregado de ursos chegando, podia apostar que ela estava brava feito uma galinha no cio.

A secretaria de Laisa resolveu aconselhar a “amiga” e levou um café bem forte para Laisa que estrangulava um tigre com as mãos.

SECRETARIA: Eu trouxe um café pra senhora!

LAISA: Eu não quero café, quero que aquela baleia suma daqui. Desde que essa gorda apareceu aqui minha vida virou um inferno.

SECRETARIA: Bom ela já foi advertida hoje de manhã pelo seu Felipe. Acho que mais um erro seria fatal pra ela aqui dentro!

LAISA: Sim, eu sei.

SECRETÁRIA: Então…

LAISA: Então, o que?

SECRETARIA: Ela tem uma sessão de fotos para fazer naquela exposição que começa hoje. Que tal se ela fosse com a máquina estragada?

LAISA: Mas daí ela não ia conseguir tirar foto. E o Felipe adora matérias com foto.

SECRETÁRIA: Essa é a ideia, ela não ter nenhuma foto. – disse não acreditando na burrice de Laisa.

LAISA: Claro você está certíssima. Vou tentar despistar ela e colocar uma câmera estragada no lugar.

* CENA 03 *

Kate estava com a sua bolsa arrumada em cima da mesa. Laisa se aproximou de Kate sorridente.

LAISA: Querida a moça do RH esta te chamando para você assinar o contrato de experiência.

KATE: Sim senhora. – E pegou a bolsa.

LAISA: Não querida, deixe suas coisas aqui, depois você pega.

KATE: Tudo bem.

Kate saiu por uma porta e a secretária entrou por outra, com uma câmera nas mãos, Laisa trocou a câmera e saiu do local.

* CENA 04 *

No MASP Kate observava as obras de arte expostas, logo um senhor de voz grave anunciou a chegada do artista plástico, Kate começou a rodada de perguntas. Mas para sua surpresa na hora de fotografar a câmera não ligava. Desesperada e nervosa tentou de varias formas ligar a câmera, mas sem sucesso.

Encerrou-se a coletiva e iniciou um coquetel. Kate estava nervosa e resolveu descontar nas coxinhas e pasteizinhos, não demorou para que puxasse papo com uma velha senhora.

KATE: Então a senhora é fotografa profissional? Trabalha em alguma revista?

SENHORA: Não, não, é mais arquivo pessoal mesmo!

KATE: Pois é, como eu disse eu estou fazendo uma matéria pra revista Goiabas, mas minha câmera estragou, será que a senhora não poderia me emprestar suas fotos? Eu coloco as devidas credenciais.

SENHORA: Não, as fotos são minhas! – disse curta, seca e grossa.

Kate se aproximou da mesa para pegar mais algumas coxinhas, estava pensando em uma forma de convencer a velha a liberar as fotos. Avistou um caroço de alguma fruta na mesa e resolveu tirar jogando para trás.

A velha estava de boca aberta, atrás de Kate, rindo das piadas de alguns repórteres e sem perceber engoliu o caroço. E começou a sessão de engasgamento, era quem mais podia socorrer a velha. Aproveitando a ocasião Kate pegou a máquina e saiu em disparada para a rua.

* CENA 05 *

Correndo igual uma ladra de galinha assada pelas ruas de São Paulo, Kate conseguiu despistar os caras que corriam atrás dela e se escondeu atrás de um container de lixo.

Após algum tempo ela continuou seu percurso, foi quando viu Felipe sendo assaltado enquanto aguardava no semáforo.

Sem pensar duas vezes Kate Juntou um tijolo e se aproximou da estrada, mirou e acertou na cabeça do bandido, que caiu igual um periquito manco no chão.

Felipe ficou assustado com a cena. Passou o semáforo e estacionou o carro.Foi ao encontro de Kate no beco que ela estava.

FELIPE: Nossa, eu nem sei o que dizer. Você me livrou daquele bandido.

KATE: Que é isso, eu só fiz o que qualquer um faria. Tenho ótima pontaria! Se tivesse mole tinha saído né?

FELIPE: O que? – sem entender.

KATE: Nada não, era do coco que eu tava falando.

FELIPE: Ah sim! – sorriu sem jeito. – Mas eu percebi que você é boa de mira.

Felipe abraçou Kate e logo as faces se encontraram.

Por detrás do container de lixo onde Kate estava, surge Belinda em silencio e falando em voz baixa para si mesmo.

BELINDA: Já sei por onde vou começar!

Será que vai rolar um beijo entre Kate e Felipe?

BDG | Continua sábado!
ADNTV

Bicho da Goiaba – Episódio 09

logo

UMA SÉRIE DE TIAGO KLEINE DE OLIVEIRA

DIREÇÃO DE NANDO BRAGA

228 - Cópia - Cópia (6)

BDG | Episódio 09

Kate sentiu suas costas suarem e o sangue quente correr na veia. Laisa repetia sua ordem em voz alta, fazendo questão que todos da redação ouvissem.

LAISA: Vamos sua vadia gorda, limpa esse chão!

Felipe aparece por trás de Laisa.

FELIPE: Ela não vai limpar nada! Temos faxineiras contratadas pra isso!

LAISA: Mas…

FELIPE: Sem mas nem meio mas. Não admito que você humilhe os funcionários aqui dentro. Vá para sua sala que precisamos conversar. – disse em tom autoritário.

LAISA: Eu… – e foi interrompida pelo grito de Felipe.

FELIPE: Pra sala!

Laisa foi para sua sala pisando forte no chão, enquanto Felipe conversava com Kate.

