Jogo de Feras – Penúltimo Capítulo

11870816_1018340531523300_7506997997627748409_n

UMA NOVELA DE ALLAN SAB

JOGO DE FERAS – CAPÍTULO 29 {Penúltimo}

228 - Cópia - Cópia (6)

CONTINUAÇÃO DA CENA ANTERIOR.

CENA 1. FACHADA DO GALPÃO ABANDONADO/ EXT./ NOITE

Rui caminha até duas pessoas amarradas em cadeiras.

Ele sorri sarcasticamente, da situação. A CAM revela as prisioneiras: Eva e Vera.

EVA (fraca) – Tire-nos daqui, filho do capeta!

VERA (grita) – Por favor, não fizemos nada!

Dominique aparece detrás das duas.

DOMINIQUE (enigmático) – Boa noite, minha amadas!

Eva e Vera se entreolham, assustadas. Dominique caminha calmamente até na frente das duas.

DOMINIQUE (chegando bem perto das duas) – Chegou a hora de brincarmos um pouco!

Dominique abre um sorriso malicioso.

[Abertura]

CORTE RÁPIDO:

CENA 2. GALPÃO ABANDONADO/ ESTOQUE/ INT./ NOITE

SONOPLASTIA: WEST ONE MUSIC – FOR EVERMORE [INSTRUMENTAL]

Eva e Vera estão amarradas em macas, elas se debatem para tentar se soltar, sem sucesso. Dominique caminha até o meio das duas, com um pequeno punhal. Ela passa pelos braços de Vera, com traços doentios. Rui observa tudo.

EVA (preocupada) – O que você vai fazer com a gente?!

DOMINIQUE – Fique tranquila, tenho certeza que vamos nos divertir bastante… Pelo menos eu vou! (risos) Vou perguntar apenas uma vez! Quem é a verdadeira mãe da Inês?!

Dominique faz um pequeno ferimento, no braço de Vera, que grita de dor.

DOMINIQUE (frio) – Já vou avisando… Que se eu não obtiver a resposta que quero isso daqui vai piorar muito!

Eva fica angustiada, enquanto, Vera chora de medo. Dominique encara as duas.

EVA – O que te interessa saber isso?!

DOMINIQUE – Minha querida filhinha merece saber o que passou desde que nasceu… A coitada acha que eu destruí a vida dela… Mas, ela mal sabe, que uma das minhas queridas mulheres, a tirou dos meus braços, anos atrás… Ela precisa saber a verdadeira vida que ela poderia ter levado comigo!

VERA (atônita, p/ Dominique) – Você quem destruiu a vida de todas nós… Desgraçou nossa vida, nos trouxe ódio, mágoas, rancor e desprezo… Agora, quer pagar de papaizinho preocupado… Francamente, um monstro frio e calculista teve algumas mudanças em algum tempo para cá!

DOMINIQUE (p/ Vera) – A verdade é uma só… Você sempre me subestimou, minha doce Vera! Sempre me rebaixava, mas, agora você está comendo na palma da minha mão!

VERA (p/ Dominique) – Você não me impressiona mais, muito menos, não me engana mais, você foi um erro na minha vida… Você me destruiu por dentro e por fora… Não vou deixar me manipular outra vez… Portanto, vou levar esse segredo para o tumulo, se quiser me machucar mais… Fique a vontade… Monstro desprezível.

DOMINIQUE (frio, p/ Vera) – Sempre soube que havia probabilidades, de vocês não abrirem o bico… Por isso, vou fazer uma demonstração, considere-se uma amostra grátis, da dimensão da minha monstruosidade!

Dominique levanta o punhal e finca na barriga de Vera, que urra e grita de dor, com os olhos lacrimejados. Ele aprofunda o ferimento, e tira o punhal do finco, rapidamente. Eva fica assustada e pasma, sem dizer qualquer palavra.

DOMINIQUE (frio, p/ as duas) – Tem certeza que querem mesmo ficar quietas?!

