Clichê Adolescente 3 – Capítulo 8

logoalternativoca3

UMA NOVELA DE LUCAS OLIVEIRA 

DIREÇÃO DE VINNY LOPES  

228 - Cópia - Cópia (6)

#HOJE: CRISTIANO QUER APRESENTAR NAMORADA À MÃE

CENA 01 – MANSÃO GARCIA – JD EXTERNO – QTO EMPREGADA

Depois de tórrida noite de amor, Dado e Karla conversam.

Dado: Você é maluca. Acabou comigo… Tô um caco! 

Karla: Enquanto eu quero mais… Bis? 

Dado: Só se for bis de chocolate! Que apetite sexual você tem… Mas já pensou se sua mãe descobre que eu estou escondido aqui? E pior, vê nós dois juntos? Pra todos os efeitos ela acha que você nunca mas me viu.

Karla: Eu já disse pra você relaxar. Minha mãe não vai descobrir nada e você vai ficar aqui o tempo que for necessário. Pelo o menos até você ter certeza de que a polícia não está mais de olho no bairro onde você mora.

Dado: De qualquer forma, vá para o seu quarto. Se amanhecer e sua mãe não lhe encontrar no quarto, pode ser pior.

Karla: Tá – Ela se levanta e depois volta dando um beijo em Dado – Adorei a noite. Foi perfeita!

Dado: Eu também minha maluca (Risos).

Karla calça os sapatos, ajeita a roupa e sai feliz da vida. Ela volta para seu quarto e vai dormi como se nada tivesse acontecido. Alguém flagra.

CENA 02 – MANSÃO GARCIA –  SALA DE JANTAR – DIA SEGUINTE – MANHÃ

Reunidos a mesa para dar inicio ao café da manhã, Cristiano olha para sua mãe e sua irmã. Apreensivo começa a falar com insegurança.

Cristiano: Conheci uma garota e quero apresentar ela a família. Só que ela é diferente…

Luma resmunga colocando suco de açaí em sua taça.

Luma: Diferente em que, filho? Não namora uma síndrome down né?!

Karla: Ou é pobre ou é doente de uma outra coisa! – Comenta rindo.

Cristiano: Se fosse uma ou outra, ela pelo menos não seria uma “traficante”!

Os dois irmão se olham em desafio.

Karla: Pois aquilo foi uma única vez. Nunca mais falei com aquele bandido ralé.

Cristiano: Certeza…? (flashback)

Cristiano flagra Karla sair do quarto de empregada.

(fim de flashback)

Se entreolham, ele disfarça.

Luma: E quando irá nos apresentar a moça, meu filho?

Cristiano: Em breve, assim que conseguir convencê-la a vir aqui em casa.

Em pensamento Cristiano bola um plano e resolve fazer com que Magali interprete uma executiva bem sucedida.

CENA 03 – ESCOLA DE MÚSICA – EXTERIOR – TARDE

Andando desanimado pela rua, André olha a vitrine musical com vários instrumentos. Uma galera animada e sofisticada entra na loja fazendo algazarra. Ele olha admirado quando um garoto da turma inicia uma discussão com o dono da loja, Marcos. O garoto eleva o som da voz e aponta o dedo na cara dele..

André: Ei calma aí, não precisa agredir o cara meu amigo! – Diz se colocando no meio entre o dono e o garoto.

O garoto olha para Andre e sai reclamando da loja junto com seus amigos.

André: O senhor esta bem? Esses caras cada dia estão mais abusados! – Ele sorri.

Ao olhar para André, Marcos lhe reconhece e comprimenta.

Marcos: André?

André: Como você sabe meu nome? Me conhece?

Marcos: Você não lembra de mim? Marquinhos boca torta do ensino fundamental lembra?

André reconhece o amigo de infância e lhe abraça.

André: Agora que eu lembrei. Como você mudou hein? Cresceu, não tem mais a boca torta e agora virou até dono de escola de música.

Marcos: Pois é, e eu me casei também. Eu não sabia que você gostava de música.

André: Eu adoro tocar, mas como minha situação não é boa, nunca tive grana pra pagar. Meus pais morreram e estou fazendo faculdade por conta de uma bolsa de estudo que ganhei. Mas nem sei se vou continuar, porque não posso deixar meu irmão sozinho. Preciso arranjar um emprego.

Samara, a mulher de Marcos que estava do outro lado dá rua se aproxima.

Samara: Olha, estava de lá olhando o que aconteceu e poucas pessoas na sua idade se meteriam nesses casos. A maioria apenas olha e torce para que haja pancadaria – Comenta olhando para André que lhe sorri.

André: Não poderia deixar isso acontecer! Ainda mais em uma loja com itens tão valiosos – Diz olhando para o violino a sua direita.

Atentos, Samara e Marcos percebem o interesse do garoto pelo instrumento.

Marcos: Essa é minha mulher Samara e dirige a escola junto comigo. Você por acaso  aceitaria fazer aulas aqui e aprender a tocar o seu instumento preferido?

