Amor Sem Fim – Primeiro Capítulo | ESTREIA

UMA NOVELA DE JHEFF REIS

228-copia-copia-6-copia

Resumo da História principal

Cecília nunca gostou de sua irmã Maria Lúcia, a Malu. Desde novas elas sempre brigaram. Anos se passam e essa briga de Cecília por Malu só aumenta, tanto é que Cecília arma para separar sua irmã de Toni.
Fábio é sobrinho do ex-marido de Cecília, mas ela o tem como um filho que não teve. Todo esse amor por Fábio fará com que Cecília tente impedir o romance dele com Amanda, sobrinha de Cecília, filha de Malu e Toni.
Um acidente causado por Débora, ex-namorada de Fábio, que volta a mando de Cecília, deixará Amanda entre a vida e a morte e isso colocará a prova o amor de Fábio pela filha de Malu.

Será que existe limites para o amor?


Petrolina – Bahia

Cena 01 | Cachoeira Rio | Dia

Maria Lúcia e Toni conversam.

Toni – Amanhã eu vou até a sua casa pedir a sua mão em casamento. E ai vamos ser felizes para sempre.

Beijam-se.

Maria Lúcia – Você tem que dizer que quer casar com a filha mais velha da casa, por que painho segue a tradição de que o futuro marido não pode ver o rosto da futura esposa antes de casar. Foi assim com as outras que casaram.

Toni – Então eu só vou poder ver seu rosto depois que a gente casar?

Maria Lúcia – Isso!

Toni – Amanhã. Vai ser amanhã!

Maria Lúcia – Vou te esperar!

Os dois se beijam. Malu vai embora.

Cecília observava a conversa dos dois.

Cecília – (sussurra) Eu não vou deixar você se casar. Eu é que vou ficar no seu lugar.

Cecília segue mato adentro de volta pra casa.

 

Dia seguinte…

 

Cena 02 | Casa de Agapito | Noite.

Agapito, pai de Maria Lúcia e de Cecília, está sentado na cadeira de balanço na porta da casa, olhando para o mato.

Toni aparece.

Agapito – (alto) Jurema me traga a espingarda! Um sujeito vem vindo em direção a nossa casa!

Jurema, mãe das meninas trás a arma.

Agapito (Apontando a espingarda) – Pare ai mesmo sujeito! Pare ai ou eu te meto uma bala!

Toni – (amedrontado) Abaixe a arma, por favor, venho em paz para lhe fazer um pedido!

Agapito – Mas isso num é hora pra isso!

Toni – Quero me casar com uma de suas filhas!

Agapito – E quem é você pra fazer um pedido desse?!

Toni – Meu nome é Toni! Será que eu posso conversar com o senhor?

Eles se entreolham. 

Agapito – Eu vou baixar e se tu fizer qualquer graça eu lhe mato aqui mesmo!

Corta para: Interior da Casa.

Agapito – Pois então, faça o seu pedido!

Toni – Quero que o senhor permita que eu possa me casar com a sua filha mais velha.

Jurema – Mas a nossa fia mais velha já se foi embora casada e muito bem casada.

Toni – Não me entendam mal, pois quando falo em filha mais velha me refiro a mais velha da casa. Que mora com vocês.

Agapito – E que futuro vai dar a ela se eu permitir que o casamento aconteça?

Toni – Tenho um dote muito generoso e sou dono de duas fazendas próximo daqui.

Agapito – E por que quer casar com filha minha? Por acaso viu alguma delas?!

Toni – Não senhor! Sua tradição na hora de casar suas filhas corre a mais de léguas e isso me fez chegar até aqui.

Agapito – Pois então assim será! Amanhã às dezessete horas em ponto, hora em que o sol começa a arranhar a montanha, eu caso vocês. Agora se vá, vá e só volte amanhã!

Toni – Com licença.

Toni deixa o local.

Jurema – Me parece ser um bom rapaz/

Agapito – Mande o Juca ir até a cidade logo pela manhã chamar o padre.

Jurema – Vou agora falar com ele. E vou também terminar de preparar a janta.

Jurema sai deixando Agapito sozinho.

 

Cena 03 | Casa de Agapito | Quarto | Noite.

Agapito vai até o quarto das filhas.

Agapito – Maria?

Maria Lúcia – Sim, painho?

Agapito – Amanhã tu vai se casar. Um rapaz veio aqui pedir sua mãe.

Maria Lúcia – Sim senhor!

Agapito sai do quarto.

Maria Lúcia – Ouviu Cecília? Agora sou eu a próxima a casar.

Cecília finge dormir.

Maria Lúcia – Sei que você não está dormindo.

Cecília – Prefiro não ouvir!

Cecília vira-se para o outro lado.

Maria Lúcia fica sorridente.

 

Cena 04 | Caminho da fazenda | Manhã.

Maria Lúcia e Cecília caminham em direção ao poço

Maria Lúcia – Estou tão feliz.

Cecília – Não era pra estar, se você nem conhece o rapaz, ou conhece?

Maria Lúcia – Claro que não! Estou feliz por que vou deixar de morar aqui.

Cecília – Não gosta de morar aqui?

Maria Lúcia – Gosto, mas chega um tempo que a gente tem que casar.

Cecília (Ignora) – Vou pro pasto, você vem?

Maria Lúcia – Vou!

As duas dessem para o pasto.

 

Cena 05 | Cidade | Igreja | Manhã.

Juca chega até a igreja.

Juca – A bênção padre?

Padre – Que Deus te abençoe meu filho.

Juca – Vim lhe trazer um recado do coronel Agapito. Ele pediu pra que o senhor vá até a fazenda no final da tarde pra realizar o casamento de uma de suas filhas.