Vera começa a ofegar, enquanto, Eva fica aflita. Dominique abre um sorriso debochado.

[Suspense]

[Abertura]

CENA 3. DELEGACIA CENTRAL/ RECEPÇÃO/ INT./ NOITE

(A música continua) A delegada Paula conversa com o um inspetor. Quando, é surpreendida por um dos recepcionistas.

RECEPCIONISTA – Delegada, recebemos uma denuncia anônima que a Irmandade pode estar se escondendo num galpão abandonado na estrada 304.

DELEGADA PAULA – Ótimo! Chame o reforço, e mande as unidades para lá… Hoje, encurralamos esses marginais!

A delegada sai correndo.

CORTA PARA:

CENA 4. MANSÃO DOS DINIZ CASTELLAMARE/ SALA DE ESTAR/ INT./ NOITE

(A música continua) Estela, Sheila, Agostinho, Lucas e as crianças assistem apreensivos à televisão. A CAM foca nos repórteres falando dos raptos de Thaise, Inês, Eva e Vera.

SHEILA (temerosa) – Que horror! Cadê a polícia desse país…

LUCAS (complementa) – Isso não vai terminar bem!

Todos se entreolham apreensivos.

CENA 5. GALPÃO ABANDONADO/ INT./ NOITE

(A música para) Um capanga vem trazendo Thaise desmaiada.

SILVIA (debochada) – Pronto! Agora a família amada e querida, está toda reunida… Mas, como o destino é engraçado… Só falta nosso querido e velho papai.

Inês encara Silvia.

INÊS (fraca) – Pense bem, no que fez… Pois, isso não tem mais volta… Dominique é frio, não perdoa nem nada, nem ninguém… Quando ele achar que você não é mais útil, ele te descarta… Tome cuidado!

SILVIA (debochada) – Afinal, o que ele está fazendo?! Acho que deve estar matando! Então, quem diria, que seu próprio pai, é culpado, pela morte da estimável Joana!

Silvia abre um sorriso maléfico, enquanto, Inês fica cabisbaixa.

FUSÃO COM:

CENA 6. GALPÃO ABANDONADO/ ESTOQUE/ INT./ NOITE

A CAM foca no sangue jorrando, da maca de Vera, que está gravemente ferida. Eva continua tensa, mas, desta vez, tentando se livrar das cordas, que prendem suas mãos. Dominique está sentado numa poltrona preta, ao centro das duas. Vera continua chorando e urrando de dor.

DOMINIQUE (frio) – Tic Tac… O tempo continua passando… Apenas, você minha doce Eva, pode salvar a vida de sua grande amiga…

EVA (com lágrimas nos olhos, grita) – Eu falo… Mas, por favor, não machuque mais a Vera…

VERA (sussurra) – Não faça isso, Eva.

Dominique coloca a mão sobre o braço de Vera, que está encharcado de sangue, e ela se cala.

SONOPLASTIA: NEW DAY – SECOND SUSPENSE [INSTRUMENTAL]

DOMINIQUE (frio) – Chega de drama, e prossiga com esse segredo miserável!

EVA (chorando) – Sou eu! Sou eu a mãe da Inês… Fui eu que dei ela para Joana, para protegê-la das suas crueldades e maldades… F-U-I E-U!