André: Eu até queria, mas não tenho como pagar. Seria um sonho eu estudar numa escola como essa e até quem sabe me tornar um violinista famoso. Mas sem grana não dá.

Marcos: A gente não era amigos? Pois então, ainda somos. Venha tomar aulas comigo cara, e não precisa pagar nada, pelo contrário, eu que vou lhe dá uma grana pra você sustentar você e seu irmão. Mas em troca você tem que ser o melhor aluno dessa escola viu? (Risos)

André fica radiante e muito feliz com a proposta de Marcos.

André: Nossa, eu nem acredito que você vai fazer isso Marcos. Obrigado cara, muito obrigado – Diz abrançando ele – Tenha certeza de que você não vai se arrepender em me dá essa oportunidade.

Marcos: Então amanhã mesmo, nesse mesmo horário quero vê você aqui. E disposto!

Samara está ao lado do marido e observa André com olhar de um certo interrese sobre o jovem rapaz.

CENA 04 – CASA DE ZILDO – SALA – TARDE

Magali chega da faculdade, entra na sala e pega seu irmão e Alas meditando, o cheiro de incenso incendeia a casa. Uma batida na porta a deixa em alerta, Zildo para sua meditação levantando as pressas para abrir a porta.

Zildo: Se for o arrumadinho, vou descer das tamancas e acertar a bunda dele.

Magali: Fique na sua, eu vou abrir a porta! – Diz e abri a porta.

O rosto de espanto de Magali faz Zildo se aproximar da irmã.

Zildo: O que é? Porque essa cara de paisagem?

O entregador passa o cartão a Magali.

Entregador: Moça? Moça? Onde posso colocar os buques de flores?

Com o coração esbanjando felicidade, Magali aponta para o entregador entrar na casa. Zildo fica boquiaberto a olhar a pick up lotada de buques de rosas vermelhas.

Alas: Nossa, pelo visto sua irmãzinha tem um grande admirador hein (Risos)

Zildo: Eu sei quem é. E não estou gostando nada do rumo dessa história – Diz olhando para as flores e balançando a cabeça negativamente.

Magali lê o cartão das flores, onde Cristiano diz que lhe espera a noite no mesmo restaurante que jantaram anteriomente. Ela suspira e entra em seu quarto. 

CENA 05 – CASA MIRELY – SALA 

Mirely e Isadora estão chegando em casa. Isadora está falando com Drica pelo celular, mas resolve desligar depois que Mirely dá sinal.

Isadora: Bom, Drica eu vou ter que desligar aqui. Eu e a Dona Mirely acabamos de chegar. Depois você me passa o resto da matéria. Beijos! – Diz e desliga.

Mirely: Isadora, antes de começar o serviço eu queria conversar com você.

Isadora: Porque, Dona Mirely? Eu fiz alguma coisa de errado?

Mirely: Não. É que eu recebi um telefonema do meu filho, que estuda no exterior e ele está voltando esta semana. Queria que você tratasse ele muito bem, ele é bonito…

Isadora: Como assim Dona Mirely? Eu não tô entendendo…

Mirely: Não precisa, só faça o que eu falei! Enfim, eu e o César somos um casal que trabalhamos demais e as vezes não prestamos atenção no que acontece a nossa volta. Por tanto se o trabalho aqui em casa, tiver atrapalhando você com os estudos lá na faculdade, me diga.

Isadora: Claro que não Dona Mirely, eu dô conta dos dois. Preciso muito desse emprego e do quarto de empregada que a senhora me oferece. Se não, acho que estaria dormindo na rua.

Mirely: Eu lhe entendo Isadora. Bom, espero que você valorize o que eu estou fazendo por você e não me decepcione tá?

Nesse momento, Isadora abaixa a cabeça e pensa na atração que está sentindo por César.

Mirely: Bom, agora vá preparar o almoço que já já o César chega e enquanto isso eu vou tomar um banho – Diz e sai em direção ao banheiro.

Isadora vai para cozinha. 

CENA 05 – MANSÃO GARCIA – QTO – NOITE

Karla está conversando com Vivian pelo celular.

Karla: Pois é Vivian, foi demais a minha primeira noite de amor com o Dado. Confesso, estou nas nuvens!

Vivian: Ai Karla, eu não acredito que você ainda tá com esse bandido na sua casa. Já pensou se sua mãe descobre?

Karla: Eu já disse que ele não é bandido, apenas não teve a mesma oportunidade na vida que nós duas. E a mamãe não vai descobrir, porque o quarto de empregada que o Dado tá, fica no jardim, e a mamãe mal vai lá. Tem alguém sabotando tudo que o Dado faz, e ele precisa ficar aqui até a polícia desistir de procurar ele entendeu?

Luma: Quem que a polícia vai desistir de procurar minha filha? – Diz ao entrar no quarto.

Karla se vira e derruba o celular ao dá de cara com a mãe.

CORTA PARA: 

 CA3

Curta a fan page de “Clichê Adolescente 3” e fique por dentro do que vem por aí >> Fb.com/clicheadolescente

ADNTV

bannerpandemonio

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s