Padre – E que horas será esse casamento?

Juca – Na hora em que o sol começa a arranhar a montanha.

Padre – Pois vá, vá meu filho e diga que logo estarei lá.

Juca – Sim senhor, Padre.

Padre – Então assim será meu jovem. Após a missa eu vou até a fazenda do senhor Agapito.

Juca – A Benção seu Padre?

Padre – Que Jesus lhe acompanhe e te abençoe meu filho.

Juca vai embora.

Cena 06 | Fazenda de Agapito | Pasto | Manhã.

Cecília e Maria Lúcia limpam o pasto.

Cecília observa Malu com raiva.

Malu – Acabei aqui! Eu vou subir, tenho que me arrumar às coisas pro casamento.

Cecília – Eu vou ficar aqui.

Malu – Vou subir.

Malu vira-se pra ir embora.

Cecília acerta a cabeça de Malu com a enxada.

Cecília – Eu vou casar no seu lugar!

Cecília arrasta Malu até a parte de trás do pasto.

Ela amarra Malu e põe uma mordaça.

Cecília – Vou ser muito feliz no seu lugar!

Cecília sobre pra casa.

 

Cena 07 | Casa de Agapito | Quarto | Fim da Tarde.

Às pressas Cecília se arruma.

Ela põe o vestido branco feito pela mãe Jurema. E logo coloca o véu.

Entra Jurema.

Jurema – Chegou a hora minha filha. Venha o noivo já chegou.

Cecília vai com Jurema.

Jurema – Viu a sua irmã? Está sumida desde cedo.

Cecília responde negativamente com a cabeça.

As duas saem do quarto.

 

Cena 08 | Casa de Agapito | Sala | Fim da Tarde.

Toni, o Padre, Agapito e Juca esperam pela vinda da noiva.

Cecília e Jurema chegam à sala.

Agapito – Vamos começar logo isso. Pode começar seu Padre.

Padre – Noivos caríssimos, viestes para que o vosso propósito de contrair Matrimonio seja firmado com o sagrado selo de Deus, perante o ministro da Igreja e na presença de vossa família. Cristo vai abençoar o vosso amor conjugal. Ele, que já vos consagrou pelo santo Batismo, vai agora dotar-vos e fortalecer-vos com a graça especial de um novo Sacramento para poderdes assumir o dever de mútua e perpétua fidelidade e as demais obrigações do Matrimonio. Diante de vossa família, vou, pois, interrogar-vos sobre as vossas disposições.

Casamento segue em off…

 

Cena 09 | Casa de Toni | Quarto | Noite.

Cecília está sentada na cama de Toni ainda com o véu cobrindo seu rosto.

Toni suspende o véu.

Toni – Cecília? O que… Cadê a Malu?

Cecília – Esqueça a Malu. Agora você é meu e eu sou sua. Somos casados agora!

Toni (pega Cecília pelos braços) – O que foi que você fez com a Malu?

Cecília – Tomei a felicidade dela. Ela me mandou no lugar dela por que ela não queria casar com você.

Toni – Isso não é verdade! Eu vou atrás dela.

Cecília – Se você sair por essa porta eu volto pra fazenda e digo ao painho que você abusou de mim.

Toni – Você não seria capaz disso!

Cecília – Sou capaz de tudo! E ai painho mandar te matar!

Toni sai do quarto em direção à rua. Cecília vai atrás.

 

Cena 10 | Casa de Agapito | Sala | Noite.

Cecília chega toda rasgada e suja de lama.

Agapito – Mais o que é isso?

Jurema – Cecília, minha filha o que aconteceu?

Cecília – A Malu me colocou no lugar dela pra eu casar com o rapaz, só que ele me abusou e me jogou na estrada.

Agapito – Desgraçado! Miserável! Pegue a minha espingarda eu vou matar esse filho de chocadeira.

Jurema pega a espingarda. Agapito e Cecília saem atrás de Toni.

 

Cena 11 | Fazenda de Agapito | Noite.

Toni anda a cavalo com uma lamparina na mão, a procura de Malu.

Toni desse e vê Malu desmaiada atrás do pasto.

Toni (Desce do cavalo) – Malu? Malu? (Tira a mordaça)

Malu (Acordando) – Toni!

Toni – Vou te desamarrar. O que aconteceu?

Malu – Acho que a Cecília me acertou com alguma coisa.

Toni (Desamarrando) – Ela se casou comigo no seu lugar. E agora ela deve estar contando pro seu Agapito que eu abusei dela.

Malu – Ele vai querer te matar!

Toni – É por isso que vamos fugir.

Os dois montam no cavalo.

Toni – Pronta pra viver ao meu lado?

Malu – Pra sempre!

Toni – Ia!

Cavalo corre no meio do escuro.

Agapito vê os dois.

Agapito – Miserável, é agora que eu te mato.

Agapito atira. Toni consegue fugir com Malu.

Cecília chora de raiva ao ver Malu fugir com Toni.

FIM DO CAPÍTULO

Escrita por
Jheff Reis

Direção
Vinny Lopes

Realização
ADNTV Ficção 2017

Anúncios

14 comentários em “Amor Sem Fim – Primeiro Capítulo | ESTREIA

  1. Oi, Jheff ❤ Adorei a volta do ADNTV Ficção e a sua volta, super amei. Só acho que deveria ser Petrolina – Pernambuco, mas tudo bem!!

  2. Voltamos com tudo hein amigo!! Que privilégio reestrear a Ficção do ADNTV com uma obra sua. Obrigado pela confiança Jhe, o sucesso está garantido. As próximas tramas agradecem desde já haha.

    Abraços!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s