Ela chora copiosamente.

~~~~ FLASHBACK ON ~~~~

LETREIRO: 28 Anos Atrás…

FLASHBACK/ CENA 7. MATERNIDADE/ BERÇARIO/ INT./ NOITE

A CAM foca em Eva (ainda jovem) entrando no berçário, ela entra silenciosamente, e caminha até uma incubadora, pega sua filha. FOCO TOTAL numa correntinha que está escrito: INÊS. Ela balança a filha. (A música para)

EVA (carinhosa) – Tudo vai ficar bem, minha querida!

A CAM foca em Inês, ainda bebê, dormindo profundamente. Ela caminha até a porta, abre e sai.

CORTA PARA:

FLASHBACK/ CENA 8. RUA CARIOCA/ EXT./ NOITE

SONOPLASTIA: ALEXANDRE GUERRA – SOMBRAS OUTONAIS [INSTRUMENTAL]

A noite está escura e chuvosa. Um grande caos acontece na rua. Enquanto, Eva caminha na chuva, protegendo Inês, do frio. Ela cobre a filha do frio e da chuva. A CAM vai acompanhando seus passos. Ela para perto de uma lata de lixo, ela coloca a filha dentro da lata.

EVA (com os olhos lacrimejando) – Que Deus lhe protega, minha Inês Elena!

Ela deixa a filha ali, e vai embora. RITMO MELANCÓLICO.

CORTE RÁPIDO:

FLASHBACK/ CENA 9. RUA CARIOCA/ EXT./ NOITE

(A música continua) Joana (ainda jovem) anda pela calçada, quando ouve o choro de uma criança. Ela para imediatamente.

JOANA (falando sozinha) – De onde está vindo esse choro?!

Ela abre a lata, e vê Inês chorando, ela pega a criança e coloca em seu colo.

JOANA – Calminha, meu amor… Mamãe chegou!

Ela faz carinho em Inês, que logo, para de chorar.

~~~~ FLASHBACK OFF ~~~~~ 

CENA 10. GALPÃO ABANDONADO/ ESTOQUE/ INT./ NOITE

DOMINIQUE (angustiado) – Então, você abandonou nossa filha numa lata de lixo…

Dominique fica emocionado.

EVA (interrompendo Dominique, chorando) – Você não pode me culpar! Afinal, eu a quis proteger do monstro que você é!

DOMINIQUE – Um erro não justifica o outro… Você é um monstro como eu… A verdade é que você destruiu a vida da nossa filha…

EVA (emocionada) – Mas, a minha intenção foi protegê-la.

DOMINIQUE (arrasado) – Sempre carreguei a culpa de vários assassinatos e vários crimes, nas costas… Mas, esse é todo seu!

EVA (chora) – Vou conviver com essa culpa para o resto da minha vida… Mas, a verdade é que não me arrependo de nada que fiz.

Dominique acerta uma forte bofetada em Eva, que cai no chão. Ele fica agoniado, e sai, enquanto, Eva chora desesperadamente, ela se debate no chão. (A música para)

[Tristeza]

CORTA PARA:

CENA 11. STOCK-SHOTS/ PLANOS GERAIS DO RIO DE JANEIRO/ EXT./ MANHÃ

Amanhece na cidade maravilhosa. Um lindo dia ensolarado. Ritmo Frenético.

FUSÃO COM:

CENA 12. FACHADA DO GALPÃO ABANDONADO/ EXT./ MANHÃ

SONOPLASTIA: JACOB PLANT – DROP THAT

A polícia prepara-se para invadir o galpão. Agitação e Euforia por partes dos policias, que estão fortemente armados.

CORTE RÁPIDO:

CENA 13. GALPÃO ABANDONADO/ INT./ MANHÃ

(A música continua) Rui corre até o meio do galpão, desesperado. Ele se aproxima de Dominique.

RUI (desesperado) – Mad Mestre! Estamos cercados pela polícia… O galpão está para ser invadido.

DOMINIQUE (vira-se) – Como é que é?

(A música para) Rui o encara apreensivo.

SONOPLASTIA: FIFTY HARMONY FT. KID INK – WORTH IT

CLOSE EM DOMINIQUE TENSO.

A IMAGEM CONGELA NUM EFEITO SOMBRIO

[Fim do Capítulo]

#CONTINUA NO PRÓXIMO CAPÍTULO

Escrita por
Allan Sab

Direção
Vinny Lopes

Realização
ADNTV Dramaturgia

ADNTV

banner inferior

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s