FELIPE: Você está bem?

KATE: Sim senhor!

FELIPE: Não precisa me chamar de senhor, sou mais novo que você!

KATE: Tudo bem alem de gorda sou velha também.

FELIPE: Não foi isso que eu quis dizer, me desculpe?

KATE: Tudo bem!

Felipe viu que a roupa de Kate estava com uma mancha enorme.

FELIPE: O que aconteceu com a sua roupa?

KATE: A Laisa tropeçou e derrubou café em mim. – disso isso fazendo sinal de aspas com os dedos ao falar o tropeçou.

FELIPE: Ah entendi, tropeçou? – fez uma pausa e continuou – Bem tenho um trabalhinho para você, está acontecendo o lançamento nacional do perfume da Lady Gaga, gostaria que você fosse até lá e fizesse uma matéria para a próxima edição da revista. A Ellen deve estar a caminho, ela vai fotografar pra você.

KATE: Ual, mas é claro. Só que eu teria que passar em casa pra trocar de roupa.

FELIPE: Não vai dar tempo, já chamei um taxi e ele deve estar chegando. Vá até o nosso figurino no estúdio e vê se você acha alguma peça pra você.

Kate chegou ao closet do estúdio e percebeu que só havia fantasias de carnaval. Então se aproximou do figurinista, espantada.

KATE: Só tem fantasias de carnaval aqui?

FIGURINISTA: Sim por quê?

KATE: É que eu sujei minha roupa com café e tenho uma matéria pra fazer, ai o Seu Felipe pediu pra eu vir até aqui escolher algo.

FIGURINISTA: Olha minha filha eu lamento muito, mas mesmo se tivesse não iria te servir!

KATE: Não tudo bem!

FIGURINISTA: É que estávamos com acumulo de peças, sabe? Cada marca que saia nas nossas edições deixavam algumas peças usadas nas sessões para a revista.  Ontem cada uma da redação veio escolher uma peça e acabaram ficando vazio, ai hoje chegaram essas fantasias que são para a sessão de fotos da nossa próxima edição.

KATE: Bom então deixa né.

O figurinista ficou pensativo e vendo a cara de desanimo de Kate, disparou:

FIGURINISTA: Tive uma ideia, vem comigo!

* CENA 02 *

Kate desembarcou do taxi e entrou no saguão onde estava acontecendo a coletiva de imprensa de Lady Gaga. Sua entrada foi tomada por flashes dos outros fotógrafos e repórteres que estavam no local. Em seguida entrou Ellen e ao ver Kate paralisada na porta se aproximou:

ELLEN: Menina que roupa é essa?

KATE: Estou muito Extravagante? – Kate estava com um vestido de penas azuis e uma tiara com detalhes pratas e penas azuis.

ELLEN: Você parece uma gralha azul.

KATE: Tá todo mundo olhando pra mim! – disse assustada.

ELLEN: Também, até a Lady Gaga que é horrores mais extravagante que você, hoje está discreta. Você ta roubando a cena Kate.

Lady Gaga que observava toda a movimentação de cima do palco resolveu descer e ir ao encontro de Kate.

LADY GAGA: I want your dress! (Quero seu vestido)

KATE: Not, is my! (Não, é meu)

LADY GAGA: I Want his white whale (Eu quero sua baleia branca) – disse com a voz grave e brava.

Kate saiu em disparada para a rua, aos fundos se ouvia Lady Gaga gritando “Catch It”, ou melhor, “Peguem ela”!

A rua ganhou um colorido azul com Kate correndo pelas calçadas, se as penas servissem para algo ela poderia voar, mas nada feito. A obesidade é um serio problema físico, a falta de ar fez com que Kate parasse para tomar fôlego. Logo os seguranças e Lady Gaga haviam alcançado Kate.

LADY GAGA: End of the line baby! (Fim da linha baby) we pluck the orca (Vamos depenar a orca!)

Kate gritou por socorro parecendo literalmente uma gralha fanha, mas nada adiantou. A popstar arrancou a roupa de Kate e foi embora. O evento foi cancelado, Kate foi levada seminua para casa. A pele branca rosada era como se fosse um leitoa indo para o abate.

* CENA 03 *

O sol batia forte na janela do apartamento de Ellen. O despertador de Kate tocou, eram sete da manhã. Belinda fazia um belo omelete na cozinha. Não é porque Belinda era do céu, mas o cheiro estava divino.

KATE: Bom dia Belinda!

BELINDA: Bom dia Kate, estou fazendo um omelete pra você, acredito que você vá precisar.

KATE: Por que? – questionou assustada.

BELINDA: Da uma olhada nisso aqui. – Entregou seu tablet para Kate ver.

KATE: Meu Deus! – paralisou.

BELINDA: Repórter da revista Goiabas rouba a cena em lançamento de perfume de Popstar e fica sem roupa em publico na frente de Lady Gaga. É mole ou quer mais? Manchete em quase todos os jornais e revistas.

KATE: To fudida!

O telefone toca, logo em seguida Ellen aparece com ele nas mãos.

ELLEN: Bom dia Kate, telefone pra você!

KATE (ao telefone): Alô!

FELIPE: Kate, acho que precisamos conversar seriamente sobre o que aconteceu ontem. Estou te esperando na minha sala, ok?

KATE: Sim senhor! – desligou o telefone, um pouco tensa.

ELLEN: O que foi amiga?

KATE: Acho que serei demitida!

BELINDA: Potaquepareu!

Será que Kate dará a volta por cima?

BDG | Continua amanhã!
ADNTV